Evangélicos e conservadorismo – afinidades eletivas: as novas configurações da democracia no Brasil

Main Article Content

Paulo Gracino de Souza Junior
Carlos Henrique Pereira de Souza

Resumo

Neste artigo partimos da hipótese de que a afinidade que atrai evangélicos e conservadorismo está muito mais ligada às condições discursivas que engendram os sujeitos e suas subjetividades, do que as características intrínsecas à teologia cristã ou, especificamente, evangélica pentecostal. Com isso não queremos dizer que conformações teológicas específicas não ensejaram discursos religiosos regressivos, que a maioria de nós classificaria como conservador. Assim, chamamos a atenção, tanto para o caráter relacional, posicional das identidades evangélicas, que engendram o discurso conservador, quanto para a base material deste discurso, ligando, portanto, sujeitos e formas de sujeição e subjetivação. Interessam-nos, as formas políticas em que se precipitarão os antagonismos articulados a partir dos grupos de identidade evangélica, bem como os deslocamentos na base material destes sujeitos, que possibilitam o engendramento de subjetividades atomizadas e refratárias a solidariedades coletivas exógenas a sua comunidade.  Defenderemos que, embora evangélicos tenham ganhado relevo no espaço público por pautas reativas à ampliação de direitos de minorias, tais ações não se devem unicamente a aspectos intrínsecos à teologia pentecostal, ou ao seu caráter alienante ou irracional, mas, principalmente a forma como se posicionam no jogo político nacional, ou melhor, como se publicizaram, bem como a forma como o discurso de fundo conservador é acionado como estratégia de sobrevivência nas grandes cidades.

Article Details

Como Citar
SOUZA JUNIOR, P. G. DE; SOUZA, C. H. P. DE. Evangélicos e conservadorismo – afinidades eletivas: as novas configurações da democracia no Brasil. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 18, n. 57, p. 1188, 31 dez. 2020.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier
Biografia do Autor

Paulo Gracino de Souza Junior, IUPERJ/UCAM

É Pós-doutor em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IFCS-UFRJ), doutor em Sociologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2010), com estágio de doutorado na Universidade do Porto. Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política do IUPERJ/UCAM, onde é um dos coordenadores do Laboratório de Estudos da Cidade e da Cultura (LECC). É coordenador do GP Sociologia da Religião da SBS. Atuou como membro titular da Câmara de Assessoramento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo (FAPES). Pesquisa principalmente os seguintes temas: religião; crescimento pentecostal e resistência católica; transnacionalização religiosa; religiões e cidades; religião e juventude.

Referências

ALMEIDA, Ronaldo de. Bolsonaro presidente: conservadorismo, evangelismo e a crise brasileira. Novos estud. CEBRAP, São Paulo , v. 38, n. 1, p. 185-213, Apr. 2019
ALMEIDA, Ronaldo. A onda quebrada - evangélicos e conservadorismo. Cadernos Pagu [online], Campinas, n. 50, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332017000200302&lng=pt&tlng=pt. Acesso em 06 ago. 2020.
ALONSO, Ângela. “A política das ruas: protestos em São Paulo de Dilma a Temer”. Novos Estudos Cebrap, junho, pp. 49-58, 2017.
ALONSO, Ângela. Orelha. In: Toniol, Rodrigo e Almeida, Ronaldo. Conservadorismo, Fascismo e Fundamentalismo: análises conjunturais. Campinas: Editora Unicamp, 2018.
ALVES, José Eustáquio. O voto evangélico garantiu a eleição de Jair Bolsonaro. Revista Ecodebate. 31/11/2018. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2018/10/31/o-voto-evangelico-garantiu-a-eleicao-de-jair-bolsonaro-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/. Acesso em 06 ago. 2020.
AVRITZER, Leonardo etal. (Org.). Corrupção: ensaios e críticas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.
BENEVIDES, Maria Victoria. A UDN e o udenismo: ambigüidades do liberalismo brasileiro (1945-1965). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.
BEYER, Peter. A privatização e a influência pública da religião na sociedade global. In: FEATHERSTONE, Mike (Org.). Cultura global: nacionalismo, globalização e modernidade. Petrópolis: Vozes, pp. 395-419, 1999.
BURDICK, John. Procurando deus no Brasil: a Igreja católica progressista no Brasil na arena das religiões urbanas brasileiras. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.
BURITY, Joanildo. Onda conservadora e surgimento da nova direita cristã brasileira? a conjuntura pós-impeachment no Brasil. Ciencias Sociales Y Religión, 22. 2020.
BURITY, Joanildo. A onda conservadora na política Brasileira traz o fundamentalismo ao poder? Im: TONIOL, Rodrigo e ALMEIDA, Ronaldo. Conservadorismo, Fascismo e Fundamentalismo: análises conjunturais. Campinas: Editora Unicamp, 2018.
BURITY, Joanildo; MACHADO, Maria das Dores Campos. (Org.). Os votos de Deus: Evangélicos, política e eleições no Brasil. 1ed. Recife: Massangana, 2006.
CAMPOS, Leonildo Silveira. Teatro, templo e mercado: organização e marketing de um empreendimento neopentecostal. Petrópolis/ São Paulo, Vozes/,Simpósio Editora/ UMESP, 1997.
CARVALHO, José Murilo de. Passado, presente e futuro da corrupção à brasileira. In:
CARVALHO, Laura. A Valsa Brasileira: do boom ao caos econômico. São Paulo: Todavia, 2018.
CHATTERJEE, P. 2004. The politics of the governed: reflections on popular politics in most of the world. New York: Columbia University Press.
CHAUÍ, Marilena. Sobre o Medo. In: CARDOSO, Sérgio (org.). Os sentidos da Paixão. São Paulo: Cia das Letras, 2002.
CODATO, Adriano Nervo e OLIVEIRA, Marcus Roberto de. A marcha, o terço e o livro: catolicismo conservador e ação política conjunta de golpe de 1964. Revista Brasileira de História, 24 (47), p. 271-302, 2004.
CONNOLLY, William E. Some Theses on Secularism. Cultural Anthropology, Vol. 26, Issue 4, p. 648–656, 2011.
CORTES, Mariana. O mercado pentecostal de pregações e testemunhos: formas de gestão do sofrimento. Religião & Sociedade. Rio de Janeiro, v. 34, n. 2, p. 184-209, 2014.
D’EPINAY, Christian Lalive. O refúgio das massas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.
DARDOT, Pierre e LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Editora Boitempo, 2016.
ÉPOCA. A costura política que uniu bolsonaro aos evangélicos, 06 nov. 2018. Disponível em: https://epoca.globo.com/a-costura-politica-que-uniu-bolsonaro-aos-evangelicos-23211834 , Acesso em: 06 ago. 2020.
FERNANDES, Rubem César. Conservador ou progressista, questão de conjuntura. In.: Religião e Sociedade, n.9, Jul., p. 59-62, 1983.
FONSECA, Alexandre Brasil. Foram os evangélicos que elegeram Bolsonaro? IHU Unisinos. 7 nov., 2018. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/584446-foram-os-evangelicosque-elegeram-bolsonaro., Acesso em 06 ago. 2020.
FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.
FRY, Peter; HOWE, Gary. Duas respostas à aflição: umbanda e pentecostalismo. Debate e Crítica, São Paulo, n. 6, p. 75-94, 1975.
GAGO, Verónica. A razão neoliberal: economias barrocas e pragmática popular. São Paulo: Editora Elefante, 2018.
GIUMBELLI, Emerson. O fim da religião: dilemas da liberdade religiosa no Brasil e na França. São Paulo: Attar Editorial, 2002.
GOETHE, J. As afinidades eletivas. Trad. Erlon José Paschoal. São Paulo: Nova Alexandria, 2008.
GRACINO JUNIOR, Paulo. A demanda por deuses: globalização, fluxos religiosos e culturas locais nos dois lados do Atlântico. 1. ed. Rio de Janeiro: Eduerj, 2016.
GRACINO JUNIOR, Paulo. Surtos de aconselhamento e soluções biográficas? a Igreja Universal e a nova face do fenômeno religioso na sociedade contemporânea. Revista Anthropológicas, v. 1, p. 32-54, 2008.
GRACINO JUNIOR, Paulo; TARGINO, Janine; REZENDE, Gabriel S. Confiança Institucional e Opinião Pública entre jovens religiosos na cidade do Rio de Janeiro. Interseções – Revista de Estudos Interdisciplinares, Rio de Janeiro, v. 20, pp. 305-329, 2018.
HABERMAS, Jürgen. Entre naturalismo e religião. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2007.
HIRSCHMAN, Alberto. As paixões e os interesses: Argumentos políticos para o capitalismo antes de seu triunfo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.
JARDIM, Willelm Martins Andrade. Religião e Política na Igreja Universal do Reino de Deus: um estudo das campanhas eleitorais de 2010 e 2014. Viçosa, 2017. Monografia, Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Viçosa.
JOAS, Hans. A sacralidade da pessoa: nova genealogia dos direitos humanos. São Paulo: Editora Unesp, 2012.
LACLAU, Ernesto. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.
LACLAU, E; MOUFFE, C. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios, 2015.
LACLAU, Ernesto. Identity and hegemony: the role of universality in the constitution of political logics. In: BUTLER, J.; LACLAU, E.; ZIZEK, S. Contingency, hegemony, universality: Contemporary dialogues on the left. London: Verso, 2000. p. 44-89.
LÖWY, Michael. A jaula de aço: Max Weber e o marxismo weberiano. Tradução de Mariana Echalar. 1. ed. São Paulo: Boitempo Editorial, 2014.
LUHMANN, Niklas. La religión de la sociedad. Madri: Editorial Trotta: 2007.
MACHADO, M. D. C. Et al. (Org.). Religiões e Homossexualidades. 1. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2010.
MACHADO, M. D. C. Expansão e ativismo político de grupos evangélicos conservadores: secularização e pluralismo em debate. Civitas - Revista de Ciências Sociais, [S.l.], v. 16, n. 4, pp. 708-726, 2016.
MACHADO, M. D. C. Representações e relações de gênero nos grupos pentecostais. Estudos Feministas, vol. 13, nº. 2, pp. 425-436, 2005.
MACHADO, Maria das Dores Campos Machado; BURITY, Joanildo. A ascensão política dos pentecostais na avaliação de líderes religiosos. Dados, v. 57, pp. 601-629, 2014.
MAINWARING, Scott. Igreja Católica e política no Brasil: 1916 – 1985. São Paulo: Brasiliense, 1985.
MARIANO, Ricardo e PIERUCCI, Antônio Flávio. O envolvimento dos pentecostais na eleição de Collor. Novos Estudos Cebrap, 34: 92-100, 1992.
MARIANO, Ricardo. A reação dos evangélicos ao novo Código Civil. Civitas - Revista de Ciências Sociais, [S.l.], v. 6, n. 2, pp. 77-99, 2006.
MARIANO, Ricardo; GIARDI, Dirceu A. Eleições presidenciais na América Latina em 2018 e ativismo político de evangélicos conservadores. Revista USP, n. 120, pp. 61-76, 2019.
MARIZ, Cecília e MACHADO, Maria D. Sincretismo e Trânsito Religioso: Comparando Carismáticos e Pentecostais, In: Comunicações do Iser, 45, 1994.
MARIZ, Cecília. Alcoolismo, Gênero e Pentecostalismo, in.: Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 16, n. 03, p. 80-93, 1994.
MARIZ, Cecília. Coping With Poverty: pentecostals and base communities in Brazil. Philadelphia, USA: Temple University Press, 1994.
MARIZ, Cecília; GRACINO JÚNIOR, Paulo; MESQUITA, Wânia. Os jovens e a religião na sociedade contemporânea. Revista Interseções, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, pp. 261-267, 2018.
MAZUMDAR, Surajit. Neo-Liberalism and the Rise of Right-Wing Conservatism in India. Published in: Desenvolvimento em Debate, Vol. 5, No. 1 (2017): pp. 115-131, 2017.
MENDONÇA, Daniel de. Como olhar “o político” a partir da teoria do discurso. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 1. Brasília, jan-jun, p. 153-169, 2009.
MENDONÇA, Daniel de; RODRIGUES, Léo Peixoto e LINHARES, Bianca (Orgs.). Ernesto Laclau e seu legado transdisciplinar. 1. ed. São Paulo: Intermeios, 2017.
MENDONÇA, Daniel de; RODRIGUES, Léo Peixoto. Pós estruturalismo e teoria do discurso em torno de Ernesto Laclau. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014.
MIGUEL, Luís Felipe. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador, de Singer, André. Novos estudos CEBRAP, (95), 157-163, 2013.
MIGUEL, Luís Felipe; BIROLI, Flávia. Introdução: teoria e política na crise da democracia. In: MIGUEL, Luís Felipe; BIROLI, Flávia. (Org.). Encruzilhadas da democracia. 1ed.Porto Alegre: Zouk, v. 1, p. 7-11, 2017.
MONTERO, Paula. “Religiões Públicas” ou religiões na Esfera Pública? Para uma crítica ao conceito de campo religioso de Pierre Bourdieu. Religião e Sociedade, v. 36, n. 1, 2016.
MONTERO, Paula. Controvérsias religiosas e esfera pública: repensando as religiões como discurso. Religião e Sociedade, v. 32, n. 1, 2012.
MOUFFE, Chantal. Democracia, cidadania e a questão do pluralismo. Revista Política & Sociedade. n. 03, pp. 11-23, outubro, 2003.
MOUFFE, Chantal. Sobre o Político. São Paulo: umf Martins Fontes, 2015.
NATALUCCI, A. Mobilização social e mudanças políticas: revisitando o conceito de gramáticas de ação política. Plural, v. 22, n. 1, p. 83-106, 2015.
NOVAES, Regina. Os Escolhidos de Deus. Trabalhadores, Pentecostais e Cidadania. Rio de Janeiro, Marco Zero, 1985.
OLIVEIRA, Isabel de Assis Ribeiro de. O mal-estar contemporâneo na perspectiva de Charles Taylor. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 21(60), p.135- 145, 2006.
ORTEGA, Francisco. Genealogias da amizade. São Paulo: Editora Iluminuras, 2002.
PIERUCCI, Antônio Flávio. As bases da nova direita. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, 19: 26-45, 1987.
PIERUCCI, Antônio Flávio. Representantes de Deus em Brasília: a bancada evangélica na Constituinte. Ciências Sociais Hoje, ANPOCS, p. 104-132, 1989.
PINHEIRO-MACHADO, Rosana. SCALCO, Lúcia Mury. Da esperança ao Ódio: Juventude, Política e Pobreza do Lulismo ao Bolsonarismo. CADERNOS IHU IDÉIAS (UNISINOS), v. 16, p. 3-15, 2018.
PRA, Jussara Reis; EPPING, Léa. Cidadania e feminismo no reconhecimento dos direitos humanos das mulheres. Rev. Estudos Feministas, v. 20, p. 33-51, 2012.
PRZEWORSKI Adam. Capitalismo e social-democracia. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
PY, Fábio. Cristologia cristofascista de Bolsonaro. Instituto Humanitas Unisinus, São Leopoldo, p. 1 - 9, 08 jun. 2019
RANCIÈRE, Jacques. O ódio à democracia. São Paulo: Boitempo, 2014.
RIZEK, Cibele. Faces do Lulismo: políticas de cultura e cotidiano na periferia de São Paulo. In: SINGER, André LOUREIRO, Isabel (Orgs.). As contradições do Lulismo: a que ponto chegamos? São Paulo: Boitempo Editorial, v. 1, p. 185-219, 2016.
ROLIM, Francisco Cartaxo. Pentecostalismo, governos militares e revolução. In: Revista Eclesiástica Brasileira. Rio de Janeiro, v. 210, junho, p. 324-348, 1993.
SAFATLE. Vladimir. O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.
SALLUM JÚNIOR, Brasílio João; KUGELMAS, Eduardo. Sobre o modo Lula de governar. In: SALLUM JÚNIOR, Brasílio João; KUGELMAS, Eduardo. Brasil e Argentina hoje: política e economia. Bauru: EDUSC, 2004.
SANCHIS, Pierre. Pluralismo, transformação, emergência do indivíduo e suas escolhas. A grande transformação do campo religioso brasileiro. São Leopoldo, ano XII, n. 400, 27 ago. pp. 5-7, 2012.
SENNETT, Richard. O Declínio do Homem Público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
SILVA, Mayra Goulart. O Populismo para além de Laclau: entre a expansão do demos e a desfiguração do liberalismo. Revista Estudos de Politica, v. 9, p. 49-70, 2019.
SILVEIRA, Diego Omar da. Mulher, mãe e esposa: conservadorismo católico e representações do feminino na imprensa católica mineira. Pro-Posições, Campinas , v. 28, n. 3, p. 330-352, Dec., 2017 .
SINGER, André LOUREIRO, Isabel (Orgs.). As contradições do Lulismo: a que ponto chegamos? São Paulo: Boitempo Editorial, p. 185-219, 2016.
SINGER, André. Os sentidos do lulismo. Reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
SINGER, Paul. Dominação e desigualdade. São Paulo: Paz e Terra, 1981.
SMITH, Amy Erica. Religion and Brazilian Democracy: Mobilizing the people of God. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2018.
SMITH, Christian S. (org.). The secular revolution: power, interests, and conflict in the secularization of American public life. Berkeley: University of California Press, 2003.
SMITH, Christian S. American evangelicalism: embattled and thriving. Chicago: The University of Chicago Press, 1998.
SOUZA, André Ricardo de; PINTO, Marilina Conceição Oliveira Serra. Duas igrejas expoentes do novo empreendedorismo pentecostal. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar. São Carlos, v. 3, n. 1, jan-jun, 2013.
TAYLOR, Charles. A ética da autenticidade. São Paulo: É Realizações, 2011.
TAYLOR, Charles. As Fontes do Self - A Construção da Identidade Moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1994.
WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Cia das Letras, 2004.