Uma apologia do diálogo: Claude Geffré lendo Paul Tillich

Main Article Content

Joe Marçal Gonçalves dos Santos

Resumo

O objeto deste artigo é a leitura que Claude Geffré faz de Paul Tillich em De Babel a Pentecostes: ensaios de teologia inter-religiosa. O autor recorre à teologia de Tillich para desenvolver uma “hermenêutica do diálogo inter-religioso”, a fim de responder ao desafio do pluralismo religioso para a teologia cristã. O argumento que Geffré encontra é que apenas a partir do paradoxo cristológico, à luz do conceito de “revelação final” e “preocupação última”, a teologia cristã pode responder ao pluralismo religioso sem perder-se de si mesmo. O artigo tem dois momentos: primeiro, uma percepção da obra de Geffré, especialmente a primeira parte, intitulada Não há outro nome, onde está nosso foco; segundo, a análise dos três conceitos de Tillich desenvolvidos por Geffré, procurando identificar e caracterizar acentos da leitura e analisar o resultado dessa leitura à luz das referências na obra de Tillich. Nossa conclusão sublinha a pertinência da teologia de Tillich para a reflexão acerca do problema proposto, tal como Geffré demonstra, e destaca uma crítica a partir do conceito de preocupação última, cuja implicação questiona a positividade desse conceito para uma teologia inter-religiosa, uma vez que seu caráter paradoxal seja relativizado.

Article Details

Como Citar
SANTOS, J. M. G. DOS. Uma apologia do diálogo: Claude Geffré lendo Paul Tillich. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 13, n. 40, p. 1870-1895, 25 dez. 2015.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier
Biografia do Autor

Joe Marçal Gonçalves dos Santos, Universidade Federal de Sergipe

Doutor em Teologia, professor do Núcleo de Ciências da Religião da Universidade Federal de Sergipe