MIGRAÇÃO E MOBILIDADE PENDULAR METROPOLITANA:

REFLEXÕES COM BASE NO CASO DE BELO HORIZONTE

  • Carlo Lobo Doutor em Geografia. Professor dos Programas de Pós-Graduação em Geografia e Análise e Modelagem de Sistemas Ambientais do IGC/UFMG, Brasil
Palavras-chave: Migração, Mobilidade Pendular, Espaço Metropolitano.

Resumo

Vinculada ao processo ao processo de urbanização, bem como da expansão do tecido urbano da metrópole, a difusão de fortes correntes de migração para os municípios das periferias metropolitana, composta, em boa medida, por grupos de população “expulsa” das áreas centrais. Contudo, para além de uma suposta crença em um processo de desconcentração, parte-se do suposto que esse contingente ainda mantém forte interação com o núcleo metropolitano, que pode ser evidenciado pelos vínculos de deslocamento regular para trabalho e estudo.  Nesse sentido, esse trabalho tem como objetivo principal avaliar o grau de prevalência da pendularidade para Belo Horizonte da emigração do núcleo para a periferia metropolitana, incluindo uma análise das possíveis diferenças nos padrões e níveis escolaridade e renda, bem como a distribuição das categorias ocupacionais, dos grupos migrantes que se deslocam regularmente para trabalho e/ou estudo na capital. Os resultados empíricos obtidos permitiram expor pelo menos duas conclusões gerais: 1ª) afora a redução da emigração metropolitana observada na última década, a recorrência do altos volumes de pendularidade sugere a manutenção ou em alguns casos a ampliação dos vínculos de trabalho e/ou estudo, indicando o elevado grau de interação desses migrantes com a capital, especialmente com os municípios limítrofes e mais próximos; 2ª) os níveis de escolaridade e renda, bem com a distribuição desses migrantes por categorias ocupacionais, sugerem certo grau de seletividade, com padrão espacial diferenciado por níveis um pouco mais baixos de renda escolaridade em desfavor dos trabalham e/ou estudam no próprio município de residência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlo Lobo, Doutor em Geografia. Professor dos Programas de Pós-Graduação em Geografia e Análise e Modelagem de Sistemas Ambientais do IGC/UFMG, Brasil

Doutor em Geografia. Professor dos Programas de Pós-Graduação em Geografia e Análise e Modelagem de Sistemas Ambientais do IGC/UFMG, Brasil

Publicado
02-12-2022