A influência de la Dialectique des “exercices spirituels” de Saint Ignace de Loyola no pensamento de Jorge Mario Bergoglio

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Massimo Borghesi
Tradução: Áurea Marin Burocchi

Resumo

Quando, em outubro de 2016, comecei a trabalhar em meu livro “Jorge Mario Bergoglio: Uma biografia intelectual”,  eu não tinha a menor ideia da importância que desempenhava a figura e obra de Gaston Fessard na formação do seu pensamento. Não havia nada que sugerisse que Gaston Fessard pudesse ser um autor relevante para a formação intelectual do futuro Papa. Fiquei impressionado com o modelo polar e dialético de pensamento que o animava, a possibilidade de harmonizar opostos, invocar conceitos para uma pauta comum que aparentemente não poderia ser abordada, pois os coloca em um plano superior na qual encontram sua síntese.


Este paradigma, da Igreja e da Companhia de Jesus como opositor complexo, encontra sua verificação, segundo Bergoglio, na forma como os jesuítas conseguiram a inculturação da fé nos povos indígenas da América Latina. Bergoglio relê Ignatius à luz de um modelo dialético. Como ele dirá em uma das entrevistas que me deu por ocasião da redação do meu livro: "Na espiritualidade inaciana há sempre esta tensão bipolar". É certamente uma leitura original e pouco comum do pensamento de Inácio. Trata-se de um fator ideal que nos permite explicar por que Bergoglio, quando em 1986 foi a Frankfurt para escrever sua tese de doutorado, escolheu o ensaio guardiniano dedicado à oposição polar. Quando concluí minha obra sobre a biografia intelectual do futuro Pontífice, em fevereiro de 2017, um elemento, no entanto, permaneceu obscuro. De qual autor Bergoglio esboçou seu modelo polar? De onde veio sua leitura antinômica da espiritualidade inaciana? Não foi descoberto por Guardini filosoficamente em 1986. Francisco indicou o ponto de partida de sua formação intelectual. A leitura de La dialectique des Exercices spirituels de saint Ignace de Loyola, de Fessard, publicada em 1956, é a obra que "teve uma grande influência" sobre ele. É a obra que esclarece o pensamento antinomiano de Bergoglio, seu posterior encontro ideal com a filosofia de Guardini.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BORGHESI, M.; BUROCCHI, ÁUREA M. A influência de la Dialectique des “exercices spirituels” de Saint Ignace de Loyola no pensamento de Jorge Mario Bergoglio. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 19, n. 59, p. 852, 31 ago. 2021.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê-Tradução/Dossier-Translation

Referências

BERGOGLIO, J. M. Fede e giustizia nell’apostolato dei gesuiti. Buenos Aires: “CIAS”, 1976.
BERGOGLIO, J. M. Condurre nelle grandi e nelle piccole circostanze. Boletín de Espiritualidad, 73 (ottobre 1981).
BERGOGLIO, J. M. Nei tuoi occhi è la mia parola. Omelie e discorsi di Buenos Aires 1999-2013. Milano: Rizzoli, 2016.
BORGHESI, M. Jorge Mario Bergoglio. Una biografia intellettuale. Dialettica e mistica. Jaca Book, Milano 2017.
CRUMBACH, K.-H. Ein ignatianisches Wort als Frage an unseren Glauben. Geist und Leben, 42 (1969).
FERRÉ, A. Methol. Sviluppi della sociologia latinoamericana. Vispera (37, aprile 1975).
FESSARD, G. La Dialectique des “Exercices spirituels” de Saint Ignace de Loyola. II, Fondament, Péché, Orthodoxie. Aubier: Paris, 1966.
FIORITO, M. A. La opción personal de S. Ignacio. Ciencia y Fe, XII (1956).
IVEREIGH, A. The Great Reformer. Francis and the Making of a Radical Pope. New York: LLC, 2014.
NARVAJA, J. L. Miguel Ángel Fiorito. Una riflessione sulla religiosità popolare nell’ambiente di Jorge Mario Bergoglio. La Civiltà Cattolica, 4027 (2018).
FRANCESCO, Papa. Il nome di Dio è Misericordia, una conversazione con A. Tornielli. Milano: Libreria Editrice Vaticana; Edizioni Piemme: Città del Vaticano, 2016.
PRZYWARA, E. Deus semper major. Theologie der Exerzitien Freiburg/Br.: Herder, 1938.
RAHNER, H. Die Grabschrift des Loyola. Stimmen der Zeit (1947).
RAHNER, H. Ignatius von Loyola als Mensch und Theologe. Freiburg: Herder, 1964.
SCANNONE, J. C. La filosofia dell’azione di Blondel e l’agire di papa Francesco. La Civiltà Cattolica, 3969 (2015).
WAIHINGER, H. Die Philosophie des Als Ob. System der theoretischen, praktischen und religiösen Fiktionen der Menschheit auf Grund eines idealistischen Positivismus. Mit einem Anhang über Kant und Nietzsche. Berlin: Reuther & Reichard, 1911.