Apologia do fragmento: Pertinência teológica da sinfonia adiada de Christian Duquoc

Paulo Sérgio Carrara

Resumo


O artigo se situa no âmbito do diálogo inter-religioso, um dos grandes paradigmas da teologia atual. Após o Concílio Vaticano II, que tratou da salvação dos não cristãos e dos membros de outras religiões, a teologia aprofundou sua abordagem do tema e apareceram propostas variadas para o diálogo inter-religioso. Aos teólogos se impôs o desafio de conjugar a necessidade constitutiva de Jesus Cristo para a salvação de todos e o lugar das outras tradições religiosas no plano de salvação de Deus. A proposta do teólogo católico francês, Christian Duquoc, chamada por ele de sinfonia adiada, reclama atenção por sua singularidade ao afirmar o lado positivo das divisões e fragmentos. Sua abordagem se situa no âmbito da teologia católica surgida após o Concílio Vaticano II, na qual se encontram perspectivas diversas para o diálogo inter-religioso. Sua teologia acentua o papel do Espírito Santo na construção da unidade possível na diversidade dos fragmentos. O presente artigo avalia a pertinência teológica da proposta do teólogo francês para o diálogo inter-religioso.


Palavras-chave


Salvação cristã. Diálogo inter-religioso. Chistian Duquoc. Sinfonia Adiada

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5752/P.2175-5841.2015v13n40p2036

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Esta obra está licenciada sob uma Attribuiton 4.0 Internacional:  
Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)

 

Redes Sociais:

 

 

Filiada: Apoio:

Logotipo do IBICT

 

 

 

Indexadores e Repositórios/Banco de dados:


Latindex Sumários de Revistas   Brasileiras



 

Presença em algumas bibliotecas no exterior: