A "Religião" do jornalismo

Jorge Claudio Ribeiro

Resumo


Resumo

Este artigo analisa a ocorrência cotidiana, nas redações de jornal, de inúmeras manifestações “laicas” da religiosidade (na concepção simmeliana, é uma capacidade humana que engloba a totalidade da existência e lhe confere sentido). O autor trabalhou, durante cinco anos, nas redações dos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo. das observações, anotadas num diário de campo, entrevistas e levantamento de dados, resultou uma “repor-tese” – uma reportagem que virou doutorado. Não há no jornalismo um componente religioso formal. Mas, por predisposição pessoal, ethos da profissão ou tradição, a religiosidade do jornalista secreta um sentido de promoção da verdade e da justiça. A empresa jornalística exerce uma peculiar onipotência ao selecionar acontecimentos que considera dignos de ser publicados. A ancoragem da imprensa no tempo lhe confere certa eternidade, pois a sucessão ininterrupta de edições configura um retorno ao eterno presente. Conclui-se que a característica “religiosa” do jornalismo se manifesta sob forma de rituais de lugar e tempo, de pessoas e falas e também como mística da vocação, da missão e do sofrimento. Essas condições também podem ser usadas como um disfarce “heróico” na exploração do trabalhador.

Palavras-chave: Jornalismo; Fenômeno religioso; Ritual; Mística.

Abstract

This article analyses the daily occurrence of multiple secular manifestations of religiousness in newspapers editorial rooms (according to Georg Simmel, it is a human capacity that involves the whole existence and endows it with sense). The author worked for newspapers Folha de S. Paulo and O Estado de S. Paulo for five years. From his observations, written down in a diary, interviews and collected data, he wrote a “reporthesis” – a newspaper report that turned into a doctorate thesis. There is not a formal religious component in journalism. But, due to a personal disposition, professional ethos or tradition, the journalist’s religiousness comprises a sense of promotion of truth and justice. Journalists exercise a peculiar omnipotence when they select events that they consider worth publishing. The fundamental connection between the press and time confers a specific eternity on it, once the occurrence of non-stop editions points out a return to the eternal present. We conclude that the “religious” characteristic of journalism appears as rituals of place and time, of people and discourse, and also as a mystic of vocation, mission and suffering. Those conditions can also be a “heroic” disguise for the exploitation of workers.

Key words: Journalism; Religious phenomenon; Ritual; Mystic.


Palavras-chave


Jornalismo; Fenômeno religioso; Ritual; Mística

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5752/P.2175-5841.2007v6n11p35-51

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Esta obra está licenciada sob uma Attribuiton 4.0 Internacional:  
Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)

 

Redes Sociais:

 

 

Filiada: Apoio:

Logotipo do IBICT

 

 

 

Indexadores e Repositórios/Banco de dados:


Latindex Sumários de Revistas   Brasileiras



 

Presença em algumas bibliotecas no exterior: