Fronteiras semânticas: o dialogismo das linguagens rituais pentecostais e umbandistas – uma análise das expressões gestuais

Main Article Content

Valdevino de Albuquerque Júnior

Resumo

O espaço ritual constitui-se num locus sagrado de festa. No palco religioso, o sentimento de reconhecer-se cheio do Espírito Santo ou incorporado pelas Entidades reescreve, no próprio corpo do sujeito, a autenticidade de sua tradição mitológica. Simultaneamente, a experiência religiosa reatualiza o poder dessa tradição. E são várias as formas em que a narrativa mítica emerge, vindo à tona e tornando-se tangível à percepção e à emoção. E, neste sentido, a cultura desempenha um papel fundamental: ela é o elo a promover o encontro entre as verdades da crença e as experiências religiosas. Michel Meslin assinala que a religião só alcança o homem através das mediações culturais de seu tempo. Entre essas também variadas “mediações culturais” está a música, com seus gêneros, ritmos e uma força simbólica capaz de funcionar como chave, abrindo as portas das sensibilidades. Para além dos cânticos – mas a eles conexos –, a experiência do transe ritual é um dispositivo de mediação cultural ainda mais poderoso: um dínamo de emoções liturgicamente sacralizadas. Este sentimento religioso de alegria tem suas bases na estrutura do sistema de crenças, e, assim, até a cantiga que coadjuva e complementa os ritos, consubstancia seu status sagrado. Musicalizando o Sagrado, essa arte expressiva de fé e também de cultura potencializa ainda mais o sentimento social de pertença à comunidade religiosa do indivíduo, que também vê alimentada sua esperança de vida. Este trabalho se envereda na trilha da experiência religiosa, em seus percalços sinuosos. Nesse caminho, a intenção é compreender um pouco o funcionamento das engrenagens simbólicas que conferem sentido às manifestações performáticas vividas por pentecostais e umbandistas, em dois grupos religiosos específicos. E, ao analisar a relação entre a dinâmica ritual desses cultos e a produção de sentidos operada nas linguagens gestuais dos sujeitos da crença, refletimos sobre os diálogos semânticos rituais que, construindo experiências de espiritualidade, reconstroem também experiências de vida. É quando a divergência das cosmovisões sucumbe à convergência dos significados religiosos.

Article Details

Como Citar
ALBUQUERQUE JÚNIOR, V. DE. Fronteiras semânticas: o dialogismo das linguagens rituais pentecostais e umbandistas – uma análise das expressões gestuais. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 17, n. 52, p. 514-518, 30 abr. 2019.
Seção
Dissertações e Teses/Dissertations and Theses (Resumo/Abstract)
Biografia do Autor

Valdevino de Albuquerque Júnior, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutor em Ciência da Religião, UFJF (Linha de pesquisa: Relligião, Sociedade e Cultura/Campo Religioso Brasileiro), com período sandwich na Faculté des Sciences Sociales da Université de Strasbourg (França). Bolsista Capes durante Mestrado e Doutorado. Membro dos grupos de pesquisa "Antropologia das Fronteiras Conceituais" e "Núcleo de Estudos em Protestantismos e Teologias" - NEPROTES (UFJF), "Modernidade, Religião e Ecologia" (PUC-MG) e "Laboratório de Antropologia Visual e Documentário” (Lavidoc/UFJF).