Avaliação das características termais superficiais do município de Jacareí por meio de geotecnologias

  • Rodrigo da Cunha Pacheco Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo
Palavras-chave: temperaturas; uso da terra; sensoriamento remoto; geoprocessamento.

Resumo

Este artigo visa demostrar, por meio de um estudo de caso, que diferentes usos da terra implicam em distintas temperaturas superficiais que podem ser avaliadas por meio do uso das geotecnologias. Assim, toma o município de Jacareí como área de estudo e utiliza de SIGs, cenas Landsat-8 e Cbers-4 para efetuar a presente proposta. Os usos da terra de Jacareí podem ser distinguidos em quatro grandes tipos: corpos de água, vegetação herbácea (frequentemente usadas como pastagens), vegetação arbórea (incluindo plantações de eucaliptos) e áreas urbanas (com enclaves de vegetação). Demonstrou-se, de forma inequívoca, que superfícies vegetais arbóreas densas apresentam temperaturas de superfície inferiores às superfícies urbanas; assim, núcleos urbanos rodeados por cobertura vegetal arbórea  geram pontos com superfícies relativamente mais quentes (as ilhas de calor superficiais), enquanto “ilhas vegetadas” em áreas urbanas geram regiões relativamente mais frias (ilhas de amenização das temperaturas superficiais). Isto indica que centros urbanos bastante arborizados podem favorecer melhor conforto térmico para a sua população e, consequentemente, melhor qualidade de vida. No caso do município de Jacareí, que está em franco processo de crescimento demográfico e urbano, indica-se a promoção de políticas públicas de arborização das suas áreas urbanas para que seus habitantes vivenciem em áreas com melhor qualidade ambiental.

Biografia do Autor

Rodrigo da Cunha Pacheco, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo
Professor doutor em geografia física, IFSP
Publicado
30-01-2021