Sob o estigma do fundamentalismo: algumas reflexões sobre um conceito controverso

Main Article Content

Resumo

Este artigo procura discutir o atual uso inflacionado do conceito de fundamentalismo (na mídia e na reflexão acadêmica) e apresentar algumas reflexões sobre os limites e polêmicas em torno da noção de fundamentalismo. A partir da perspectiva da História dos Conceitos, especialmente das reflexões de Reinhart Koselleck, o texto procura reconstruir a história do conceito de fundamentalismo nos Estados Unidos, apresentando alguns momentos essenciais para se entender as transformações no uso do conceito ao longo do século XX. Ressalta-se a importância da diferenciação entre o “fundamentalismo histórico” (protestante e norte-americano) e sua ampliação no sentido de um “fundamentalismo global”, perspectiva que ganhou força na academia a partir dos anos 1980. A partir dessas reflexões, o artigo procura apresentar um debate atual entre os defensores do uso do conceito numa perspectiva comparativa e os que consideram que a utilização de um conceito ampliado de fundamentalismo tem se tornado mais um complicador do que uma ferramenta analítica relevante nos estudos sobre a religião na contemporaneidade.

Article Details

Como Citar
ROCHA, D. Sob o estigma do fundamentalismo: algumas reflexões sobre um conceito controverso. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 18, n. 56, p. 455, 31 ago. 2020.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier
Biografia do Autor

Daniel Rocha, PUC - Minas

Doutor em História pela (UFMG). Graduado em História (UFMG) e Mestre em Ciências da Religião pela (PUC Minas). Atualmente, é bolsista do Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) da CAPES, realizando sua pesquisa no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da (PUC Minas), atuando como Professor Colaborador. País de origem: Brasil. E-mail: danielrochabhmg@gmail.com

Referências

APPLEBY, R. Scott. Fundamentalism. In: WUTHNOW, Robert (ed.). The encyclopedia of politics and religion. London: New York: Routledge, 1998. p. 280-288.

ASAD, Talal. Genealogies of religion: discipline and reasos of power in Christianity and Islam. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1993.

AZEVEDO, Cecília. A santificação pelas obras: experiências do protestantismo nos EUA. Tempo, Rio de Janeiro, v. 6, n. 11, p. 111-129, 2001.

BERGER, Peter. A dessecularização do mundo: uma visão global. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 9-24, 2000.

BOFF, Leonardo. Fundamentalismo: a globalização e o futuro da humanidade. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.

BURKE, Peter. Testemunha ocular: história e imagem. Bauru: EDUSC, 2004.

CAMPOS, Breno Martins. A exclusão do outro na história do mesmo: uma tentativa nova de classificar o velho fundamentalismo religioso. Religare, Paraíba, v. 15, n. 2, p. 354-381, dez. 2018.

DARNTON, Robert. Os dentes falsos de George Washington: um guia não convencional para o século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

DIAS, Zwinglio Mota (org.). Os vários rostos do fundamentalismo. São Leopoldo: Oikos, 2009.

DREHER, Martin Norberto. Fundamentalismo. São Leopoldo: Sinodal, 2006.

FERREIRA, Jorge. O populismo e sua história: debate e crítica: Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2001.

GOMES, Angela de Castro. Populismo e ciências sociais no Brasil: notas sobre a trajetória de um conceito. In:

FERREIRA, Jorge (org.). O populismo e sua história: debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. p. 17-57.

HARDING, Susan F. Representing fundamentalism: the problem of the repugnant cultural other. Social Research, v. 58, n. 2, p. 373-393, 1991.

HARDING, Susan F. The book of Jerry Falwell. New Jersey: Princeton University Press, 2000.

HODGE, Archibald A., WARFIELD, Benjamin B. Inspiration. Philadelphia: Presbyterian Board of Publication, 1881.

KEPEL, Gilles. A revanche de Deus: cristãos, judeus e muçulmanos na reconquista do mundo. São Paulo: Siciliano, 1991.

KIRSCHNER, Tereza Cristina. A reflexão conceitual na prática historiográfica. Textos de História, v. 15, n. 1/2, p. 49-61, 2007.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2006.

MARDSEN, George M. Fundamentalism and American Culture. 2ª ed. New York: Oxford University Press, 2006.

MARRANCI, Gabriele. Understanding muslim identity: rethinking fundamentalism. New York: Palgrave MacMillan, 2009.

MARSDEN, George M. Religion and American culture. 2. ed. Harcourt College Publishers, 2001.

MARTY, Martin E.; APPLEBY, R. Scott (ed.). Fundamentalism and society: reclaiming the sciences, the Family and education. Chicago: University of Chicago Press, 1993.

MENCKEN, H. L. On religion. Edited by S. T. Joshi. New York, Prometheus Books, 2002.

ORO, Ivo Pedro. O outro é o demônio: uma análise sociológica do fundamentalismo. São Paulo: Paulus, 1996.

PACE, Enzo; STEFANI, Piero. Fundamentalismo religioso contemporâneo. São Paulo: Paulus, 2002.

PANASIEWICZ, Roberlei. Olhar hermético ou hermenêutico: fundamentalismo religioso, origens e desafios. Atualidade Teológica, Rio de Janeiro, v. 29, p. 1-11, 2008.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Fundamentalismo e integrismo: os nomes e a coisa. Revista USP, São Paulo, n. 13, p. 144-156, 1992.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Secularização em Max Weber: da contemporânea serventia de voltarmos a acessar aquele velho sentido. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 13, n. 37, p. 43-73, 1998.

PROST, Antoine. Doze lições sobre a história. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

ROCHA, Daniel. Fim dos tempos nos Estados Unidos: escatologia, fundamentalismo religioso e identidade nacional em Hal Lindsey e Tim LaHaye (1970-1980). Belo Horizonte, 2017. 402 f. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais.

RUTHVEN, Malise. Fundamentalism: a very short introduction. Oxford: Oxford University Press, 2007.

SAID, Edward. Orientalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

SCHÄFER, Axel R. Piety and public funding: evangelicals and the State in modern America. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2012.

SCOFIELD, Cyrus I. (ed.). The Scofield Reference Bible. New York: Oxford University Press, 1967. [A primeira versão da Bíblia de Estudo Scofield foi publicada nos Estados Unidos em 1909, sendo reeditada em 1917 e 1967].

STRAUSS, David Friedrich. The life of Jesus. New York: Calvin Blanchard, 1869.

TABORDA, Francisco. Sacramentos, práxis e festa. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 21, n. 23, p. 85-99, 1989.

TAMAYO, Juan José. Fundamentalismos y diálogo entre religiones. 2ª ed. Madrid: Editorial Trotta, 2009.

WATT, David Harrington. Antifundamentalism in modern America. Ithaca; London: Cornell University Press, 2017.

WATT, David Harrington. The meaning and end of fundamentalism. Religious Studies Review, Houston, v. 30, n. 4, p. 271-274, 2004.

WATT, David Harrington; WOOD, Simon A. Fundamentalism: perspectives on a contested history. Columbia: The University of South Carolina Press, 2014.

WOOD, Simon A. The concept of Global Fundamentalism: a short critique. In: WATT, David Harrington; WOOD, Simon A. Fundamentalism: perspectives on a contested history. Columbia: The University of South Carolina Press, 2014. p. 125-143.