Diversidade e complexidade entre justificação e aplicação: uma pedagogia democrática da religião, uma pedagogia religiosa da democracia – reflexões desde a exortação pós-sinodal Amoris Laetitia, do Papa Francisco

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Leno Francisco Danner
Fernando Danner
Agemir Bavaresco

Resumo

Argumentamos que a Encíclica Amoris Laetitia, do Papa Francisco, assume como seu núcleo estruturante o hiato entre doutrina e pastoral, justificação e aplicação, através do reconhecimento de que a pluralidade humana e suas contingências prático-históricas imprimem indelevelmente a marca da complexidade como base orientadora da compreensão e da ação institucionais. Como consequência, tem-se um fosso entre teoria e prática que somente pode ser resolvido pela primazia do amor frente à verdade e, assim, pela relativa autonomia da pastoral frente à doutrina, de modo que a aplicação direta e sem mediações do credo dá lugar às mediações próprias a cada situação e a cada sujeito concretos. Argumentaremos, a partir disso, que se gesta uma pedagogia democrática da religião marcada pela afirmação, pelo reconhecimento e pela valorização da diversidade, que leva à moderação institucional, à minimização do fundamentalismo e à sensibilização para com as diferenças enquanto alteridades irredutíveis. Dessa pedagogia democrática da religião, por sua vez, gesta-se uma pedagogia religiosa da democracia em que a instituição religiosa assume uma perspectiva antifacista, antitotalitária e não-fundamentalista que tem como objetivo básico a defesa intransigente da diversidade, dos direitos humanos e do Estado democrático de direito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
DANNER, L. F.; DANNER, F.; BAVARESCO, A. Diversidade e complexidade entre justificação e aplicação: uma pedagogia democrática da religião, uma pedagogia religiosa da democracia – reflexões desde a exortação pós-sinodal Amoris Laetitia, do Papa Francisco. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 19, n. 59, p. 756, 31 ago. 2021.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier
Biografia do Autor

Leno Francisco Danner, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Doutor em Filosofia (PUCRS). Professor de Filosofia e de Sociologia no Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

Fernando Danner, Universidade Federal de Rondônia

Doutor em Filosofia com área de concentração em ética e filosofia política (PUCRS). Professor de ética e de filosofia política no Departamento de Filosofia e no Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

Agemir Bavaresco, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Doutor em Filosofia pela Université de Paris I - Pantheon Sorbonne. Professor de ética e filosofia política no Departamento de Filosofia e no Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Referências

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
COLLINS, John J. A Bíblia justifica a violência? São Paulo: Paulinas, 2006.
DUSSEL, Enrique. 1492, o encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1993.
FANON, Frantz. Os condenados da Terra. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1968.
FORST, Rainer. Contextos da justiça: filosofia política para além de liberalismo e comunitarismo. São Paulo: Boitempo, 2010.
HABERMAS, Jürgen. Teoria do agir comunicativo (Vol. I): racionalidade da ação e racionalização social. São Paulo: Martins Fontes, 2012.
HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: estudos de teoria política. São Paulo: Loyola, 2002a.
HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade: doze lições. São Paulo: Martins Fontes, 2002b.
HABERMAS, Jürgen. Israel o Atenas: ensayos sobre religión, teología y racionalidad. Madrid: Trotta, 2001.
HABERMAS, Jürgen. Pensamento pós-metafísico: ensaios filosóficos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.
HONNETH, Axel. “Educação e esfera pública democrática: um capítulo negligenciado na filosofia política”, Civitas: Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 13, n. 03, p. 544-562, 2013. Data de Acesso: 30/11/2019. DOI:
http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2013.3.16529
HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.
KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.
KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.
KRENAK, Ailton. Encontros. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2015.
MARIANO, Ricardo; GERARDI, Dirceu André. “Eleições presidenciais na América Latina em 2018 e ativismo político de evangélicos conservadores”, Revista USP, São Paulo, p. 61-76, 2019. Data de Acesso: 30/11/2019. DOI:
https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i120p61-76
MARRAMAO, Giacomo. Céu e terra: genealogia da secularização. São Paulo Editora da UNESP, 1997.
MARRAMAO, Giacomo. Poder e secularização: as categorias do tempo. São Paulo: Editora da UNESP, 1995.
MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014.
MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1967.
ORTIZ, Alejandro. “Paradigma posreligional? Hacia una compreensión compleja del fenómeno religioso contemporáneo”, Voices, Belo Horizonte, v. 35, p. 154-160, 2012. Data de Acesso: 30/11/2019. Disponível em:
https://www.academia.edu/31478201/Toward_a_Postreligional_Paradigm_Hacia_un_Paradigma_Posreligional_VOICES_2012-1
POPE FRANCIS. Amoris Laetitia. Vatican: Vatican Press, 2016. Data de acesso: 08/09/2017. Disponível em:
https://w2.vatican.va/content/dam/francesco/pdf/apost_exhortations/documents/papa-francesco_esortazione-ap_20160319_amoris-laetitia_po.pdf
QUIJANO, Aníbal. “Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina”, p. 117-142. In: CLACSO. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.
RAWLS, John. O liberalismo político. São Paulo: Editora Ática, 2000.
RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.
RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento; Justificando, 2017.
SALES, Lílian; MARIANO, Ricardo. “Ativismo político de grupos religiosos e lutas por direitos”, Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 39, p. 09-27, 2019. Data de Acesso: 30/11/2019. DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/0100-85872019v39n2editorial
SYNOD OF BISHOPS. XIV Ordinary Assembly. The Vocation of the Family in the Church and in the Contemporary World. The Final Report of the Synod of Bishops to the Holy Father, Pope Francis. 24 Oct. 2015. Data de Acesso: 28 de março de 2017. Disponível em:
http://www.vatican.va/roman_curia/synod/documents/rc_synod_doc_20151026_relazione-finale-xiv-assemblea_en.html
VATTIMO, Gianni. Adeus à verdade. Petrópolis: Vozes, 2016.
VATTIMO, Gianni. Depois da cristandade: por um cristianismo não-religioso. Rio de Janeiro: Editora Record, 2004.

Sites Acessados:
INSTITUTO HUMANITAS UNISINOS. “Ao explicar o ‘Quem sou eu para julgar?’, Francisco dá um passo adiante no debate LGBT”. IHU Online, São Leopoldo, 19/01/2015. Data de Acesso: 03/09/2016. Disponível em:
http://www.ihu.unisinos.br/noticias/550960-ao-explicar-o-quem-sou-eu-para-julgar-francisco-da-um-passo-adiante-no-debate-lgbt

“Papa compara a Hitler políticos que discursam contra gays, judeus e ciganos”, G1, Rio de Janeiro, 15/11/2010. Data de Acesso: 30/11/2019. Disponível em:
https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/11/15/papa-compara-a-hitler-politicos-que-discursam-contra-gays-judeus-e-ciganos.ghtml