Avaliação de risco a enchentes e inundações por krigagem ordinária em sistemas de informação geográfica

Resumo

As enchentes e inundações são os desastres naturais que mais causam prejuízos sociais, econômicos e ambientais no Brasil. A avaliação e mapeamento de áreas de risco é feita por meio de metodologias quantitativas para modelar a paisagem e indicar os locais com maior probabilidade de ocorrência de desastres naturais. Este trabalho visou mapear processos hidrológicos extremos por meio da relação da densidade de drenagem com o índice de bifurcação com a ferramenta krigagem ordinária disponível no software ArcGIS 10.5. A partir do modelo digital de elevação foram geradas as cartas de declividade, hipsométrica e de drenagem para extrair as informações necessárias para realizar o cálculo. Posteriormente, foi inserido sobre a área de estudo uma grade regular para calcular tal parâmetro ao longo da bacia. Os pontos amostrados foram combinados por geoestatística resultando no mapa de risco natural a enchentes e inundações na bacia hidrográfica do Rio Machado. A metodologia apontou que a cidade de Poço Fundo está inserida em uma área propícia a processos hidrológicos violentos, contrariando a metodologia convencional da análise morfométrica que indicou que o Rio Machado não era propício a sofrer com enchentes e inundações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Emanuel Servidoni, Universidade Federal de Alfenas - MG

Geógrafo e Mestre em Ciências Ambientais.

Instituto de Ciências da Natureza - UNIFAL - MG.

 

Alexandre Elias de Miranda Teodoro, Alexandre Elias de Miranda Teodoro
Geógrafo e mestrando em Geografia pela Universidade Federal de Alfenas - MG>
Ronaldo Luiz Mincato, Instituto de Ciências da Natureza - UNIFAL-MG

Professor Associado II - UNIFAL - MG.

Geólogo, UNISINOS. Especialista em ensino de Geociências - UNICAMP.

Mestre em Geociências e Doutor em Ciências pela UNICAMP

Clibson Alves dos Santos, Instituto de Ciências da Natureza - UNIFAL - MG.

Professor Associado I - UNIFAL- MG.


Geógrafo pela Universidade Estadual do Tocantis.

Mestrado em Geodinâmica Superficial e Doutorado em Geologia Ambiental e Conservação de Recursos Naturais pela Universidade Federal de Ouro Preto.

Publicado
02-07-2019
Seção
ARTIGOS