FÉ INABALÁVEL E RAZÃO o significado de religião para Allan Kardec

Main Article Content

Brasil Fernandes de Barros

Resumo

Mais de 150 anos depois da codificação da doutrina espírita, ainda são frequentes os debates entre os seus fiéis a respeito do aspecto religioso do Espiritismo. A doutrina, codificada por Allan Kardec no século XIX, surgiu em meio a uma profusão de novas teorias e concepções científicas e filosóficas, tendo sido fortemente marcada pelo legado iluminista e pelos pensadores de sua época. O objetivo deste artigo é estabelecer um diálogo entre o conceito de Kardec sobre religião e alguns autores, tais como Benson Saler, Clifford Geertz, dentre outros. Para isto, num primeiro momento, discutiremos as origens do termo “religião” e seu conceito. Procuraremos entender, por meio de uma pesquisa bibliográfica, o porquê de Kardec ter afirmado que o Espiritismo não era uma religião, bem como investigaremos a sua perspectiva secular. Concluiremos, por fim, como Kardec posicionava o Espiritismo em termos de Religião.

Article Details

Como Citar
FERNANDES DE BARROS, B. FÉ INABALÁVEL E RAZÃO. INTERAÇÕES, v. 14, n. 25, p. 227-247, 30 jun. 2019.
Seção
ARTIGOS
Biografia do Autor

Brasil Fernandes de Barros, Doutorando em Ciências da Religião - PUC MG

Mestre em Ciências da Religião e Doutorando em Ciências da Religião pelo Programa de Pós Graduação da PUC-MG - http://lattes.cnpq.br/5504522325159837

Referências

ALVES, Rubem. O enigma da religião. 3 ed. Campinas: Papirus, 1984.

ARAUJO, Augusto César Dias de. Identidade e fronteiras do espiritismo na obra de Allan Kardec. Horizonte, Belo Horizonte, v. 8, n. 16, p. 117-135, jan./mar. 2010.

ARAUJO, Augusto César Dias de. O espiritismo, “esta loucura do século XIX”: ciência, filosofia e religião nos escritos de Allan Kardec. Juiz de Fora, 2014. 287 f. Tese. (Doutorado em Ciência da Religião). Programa de Pós-graduação em Ciência da Religião, Universidade Federal de Juiz de Fora.

AZEVEDO, Cristiane Almeida de. A procura do conceito de religio: entre o relegere e o religare. Religare, João Pessoa, v. 7, n. 1, p. 90-96, mar. 2010.

ASAD, Talal. A construção da religião como uma categoria antropológica. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 19, 2010.

BACON, F. Novum Organum. “Aforismo XIX”. Coleção Os Pensadores. Nova Cultural, São Paulo: 1988.

CASSIRER, Ernst. La Philosophie des Lumières. Paris: Fayard, 1966.

CHAVES, José Reis. Fiéis ao espiritismo científico, mas não ao seu lado evangélico. Jornal O Tempo. Belo Horizonte, 4 fev. 2013.

DOYLE, Arthur Conan. História do Espiritismo. Trad. Júlio Abreu Filho. São Paulo: Pensamento, 2007.

DUBUISSON, Daniel. L’Occident et la religion : mythe, science et idéologie. Bruxelles: Éditions Complexe, 1998.

ELIADE, Mircea. Origens: história e sentido na Religião. Portugal: Edições 70, 1989.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: 2010.

INCONTRI, Dora. Pedagogia Espírita: um projeto brasileiro e suas raízes histórico-filosóficas. 2001. 340 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo – USP, São Paulo, 2001.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1978.

GIORDAN, Marcelo. O Papel da Experimentação no Ensino de Ciências. In: Atas do 2 Encontro Nacional de Pesquisa em Educação e Ciências. A33, 1-4 set. 1999; Valinhos, São Paulo: ABRAPEC: 1999, p. 1–13.

KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Brasília: FEB, 2013.

KARDEC, Allan. O Livro dos espíritos. Rio de Janeiro: FEB, 2008.

KARDEC, Allan. O Livro dos médiuns. Ed. 17. Rio de Janeiro: Instituto de Difusão Espírita, 1987.

KARDEC, Allan. Obras póstumas. 2 ed. Brasília: FEB, 2016.

KARDEC, Allan. Revista Espírita. Jornal de Estudos Psicológicos. Ano Segundo. Tradução Evandro Noleto Bezerra. Rio de Janeiro: FEB, 1859-2007a.

KARDEC, Allan. Revista Espírita. Jornal de Estudos Psicológicos. Ano Segundo. Tradução Evandro Noleto Bezerra. Rio de Janeiro: FEB, 1862-2007b.

KARDEC, Allan. Revista Espírita. Jornal de Estudos Psicológicos. Ano Segundo. Tradução Evandro Noleto Bezerra. Rio de Janeiro: FEB, 1868-2007c.

KARDEC, Allan. Revue Spirite. Journal d'études psychologiques. Onzième Année – Paris: UNION SPIRITE FRANÇAISE ET FRANCOPHONE, 1868.

LACHÂTRE, Maurice. Nouveau Dicitionnaire Universel. Pantheon Litteraire et Encyclopédie Ilustrée. Tome Premier. Paris: 1867. Obra Rara Digitalizada. Disponível em: http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k506777/f201.item.r=rivail. Acesso em: 31 jul. 2019.

LOPES, Patrícia Albertina Um estudo sobre a formação lexical com os sufixos -ista, -ismo, -ístico (2011). Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/60702. Acesso em: 31 jul. 2019.

PIRES, José Herculano. A pedra e o joio. São Paulo: Cairbar, 1975.

SALER, Benson. Conceptualizing Religion: Immanent Anthropologist, Transcendent Natives, and Unbounded Categories. New York: Berghahn Books, 2000.

SAUSSE, Henri. Biografia de Allan Kardec. São Paulo: Lake, 2014.

SCHAEFFLER, Richard. Filosofia da religião. Lisboa: Edições 70, 1992.

WANTUIL, Zeus; THIESEN, Francisco. Allan Kardec: meticulosa pesquisa bibliográfica. v. 1. Rio de Janeiro: FEB, 1984.

WILLAIME, Jean-Paul. Reconfigurations ultramodernes. Esprit, Paris: n. 3, p. 146-155, mars/avril 2007.