HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte <p><strong><em>HORIZONTE</em></strong> é uma publicação quadrimestral do Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), classificada como A1 no QUALIS (Plataforma Sucupira/CAPES - Brasil).</p> <p><strong>Missão</strong>: <strong><em>HORIZONTE</em></strong> tem por objetivo veicular trabalhos científicos que contribuam para o avanço da pesquisa na área de Ciências da Religião e Teologia e para a formação acadêmica crítica e integral, aberta ao diálogo, à perspectiva interdisciplinar e à pluralidade de ideias.</p> Editora PUC Minas pt-BR HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião 2175-5841 <p class="MsoNormal" style="text-align: justify; line-height: normal; margin: 0cm 0cm 0pt;">Submeto (emos) o presente trabalho, texto original e inédito, de minha (nossa) autoria, à avaliação de&nbsp;<strong>Horizonte</strong>&nbsp;- Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, e concordo (amos) em compartilhar esses&nbsp;<span class="il">direitos</span>&nbsp;<span class="il">autorais</span>&nbsp;a ele referentes com a &nbsp;Editora PUC Minas, sendo que seu “conteúdo, ou parte dele,&nbsp;pode ser copiado, distribuído, editado, remixado e utilizado para criar outros trabalhos,&nbsp;sempre dentro dos limites da legislação de&nbsp;<span class="il">direito</span>&nbsp;de autor e de&nbsp;<span class="il">direitos</span>&nbsp;conexos”, em qualquer&nbsp;meio de divulgação, impresso ou eletrônico, desde que se atribua créditos ao texto e à autoria, incluindo as referência à&nbsp;<strong>Horizonte</strong>. Declaro (amos) ainda que não existe conflito de interesse entre o tema abordado, o (s) autor (es) e empresas, instituições ou indivíduos.</p> <p class="MsoNormal" style="text-align: justify; line-height: normal; margin: 0cm 0cm 0pt;">&nbsp;</p> <p class="MsoNormal" style="text-align: justify; line-height: normal; margin: 0cm 0cm 0pt;">Reconheço (Reconhecemos) ainda que <strong>Horizonte </strong>está licenciada sob uma <strong><span lang="EN-US" style="line-height: 115%;">LICENÇA CREATIVE COMMONS - ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0)</span></strong><strong><span lang="EN-US" style="line-height: 115%;">:</span></strong></p> <p><a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license"><img style="border-width: 0;" src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/88x31.png" alt="Licença Creative Commons"></a></p> <p>Este obra está licenciado com uma Licença <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license">Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional</a>.</p> <p>Por isso, PERMITO (PERMITIMOS), "para maximizar a disseminação da informação",&nbsp;que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original.</p> <p>&nbsp;</p> Manual de submissão de artigos para Horizonte: Open Journal System (OJS 3.0) http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/26250 <p>O objetivo deste manual é orientar pesquisadores e autores que desejem submeter seus textos à revista <strong>HORIZONTE.</strong></p> Brasil Fernandes de Barros Copyright (c) 2021 HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-09-06 2021-09-06 Apresentação http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/26764 Roberlei Panasiewicz Copyright (c) 2021 HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-04-30 2021-04-30 5 5 10.5752/P.2175-5841.2021v19n58p5 Religião e direitos humanos, entre avanços e recuos http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/26268 Rodrigo Ferreira Toniol Copyright (c) 2021 HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-04-30 2021-04-30 15 15 10.5752/P.2175-5841.2021v19n58p15 Expediente - Horizonte, Belo Horizonte, v. 19, n. 58, jan.-abr. 2021 http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/27004 <p>Expediente - Horizonte, Belo Horizonte, v. 19, n. 58, jan.-abr. 2021</p> Fabiano Victor Campos Copyright (c) 2021 HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-04-30 2021-04-30 Pentecostalismos, racismo e Direitos Humanos http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/25105 <p>Os pentecostalismos significaram a ruptura com a antropologia protestante refém da epistemologia da Modernidade. Como explica Harvey Cox, esses movimentos americanos dos primeiros anos do século XX preencheram o déficit extático deixado pelos evangélicos, apontando em direção do sistema afetivo de conhecimento da realidade, uma epistemologia afetiva. Se por um lado a experiência pentecostal animou o deslocamento da margem para o centro da corporeidade, por outro, os corpos violentados e subjugados tornaram-se visíveis e empoderados, porque grupos marginalizados, excluídos pelo <em>establishment</em> protestante americano e brasileiro, foram e são protagonistas. Apresenta-se os movimentos pentecostais como presença no mundo e prática religiosa reveladora da defesa de direitos fundamentais, especialmente na militância da justiça racial, o que não significa uma defesa teórica, mas vivências comunitárias de corpos excluídos que ganham <em>status</em> pneumáticos. O ensaio discute a relação entre religião, Direitos Humanos e as questões raciais, apontando como os pentecostalismos representam intuições para uma sociedade mais fraterna e igualitária.</p> David Mesquiati de Oliveira Kenner Roger Cazotto Terra Copyright (c) 2021 HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-04-30 2021-04-30 98 98 10.5752/P.2175-5841.2021v19n58p98 Religion and politics: the Pentecostal participation in Brazilian Public Sphere http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/25872 <p>Este artigo é uma tentativa de descrever brevemente a atual participação dos pentecostais na esfera pública brasileira. Uso o termo tentativa, porque não é fácil discutir o campo religioso brasileiro e suas relações de poder, controvérsias e tensões. De fato, nos últimos anos, os grupos pentecostais têm se mostrado mais visíveis, principalmente devido às redes sociais e de comunicação na TV, rádio e internet. Este artigo é um esforço para apresentar esse contexto a partir do problema: como os cristãos, principalmente os evangélicos, poderiam apoiar um Governo Federal que defende políticas destrutivas e não sociais? Como podem os crentes pentecostais reafirmar a desigualdade social, por meio do ódio étnico-racial, da negação da diversidade de gênero e da sujeição das mulheres à autoridade dos homens? Para responder a essas questões, descrevo parte do debate proposto pela literatura brasileira sobre o pentecostalismo e apresento alguns dos principais líderes evangélicos alinhados à agenda conservadora do atual governo federal. Por fim, declaro que a hermenêutica literalista que remonta aos textos da Bíblia Hebraica legitima e autoriza políticas de desigualdade social e violência contra comunidades em situação de vulnerabilidade social e econômica.</p> Elisa Rodrigues Copyright (c) 2021 HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-04-30 2021-04-30 24 24 10.5752/P.2175-5841.2021v19n58p24 Fundamentalists or pioneers? On the ambivalence of Pentecostal Political Engagement within the Democratic Game http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/24109 <p>Tendo em vista os desafios que o populismo e o engajamento político de motivação religiosa representam às democracias liberais, o presente estudo propõe-se examinar, especificamente, o papel desempenhado por atores pentecostais no conflituoso reordenamento do jogo democrático no Brasil e a nível global. O engajamento pentecostal nas eleições brasileiras de 2018 representou um marco importante nesse respeito, constituindo, assim, o objeto da presente investigação. Dadas a novidade e a natureza de ambos os fenômenos em questão, a saber, o engajamento político pentecostal e a crise da democracia, a análise é conduzida, metodologicamente, a partir de uma perspectiva descritiva, teórica, e não normativa. Para tal, o estudo serve-se da recente obra de Manow acerca da atual crise da democracia com vistas a iluminar o debate a respeito e dialoga com análises acadêmicas do engajamento político pentecostal tanto no Brasil como na Nigéria, onde fenômenos similares podem ser constatados, de modo a por a questão em perspectiva global. O papel desempenhado por atores pentecostais pode ser descrito como ambivalente, na medida em que eles, por um lado, contribuíram enormemente para uma democratização das democracias contemporâneas e, por outro, desempenharam uma função decisiva no abalamento dos fundamentos das democracias liberais.</p> Leandro Luis Bedin Fontana Copyright (c) 2021 HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-04-30 2021-04-30 48 48 10.5752/P.2175-5841.2021v19n58p48 A perspectiva do método hermenêutico na interpretação do direito sobre liberdade religiosa e o princípio constitucional da dignidade humana http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/25080 <p>A proposta do artigo tem por finalidade analisar a influência do método hermenêutico na interpretação do texto constitucional sobre liberdade religiosa e o princípio da dignidade humana, bem como dos direitos humanos. Questiona-se: como o método hermenêutico pode contribuir na interpretação do direito sobre liberdade religiosa, diante das violações sofridas, mesmo sendo ele preceituado na Constituição brasileira? Para tratar desse objeto é preciso recorrer aos aportes teóricos específicos ao tema, a fim de fundamentar os argumentos levantados. Faz-se uso da pesquisa bibliográfica e descritiva de natureza qualitativa, visto que a proposta discute a temática, a partir de um <em>corpus</em> selecionado. Esse <em>corpus </em>não esgota a problemática, mas lança luzes acerca do direito assegurado quanto à liberdade religiosa, sendo alvo de reflexão interdisciplinar entre as áreas teológico-jurídica. Conclui-se que o Estado Democrático favorece a ação assecuratória do direito de liberdade, sendo, portanto, descabida a inobservância de um direito constitucional presente na sociedade.</p> Gleyds Silva Domingues Reginaldo Pereira de Moraes Copyright (c) 2021 HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-04-30 2021-04-30 74 74 10.5752/P.2175-5841.2021v19n58p74 A Igreja Apostólica: da “Tenda de Deus para Salvação e Cura” à “Igreja da Santa Vó Rosa” – Mutações Religiosas (1954-2020) http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/25906 <p>Este texto, <em>A Igreja Apostólica: da “Tenda de Deus para Salvação e Cura” à “Igreja da Santa Vó Rosa” – Mutações Religiosas (1954-2020),</em> objetiva descrever o surgimento e as mutações experimentadas por uma Igreja inicialmente pentecostal, fundada em São Paulo, em 1954, no rastro do movimento de cura divina. Tentamos responder à pergunta: Diante dessas mudanças experimentadas no decorrer de seis décadas o que de pentecostal restou no final dessa trajetória marcada por transformações doutrinárias, litúrgicas e administrativas? Na pesquisa, examinou-se: documentação primária, atas de assembleias registradas em cartórios; sites e boletins da própria Igreja; documentários televisivos e outros postados no Youtube; jornais; e arquivos eletrônicos produzidos por antigos membros e pastores que, há alguns anos, fazem oposição à direção dessa Igreja. Os dados obtidos nos levam à conclusão de que as mudanças implementadas são suficientes para classificar essa Igreja como uma instituição tipo seita (Troeltch, Wilson) por causa de seu fechamento em si mesmo, do rigor de sua disciplina, da ênfase escatológica e da posição anticultura. A Igreja Apostólica mantém hoje somente alguns resíduos de suas origens pentecostais.</p> Leonildo Silveira Campos Copyright (c) 2021 HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-04-30 2021-04-30 114 114 10.5752/P.2175-5841.2021v19n58p114 Manoel de Mello e a preocupação com Direitos Humanos nos primórdios do envolvimento pentecostal com a política brasileira http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/25700 <p>Durante décadas os evangélicos pentecostais brasileiros evitavam a todo custo se envolver com política, pois esta considerada como algo sujo e indigno dos cristãos. Todavia, já há alguns anos é grande o envolvimento de líderes pentecostais em política. Muitos candidatos a cargos públicos apresentam-se como “Pastor Fulano”, como uma maneira de chamar a atenção de eleitores evangélicos. Um dos primeiros líderes pentecostais brasileiros a falar abertamente sobre política foi Manoel de Mello e Silva (1929-1990), conhecido como Manoel de Mello, fundador da Igreja Evangélica Pentecostal O Brasil para Cristo (BpC). Este artigo pretende apresentar criticamente o contexto histórico da organização da Igreja O Brasil para Cristo e o envolvimento político de Manoel de Mello, com ênfase em sua preocupação com os Direitos Humanos, considerando ser ainda escassa a pesquisa acadêmica sobre o modelo de pentecostalismo no Brasil do qual a BpC é representante, e menor ainda o estudo desta vertente pentecostal na perspectiva de seu discurso político.</p> Carlos Ribeiro Caldas Filho Copyright (c) 2021 HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-04-30 2021-04-30 149 149 10.5752/P.2175-5841.2021v19n58p149