O lugar do jovem e os seus processos educativos nos catopês de Nossa Senhora do Rosário em Montes Claros – MG

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Viviane Bernadeth Gandra Brandão

Resumo

Resumo - Tese de Doutorado

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BRANDÃO, V. B. G. O lugar do jovem e os seus processos educativos nos catopês de Nossa Senhora do Rosário em Montes Claros – MG. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 19, n. 59, p. 903, 31 ago. 2021.
Seção
Dissertações e Teses/Dissertations and Theses (Resumo/Abstract)

Referências

ABRAMO, Helena Wendel. (org.). Estação Juventude: conceitos fundamentais - pontos de partida para uma reflexão sobre políticas públicas. Secretaria Nacional da Juventude. Brasília, 2014.

ABRAMO, Helena Wendel. Condição Juvenil no Brasil Contemporâneo. In: ABRAMO, H. W.; BRANCO, P. P. M. (orgs.). Retratos da Juventude Brasileira: análises de uma pesquisa nacional. São Paulo: Instituto de Cidadania/Fundação Perseu Abramo, 2008.

ABRAMOVAY, Miriam; CASTRO, Mary Garcia. Ser jovem no Brasil hoje: políticas e perfis da juventude brasileira. Cadernos Adenauer XVI, n.1, p.13-25, 2015.

ABREU, Martha. O império do Divino: festas religiosas e cultural popular no Rio de Janeiro, 1830-1900. Rio de Janeiro: Novas Fronteiras. 1999.

ALTIVO, Bárbara Regina. Rosário dos kamburekos: Espirais de cura da ferida colonial pelas crianças negras no reinadinho (Oliveira-MG). Tese (Doutorado em em Comunicação Social). Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG. Belo Horizonte, 2019.

ALVES, Vânia de Fátima Noronha. Os festejos do Reinado de Nossa Senhora do Rosário em Belo Horizonte/MG: práticas simbólicas e educativas. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo. São Paulo. 2008. 252 p.

AMARAL, Rita. As mediações culturais da festa. Revista Mediações. Londrina, v.1, n.3, p. 3-22, jan/jun.1998.

BAKHTIN, Mikail. A cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: O contexto de François Rabelais. São Paulo: Ed.Brasília, 1996.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BAUMAN, Zygmunt. Globalização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1999.

BECCARI, Cristina Baída. Discriminação social, racial e de gênero no Brasil. 2005. Disponível em: http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/1991/Discriminacao-social-racial-e-de-genero-no-Brasil . Acesso em: 13 jan. 2019.

BENTO, Maria Aparecida Silva; BEGHIN, Nathalie. Juventude negra e exclusão radical. Políticas sociais - acompanhamento e análise, ago. 2005.

BOSCHI, Caio César. Os leigos e o poder: Irmandades leigas e Políticas Colonizadoras em Minas Gerais. São Paulo: Ática, 1986.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro (RJ): Bertrand Brasil; 1989.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre, RS: Zouk, 2007.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A Educação Como Cultura. 2.ed. São Paulo: Brasiliense, 2002.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Comunidades aprendentes. In: Encontros e caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Ministério do Meio Ambiente. Brasilia, 2005, p. 83-92.

BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.852 de 05 de agosto de 2013 – Estatuto da Juventude. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação/SECADI. Orientações e Ações para a Educação das Relações Étnico-Raciais. Brasília: SECADI, 2006.

BRASILEIRO, Jeremias. Congado em Uberlândia Espaço De Resistência e Identidade Cultural,1996-2006. Monografia (Bacharelado). Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2006.

BRETTAS, Aline Pinheiro; FROTA, Maria Guiomar. O registro do Congado como instrumento de preservação do patrimônio mineiro: novas possibilidades. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio–PPG-PMUS Unirio| MAST, v. 5, n. 1, Rio de Janeiro, 2012.

BURKE, Peter. Hibridismo Cultural. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2006.

CAMPOLINA, Alda Maria Palhares; et al. Escravidão em Minas Gerais: Cadernos de arquivo. Vol.1. Belo Horizonte, Secretaria de Estado da Cultural, 1988.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas Híbridas – estratégias para entrar e sair da modernidade. 4. ed. São Paulo: UNESP, 2011.

CANCLINI, Nestor. As culturas populares no capitalismo. São Paulo: Brasiliense,1983.

CAPONERO, Maria Cristina; LEITE, Edson. Inter-relações entre festas populares, políticas públicas, patrimônio imaterial e turismo. Revista Eletrônica Patrimônio: Lazer & Turismo, Santos, v. 7, n. 10, p. 99-113, 2010.

CARRANO, P. C. R. Jovens na Cidade. Trabalho e Sociedade, Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, ago, 2001.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. 6ª Edição. Itatiaia, São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo,2002.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. As grandes festas: Superproduções Populares. In: Um olhar sobre a cultura brasileira. Rio de Janeiro, FUNARTE/Ministério da Cultura, 1998.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1998.

COLARES, Mona Lisa Campanha. A Tradição Mundo Contemporâneo: análise dos caboclinhos montesclarense - terno do congado das Festas de Agosto. Dissertação de Mestrado no Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Social. Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros - Mg, 2006.

COSTA, Carmem Lúcia. Cultura, religiosidade e comércio na cidade: a festa em louvor à Nossa Senhora do Rosário em Catalão-Goiás. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 2010.

COSTA, João Batista de Almeida. Cultura, natureza e populações tradicionais: o Norte de Minas como síntese da nação brasileira. In: Revista Verde Grande. Montes Claros: Unimontes.v1.n.3.dez/fev, 2006.

COSTA, Karla Tereza Ocelli. Arturos, Filhos do Rosário: nas práticas sociais, uma história que se revela na Festa de Nossa Senhora do Rosário. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 2013.

CROCHIK, José Léon. Os desafios atuais do estudo da subjetividade na psicologia. Psicologia, USP, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 69-85, 1998.

CUCHE, Dennys. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, 1999.

DA MATTA, Roberto. "O ofício de etnólogo, ou como ter anthropological blues". In: NUNES, E. de O. A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

NUNES, Edson de Oliveira (organizador). A aventura sociológica: objetividade, paixão, improviso e método na pesquisa social. Rio de Janeiro, Zahar, p. 23-35, 1978.

DAUSTER, Tania. Um diálogo sobre as relações entre etnografia, cultura e educação –representações e práticas. Linhas Críticas, Brasília, v.21, n.44, p. 39-56, jan./abr. 2015.

DAYRELL, Juarez. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação. v.2 n. 24, p. 40-52, 2003.

DAYRELL, Juarez. Ser alguém na vida: um estudo sobre jovens do meio rural e seus
projetos de vida. Educação e Pesquisa, v. 41, n. 2, p. 375-390, 2015.

DAYRELL, Juarez; CARRANO, P. C. Jovens no Brasil: Difíceis travessias de fim de século e promessas de outro mundo, 2003.

DAYRELL, Juarez; LEÃO, Geraldo; REIS, Juliana Batista. Juventude, pobreza e ações educativas no Brasil. In:
DEL PRIORE, Mary. Festas e utopias no Brasil Colonial. São Paulo: Brasiliense, 1994.

DEL PRIORE, Mary. Religião e religiosidade no Brasil colonial. 5.ed. São Paulo: Ática, 1997.

DELEUZE, G. Empirismo e Subjetividade: ensaio sobre a natureza humana segundo Hume. Tradução de Luiz. L. Orlandi. São Paulo: Ed.34, 2001.

DOURADO, Nileide Souza; SÁ, Nicanor Palhares. Sociabilidade das práticas educativas e culturais em mato grosso colonial (1748-1822). In: VII Congresso Brasileiro de História da Educação: Circuitos e Fronteiras da História da Educação no Brasil, Mato Grosso,2013.

DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

DUVIGNAUD, Jean. Festas e civilizações. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983

EUGÊNIO, Alisson. Tensões entre os Visitadores Eclesiásticos e as Irmandades Negras no Século XVIII Mineiro. Revista brasileira de História, São Paulo, v. 22, n. 43, 2002 . Disponível em . Acesso em: 15 jan. 2018.

FERNANDES, Florestan. Significado do protesto negro. In: O protesto negro e luta de raças e de classes. São Paulo: Cortez, 1989, p.64-75.

FORACCHI, Marialice Mencarini. A juventude na sociedade moderna. São Paulo: Pioneira, 1972.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos V. Ética, sexualidade, política (E. Monteiro & L. D. Barbosa, Trad.). Rio de Janeiro: Forense Universitário, 2004.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Lígia M. Pondé Vassalo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1977.

FREITAS, Sicília calado. Sob o manto azul de nossa senhora: a cor nos ternos
de catopês em montes claros. pelas vias da dúvida- 2º encontro de pesquisadores dos programas de pós-graduação em artes do estado do rio de janeiro, 2012, Rio de Janeiro,RJ. Disponível em: https://pelasviasdaduvida2.files.wordpress.com/2012/11/sicc3adlia-calado-freitas-sob-o-manto-azul-de-nossa-senhora-a-cor-nos-ternos-de-catopc3aas-em-montes-claros.pdf . Acesso em :18 jun. 2019.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora Unesp,1997.

GOHN, Maria da Glória. Educação Não Formal, Aprendizagens e Saberes em Processos Participativos. Investigar em Educação, São Paulo, n. 11, p.35-50, nov. 2014.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar. Rio de Janeiro: Record, 1997.

GOMES, Nilma Lino. Movimento negro e educação: ressignificando e politizando a raça. Educ. Soc. Campinas: v. 33, n. 120, p. 727-744, 2012.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017, 154 p.

GOMES, Nilma Lino. Programa de ações afirmativas na UFMG-Brasil: uma estratégia de resistência negra na diáspora negra. In: VIII Congresso Luso-Afro- Brasileiro de Ciências Sociais. Coimbra, Portugal, 2004.

GOMES, Núbia Pereira de Magalhães; PEREIRA, Edimilson de Almeida. Negras raízes mineiras: os Arturos. Belo Horizonte: Mazza, 2000.

GOMES, Vinicius Romagnolli Rodrigues. A adolescência sob a lente da psicanálise articulada ao social. Revista Cesumar–Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, v. 22, n. 2, p. 247-263, 2017.

GROPPO, L. A. Teorias críticas da juventude: geração, moratória social e subculturas juvenis. Em Tese. Florianópolis, v. 12, n. 1, jan./jul., 2015.

GROPPO, Luís Antônio. O funcionalismo e a tese da moratória social na análise das rebeldias jovens. Estudos de Sociologia. Araraquara, v.14, n. 26, p. 37-50, 2009.

GUATTARI, Félix . Caosmose: um novo paradigma estético. Tradução Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

HALL, Stuart. Da Diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

HASENBALG, Carlos Alfredo. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Grall, 1979.

HERSKOVITS, M. J. The Southernmost outpost of the New World Africanisms. American Anthropologist, v. 45, n. 4, p. 495-590, 1943.

HOBSBAWN, Eric, RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

IBGE-INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Estudos & Pesquisa, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2020.

IPEA- INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Atlas da Violência, n. 72, Fev. Brasília: IPEA, 2017.

ITURRA, Raúl. O processo educativo: ensino ou aprendizagem. Educação, Sociedade & Culturas, n.º 1, p. 29-50. 1994.

JACQUES, Maria da graça Correa; et al. Psicologia social contemporânea: livro-texto. Editora Vozes Limitada, 2014.

LE GOFF, JACQUES. História e Memória. Tradução Bernardo Leitão, Campinas SP. Editoria UNICAMP,1996.
LEONEL, Guilherme Guimarães. Entre a cruz e os tambores: Conflitos e tensões nas festas do Reinado (Divinópolis-MG). Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de pós graduação em Ciências Sociais. Belo Horizonte, MG, 2015.

LUCAS, Glaura. Os Sons do Rosário: O congado Mineiro dos Arturos e Jatobá. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. RBCS - Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 49, jun. São Paulo, 2009.

MALINOWSKI, B. Argonautas do pacífico ocidental. 2 ed. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MALVEIRA, Ricardo Ribeiro. Os Catopês de São Benedito em Montes Claros: rastros de uma ancestralidade mineira negra e festiva. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Bahia, 2011.

MANNHEIM, Karl. El Problema de las Geraciones. Revista Española de Investigaciones Sociológicas (REIS), n. 62, p.193-242, Espanha,1993.

MARTINS, Saul. Congado: Família de sete irmãos. Belo Horizonte, SESC, 1988.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas, Sociologia e Antropologia, v.2, São Paulo, 1974.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Tradução de Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MELLO E SOUZA, Marina de. Reis Negros no Brasil Escravista. História da Festa de Coroação de Rei Congo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

MENDES, Gardene Leão de Castro; SANTOS, Claitonei de Siqueira. Jovens como agentes sociais e culturais na sociedade contemporânea. In: V Simpósio Internacional sobre a Juventude Brasileira, 5, Recife – PE, 2012.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. O campo do patrimônio cultural: uma revisão depremissas. In: I Fórum Nacional do Patrimônio Cultural: Sistema Nacional de PatrimônioCultural: desafios, estratégias e experiências para uma nova gestão, Ouro Preto/MG, 2009.

MIGUEZ, Paulo. A festa – Inflexões e Desafios contemporâneos. In: RUBIM, Lindinalva; MIRANDA, Nadja (Org.). Estudos da Festa. v.1, p.205-216.Salvador: EDUFBA, 2012.

MOREIRA, Alberto da Silva. O deslocamento do religioso na sociedade contemporânea. Estudos de religião, Ano XXII, n.34, 70-83, jan/jun. 2008.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários a educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2001.

MOURA, Larissa Geórgia Bráulio. Vozes da Resistência: tradição, inovação e participação da juventude no congado de Estrela do Indaiá Minas Gerais. Dissertação. Programa de Pós graduação em Extensão Rural. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa-MG, 2012.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro. São Paulo: Editora Perspectiva, 2017.

NORONHA, Vânia. Rastros de África no Brasil: práticas educativas no reinado de Nossa Senhora do Rosário. Mazza edições, Belo Horizonte, 2017.

NOVAES, Regina. Agenda Juventude Brasil: leituras sobre uma década de mudanças. Unirio: RJ, 2016.

NOVAES, Regina. Os jovens “sem religião”: ventos secularizantes, “espíritos de época” e novos sincretismos. Notas preliminares. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 52, p. 321-330, 2004.

OLIVEIRA, Eliana de. Mulher negra, professora universitária: trajetória, conflitos e identidade. Brasília: Líber livro, 2006.

OLIVEIRA, Maria Waldenez; et al. Processos educativos em práticas sociais: reflexões teóricas e metodológicas sobre pesquisa educacional em espaços sociais. Reunião Anual da Anped, v. 32, p. 1-17, 2009.

PAULA CARVALHO, José Carlos de. Antropologia das organizações e educação: um ensaio holonômico. Rio de Janeiro: Imago, 1990.

PAULA, Hermes Augusto de. Montes Claros sua História sua gente seus costumes-parte III. Montes Claros: Editora Unimontes,2007.

PERALVA, Angelina. O jovem como modelo cultural. Juventude e Contemporaneidade. Brasília: UNESCO, MEC, ANPEd, 2007. (Coleção Educação para Todos; 16). p.13-27. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001545/154569por.pdf. Acesso em: 16 ago. 2018.

PERES, Vannúzia Leal A. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. Rev. bras. psicodrama, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 145-148, jun. 2019.

PEREZ, Léa Freitas. Antropologia das efervescências coletivas. In: PASSOS, Mauro (org.). A festa na vida: significado e imagens. Petrópolis: Vozes, 2002.

PEREZ, Léa F. Apontamentos sobre juventude, religião e valores. In: PEREZ, Léa Freitas; TAVARES, Fátima; CAMURÇA, Marcelo A.; PEREIRA, Amanda. Ser jovem em Minas Gerais: religião, cultura e política. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009, p. 99-123.

PEREZ, Léa Freitas. Do lazer à festa: Em questão o solo epistêmico da modernidade ocidental. Belo Horizonte: Licere, v.12, n.2, jun./2009

PEREZ, Léa Freitas. Festa, religião e cidade: corpo e alma do Brasil. Porto Alegre: Medianiz, 2011.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva. Performance Musical nos ternos de Catopês de Montes Claros. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia Escola de Música. Salvador, 2005.

REVISTA CATOLICISMO. Festas de Agosto em Montes Claros. 1994. Disponível em < http:// catolicismo.com.br/materia/materia.cfm? IDmat= 9EE64974-3048-313C 2EF22C4C79D5442A &mes=Outubro1994> Acesso em: 29 set. 2018.

REY, F. L. G. Sujeito e subjetividade. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Coleção Feminismos Plurais, Belo Horizonte: Editora Letramento, 2017.

RIBEIRO, Regiane Pereira; BELIN, Luciane Leopoldo. Guerreiras da quebrada: o empoderamento da mulher da periferia no programa esquenta. Cultura e Mídia. v.11, n.2, p.36-52, mai-ago,2016.

ROCHA, Gilmar. A etnografia como categoria de pensamento na antropologia moderna. Cadernos de campo, São Paulo, n. 14/15, p. 1-382, 2006.

SANCHIS, Pierre. As Tramas Sincréticas da História. Sincretismo e modernidades no espaço luso-brasileiro. Revista Brasileira de Cências Sociais. v.10, n.28, São Paulo, jun. 1995.

SANTOS, Amanda Melissa dos. O Grande Anganga Muquixe Chico Rei: a presença do mito negro no Reinado do Alto da Cruz e nas escolas de Ouro Preto/MG. 2019. 217 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2019.

SANTOS, Carlos Roberto Moreira. Congada e Reinado: história religiosa da irmandade negra em Jequitibá-MG. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião, Belo Horizonte, 2011.

SANTOS, Célio José. Juventude e Educação Não-Formal: Uma Análise das Práticas Educativas do/no Hip-Hop Soteropolitano. Cidades, Comunidades e Territórios, n. 24, 2012.

SANTOS, Eliane Gomes dos; SADALA, Maria da Glória Schwab. Alteridade e adolescência: uma contribuição da psicanálise para a educação. Educação & realidade, v.38, n.2, 2013.

SANTOS, Erisvaldo Pereira. Congado e o Funk: trajetória de adolescentes negros da Comunidade dos Arturos. In: Reunião anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Anais da Reunião da Anped, Caxambu, 1998.

SANTOS, Erisvaldo Pereira. Religiosidade, identidade negra e educação: o processo de construção de subjetividades de adolescentes dos Arturos. Dissertação de Mestrado. Belo Horizonte: FAE/UFMG, 1997.

SHAW, Rosalind; STEWART, Charles. Syncretism/Anti-Syncretism: the politcs of religious syncretism. London and New York: Routledge, 1994.

SILVA, Carla Regina; LOPES, Roseli Esquerdo. Adolescência e juventude: entre conceitos e políticas públicas. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, v. 17, n.2, p. 87-106, jul./dez. 2009.

SILVA, Júnia Bertolina da. O congado na comunidade dos Arturos: catolicismo ou culto africano? Monografia de graduação. UFMG. Belo Horizonte, 2002.

SILVA, Vívian Parreira. Do chocalho ao bastão: processos educativos do terno de congado marinheiro de São Benedito – Uberlândia-MG. Dissertação de Mestrado Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2011.

SIMÕES, Carlos Artexes. Políticas públicas do ensino médio: realidade e desafios. In: FERREIRA, Cristina Araripe (Org.). Juventude e iniciação científica: políticas públicas para o ensino médio. Rio de Janeiro: EPSJV; UFRJ, p. 135-142, 2010.

SOUZA, Antônio Alvimar. A igreja entrou renovadamente na festa: Igreja e carisma no sertão de Minas Gerais. Belo Horizonte: FUMARC,2007.

SOUZA, Cândida de; PAIVA, Ilana Lemos de. Faces da juventude brasileira: entre o ideal e o real. Estudos de Psicologia, v. 17, n.3, p. 353-360, set./dez. 2012.

SOUZA, Laura de Mello. O Diabo e a terra de Santa Cruz: Feitiçaria e Religiosidade popular no Brasil Colonial. São Paulo: Companhia das Letras,1986.

SOUZA, Ricardo Luiz de. Festas, procissões, romarias, milagres: aspectos do catolicismo popular. Natal: IFRN, 2013.

SOUZA, Sueli Aparecida de; THOMAZ, Rosângela Custodio Cortez. As festas tradicionais religiosas no contexto de mudanças no uso e a apropriação do espaço para a prática do turismo no distrito de gardênia, município de Rancharia - Sp: algumas considerações sobre os aspectos organizacionais e os perfis dos participantes. Geosaberes, Fortaleza, v. 6, número especial (1), p. 325 - 340, Out. 2015.

SPOSITO, Marilia Pontes. Espaços públicos e tempos juvenis: um estudo de ações do poder público em cidades de regiões metropolitanas brasileiras. São Paulo: Global, 2007.

SPOSITO, Marília Pontes; CARRANO, Paulo César Rodrigues. Juventude e políticas públicas no Brasil. Rev. Bras. Educ., n. 24, p. 16-39, set./dez. 2003.

SPOSITO, Marillia Pontes. Juventude e educação: interação entre a educação escolar e não-formal. Educação e realidade. v. 33, n. 2, p. 83-98, 2009.

TEIXEIRA, Faustino. Faces do catolicismo brasileiro contemporâneo. In: Revista USP.São Paulo: USP, n.67, p.14-23, 2005.

TELLES, Edward. Racismo à brasileira: uma nova perspectiva sociológica. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2003.

TINHORÃO, José Ramos. As festas no Brasil colonial. São Paulo: Editora 34, 2000.

VILANOVA, Andrea.; TENENBAUM, Deborah.; MUÑOZ, Nuria Malajovich. Do grupo ao laço: o mal-estar na juventude e suas modulações. Revista Affectio Societatis. v. 15, n. 28, 2018.

VIOLA, Daniela Teixeira Dutra; VORCARO, Angela Maria Resende. O problema do saber na adolescência e o real da puberdade. Psicologia USP, v. 26, n. 1, 2015.

WHYTE, William Foote. Sociedade de esquina. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.