Fenomenologia da religião como essencialista e criptoteologia: reconsiderações críticas

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Frederico Pieper

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar as críticas que se faz no contexto brasileiro de que a fenomenologia da religião é essencialista e seria espécie de criptoteologia. Essa análise será conduzida a partir da confrontação dessas críticas com as considerações metodológicas de autores que se identificam com a fenomenologia, especialmente os de tradição holandesa. Para tratar dessas temáticas, o artigo se concentra em dois temas. Em primeiro lugar, para abordar a temática do essencialismo, trata da relação entre história e sistema, buscando mostrar até onde ela pode ser considerada como forma de essencialismo. Em segundo lugar, para abordar a temática da criptoteologia, o artigo busca mostrar como esses autores buscam diferenciar fenomenologia e teologia. A intenção final do artigo não é estabelecer uma defesa da fenomenologia, mas indicar a necessidade de um debate mais aprofundando dessas questões no contexto brasileiro, uma vez que essas temáticas se mostram muito mais complexas do que, muitas vezes, as críticas pressupõem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
PIEPER, F. Fenomenologia da religião como essencialista e criptoteologia: reconsiderações críticas. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 17, n. 53, p. 801, 31 ago. 2019.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier
Biografia do Autor

Frederico Pieper, Professor no Departamento de Ciência da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Graduado em Teologia (EST-ICSP), História (USP) e Filosofia (USP). Mestre e doutor em Ciências da Religião (UMESP). Doutor em Filosofia (USP). Professor no Departamento de Ciência da Religião (UFJF).