PASTORES DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS do apoliticismo escatológico ao aparelhamento moralista

Main Article Content

Marina Aparecida Oliveira dos Santos Correa

Resumo

RESUMO


Estudar as Igrejas das Assembleias de Deus (ADs) atualmente, requer muito mais do que uma simples leitura, para não ser surpreendido com uma formação complexa e dinâmica. É preciso, ao contrário, aprofundar-se na história, conhecer a sua trajetória, a primeira formação pastoral dessa instituição, os obreiros nacionais, invisíveis aos olhos de seus fundadores, os missionários suecos, Gunnar Vingren e Daniel Berg no ano de 1911, na cidade de Belém, PA. Assim, objetiva-se neste artigo, ilustrar a expansão, institucionalização, visibilidade e poder que esses pastores construíram a partir da Convenção nacional na década de 1930; e ainda, como os pastores passaram por um processo de transformação social e política, que os levam na atualidade, a ocupar cargos políticos de relevância nacional, a ponto de ocuparem a metade das cadeiras no Congresso Nacional e serem conhecidos como Frente Parlamentar Evangélica. Esses fatos exteriorizam a construção do poder centralizado pelos pastores no campo assembleiano ao longo de sua história, com alterações imensas, suscitando questões interessantes das dinâmicas produzidas internamente por essa denominação.


 

Article Details

Como Citar
SANTOS CORREA, M. A. O. DOS. PASTORES DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS. INTERAÇÕES, v. 14, n. 25, p. 29-54, 30 jun. 2019.
Seção
DOSSIÊ

Referências

ALENCAR. F.G. Assembleia de Deus – Origem, Implantação e Militância (1911-1946). São Paulo: Arte editorial, 2010.
____________Matriz Pentecostal Brasileira: Assembleias de Deus 1911-2011. Rio de Janeiro, Ed. Novos Diálogos.
BAPTISTA S. Pentecostais e Neopentecostais na política brasileira, 2009, p. 197.
BOURDIEU, Pierre. Sobre o estado. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
CAMPOS, L. S. (ORG.) PROTESTANTES, PENTECOSTAIS & ECUMÊNICOS: o campo religioso e seus personagens. São Bernardo do Campo, SP: Ed. Metodista, 2008.
CORREA Marina. A. O. S. Alteração das Características Tradicionais da Igreja Assembleia de Deus: Um estudo a partir do bairro Bom Retiro em São Paulo. 2006. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) - PUC/SP, São Paulo. 2006.
______________ A OPERAÇÃO DO CARISMA E O EXERCÍCIO DO PODER: A lógica dos Ministérios das Igrejas das Assembleias de Deus no Brasil. São Paulo. Tese de doutorado em Ciências da Religião – PUC/SP. 2012.
_______________ Assembleia de Deus: Ministérios, Carisma e Exercício de Poder. São Paulo: Fonte Editorial, 2012.
FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. São Paulo: Paz e Terra, 2004.
ETZIONI, A. Organizações Complexas. São Paulo: Ed. Atlas, 1973, p. 249.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
FRESTON. P. UMA BREVE HISTÓRIA DO PENTECOSTALISMO BRASILEIRO
____________Evangélicos na política: história ambígua e desafio ético. Curitiba: Encontrão Editora, 1994.
FILIPPINI, A. P. Ser Evangélico: um panorama do movimento pentecostal, PUC/SP, 2013.
KOSELLECK. R. FUTURO PASSADO: Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; Editora PUC Rio, 2015.
MARIANO. R. Deus é voto. Revista da História da Biblioteca Nacional, ano 8, nº 87, 2012.
MENDONÇA, A. G; VALASQUES FILHO, P. INTRODUÇÃO AO PROTESTANTISMO NO BRASIL. São Paulo: Ed. Loyola, 2002.
PASSOS, J.D. TEOGONIAS URBANAS os pentecostais na passagem do rural ao urbano. http://www.scielo.br/pdf/spp/v14n4/9759.pdf Acesso em 10/03/19.
PIEDRA. A. Evangelização Protestante na América Latina: Análise das razões que justificaram e promoveram a expansão protestante (1830-1960). São Leopoldo: Sinodal; CLAI publicações, 2006.
WEBER, M. A ética protestante e o "espírito" do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
__________ Ciência e Política: duas vocações. São Paulo: Cultrix, 2006.

Revistas
A Seara 1962, p.26-27, sem número de edição.
A Seara, ano IV, nº III/ outubro-dezembro de 1959. p.28.
Veja São Paulo, ano 46 – n. 3,16 de janeiro, 2013
Jornais
Mensageiro da Paz, 1ª quinzena de julho de 1966.
O Globo ano XXXVI - Rio de Janeiro, quarta-feira 28 de setembro de 1960. https://acervo.oglobo.globo.com/consulta-ao-acervo/ acesso no dia 22/11/2018.