Teologia decolonial e epistemologias do Sul

Carlos Alberto Motta Cunha

Resumo


A teologia não é um saber autônomo. Na busca por contextualização e pertinência, a teologia cristã se lança ao diálogo fecundo com outras áreas do conhecimento. Ao ser interpelada pelas demandas de outros saberes, a intelecção da fé se vê obrigada a repensar as suas próprias categorias com o objetivo de manter pública a sua tarefa. A teologia da libertação, por exemplo, chama esse exercício de abertura de mediação sócio-analítica (MSA), isto é, mediação necessária a uma teologia disposta a ouvir a sociedade com finalidades transformadoras e libertadoras. A MSA nos faz aceder ao texto social e discernir a situação de opressão/colonização que afetam o marginalizado ou subalternizado, que é o interlocutor e o destinatário principal não só da teologia da libertação, mas também da teologia decolonial. Desse modo, buscamos resgatar os principais eixos do pensamento decolonial por meio do Grupo Modernidade/Colonialidade/Decolonialidade (Grupo M/C/D) para, no segundo momento, oferecer algumas contribuições para uma teologia decolonial disposta a avaliar o seu próprio referencial teórico/prático a partir dos lugares fronteiriços cujas epistemologias do Sul emergem abrindo espaços para novos ambientes de enunciação da fé cristã.

Palavras-chave


Decolonialidade. Teologia decolonial. Epistemologias do Sul. Teologia de fronteira.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem. Entre a ciência e a sapiência: o dilema da educação. 10.ed. São Paulo: Loyola, 2003.

BALLESTRIN, Luciana. Para transcender a colonialidade. IHU Online. Edição 431, 4 nov. 2013a.

______. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, nº11. Brasília, maio-agosto, 2013b.

BHABHA, Homi. O local da cultura. 2.ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

BOFF, Clodovis. Teoria do método teológico. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005.

CHARDIN, Teilhard de. O fenômeno humano. São Paulo: Cultrix, 2006.

CONE, James. Teología negra de la liberación. Ed. Carlos Lohlé: Buenos Aires, 1973.

COUTO, Mia. Repensar o pensamento, redesenhando fronteiras. In: MACHADO, Cassiano Elek (Org.). Pensar a cultura. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2013.

CUNHA, Carlos. Paul Tillich e a teologia pública no Brasil: o contributo do método da correlação de Paul Tillich à epistemologia da teologia pública no Brasil no contexto do pensamento complexo e transdisciplinar. São Paulo: Garimpo Editorial, 2016.

______. Provocações decoloniais à teologia cristã. São Paulo: Ed. Terceira Via, 2017.

DUSSEL, Enrique. Método para uma filosofia da libertação: superação analética da dialética hegeliana. São Paulo: Loyola, 1986.

______. Transmodernidad e interculturalidad: Interpretación desde la Filosofía de la Liberación. Disponível em: . Acesso em 6 de jul. de 2018.

______. World-System and Transmodernity. Nepantla: Views from South (Duke, Durham), Vol. 3, Issue 2, 2002.

FORNET-BETANCOURT, Raúl. La interculturalidad a prueba. Disponível em: . Acesso em 19 de jul. de 2018.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Ed. Unesp, 1991.

GUTIÉRREZ, Gustavo. Teologia da libertação: perspectivas. São Paulo: Loyola, 2000.

LIBANIO, João Batista. Teologia da libertação: roteiro didático para um estudo. São Paulo: Loyola, 1987.

MALDONADO-TORRES, Nelson. The topology of being and the geopolitics of knowledge: modernity, empire and coloniality. In City, Vol. 8, nº. 1, pp. 29-56. 2004.

______. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de um concepto. Disponível em: . Acesso em 29 de jun. de 2018.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. 2.ed. São Paulo: Contexto, 2012.

MIGNOLO, Walter. Decolonialidade como o caminho para a cooperação. IHU Online. Edição 431, nov. 2013. Disponível em: . Acesso em: 4 de jul. 2018.

______. Delinking. The rethoric of modernity, the logic of coloniality and the grammar of de-coloniality. In: Cultural studies, n. 21, vols 2 e 3. Routledge. 2007.

______. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: literatura, língua e identidade, nº 34, 2008.

______. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signio, 2010.

______. Habitar la frontera: sentir y pensar la descolonialidad. Barcelona: Edicions Bellaterra, 2015.

______. Histórias locais/Projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

______. La idea de América Latina. La herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa, 2007.

______; SOUZA, Júlio Roberto de. A modernidade é de fato universal? Reemergência, desocidentalização e opção decolonial. In: Revista Civitas, Porto Alegre, v. 15, n. 3, jul.-set. 2015.

______; TLOSTANOVA, Madina. Learning to Unlearn: Decolonial Reflections from Eurasia and the Americas. Ohio State University Press, 2012.

MOJICA, Dairo Andrés Sánchez. Reseña de “El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global” de Santiago Castro-Gómez y Ramón Grosfoguel (Eds.) Nómadas (Col), núm. 27, octubre, 2007.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder y clasificación social. Buenos Aires: CLASO, 2014.

______. Colonialidad y modernidad-racionalidad. In: PALERMO, Zulma; QUINTERO, Pablo (Coord.). Aníbal Quijano: textos de fundación. Buenos Aires: Editorial: Ediciones del Signo, 2016.

______. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLASO, 2005.

______. La americanidad como concepto o América en el mundo moderno-colonial In: PALERMO, Zulma; QUINTERO, Pablo (Coord.). Aníbal Quijano: textos de fundación. Buenos Aires: Editorial: Ediciones del Signo, 2016.

RESENDE, Ana Catarina Zema de. Direitos e Autonomia Indígena no Brasil (1960 – 2010): uma análise histórica à luz da teoria do sistema-mundo e do pensamento decolonial. (tese). Brasília: UnB, 2014.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 7.ed. Porto: Edições Afrontamento, 1999.

______. Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2014.

______; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SEGUNDO, Juan Luis. Libertação da teologia. São Paulo: Ed. Loyola, 1978.

TAMAYO, Juan José. Teologías del Sur: el giro descolonizador. Madrid: Editorial Trotta, 2017.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, Estado, Sociedad: Luchas (de)coloniales de nuestra época. Universidad Andina Simón Bolivar, Ediciones Abya-Yala, Quito, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5752/P.1983-2478.2018v13n24p306-333

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

Indexadores

Sumários.org
Latindex Open Archives Harvester
REDALYC
DOAJ
  
Google Scholar

Revista Associada à ABEC

ABEC

Apoio:

FAPEMIG

INTERAÇÕES | Departamento de Ciências da Religião | PUC Minas

Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião

Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

ISSN 1983-2478 (Online)