UM PAÍS LAICO COM UM GOVERNO “TERRIVELMENTE” CRISTÃO?

Main Article Content

Gedeon Freire de Alencar

Resumo

Um pouco mais de atenção na movimentação do campo religioso e político nas últimas décadas no Brasil, nos indica que algumas “peças” foram trocadas, mas o tabuleiro continua igual. A “originalidade” do momento é o atual presidente falar do grupo, a imprensa divulga quase diariamente algo sobre o tema, e até na academia tem gente falando disso – por que exatamente eles, os pentecostais, não iriam acreditar que estão no centro do poder? A questão religiosa no Brasil sempre foi e pelo visto continuará complexa. Essa hipótese pode ser observada nas últimas eleições no ano de 2018, se antes o Estado caminhava com as “bênçãos” da Igreja Católica, agora temos um presidente, Jair Messias Bolsonaro (JMB), que se batizou no Rio Jordão por um pastor evangélico, mas continua católico. Dessa forma JMB comete dois pecados: menospreza seu batismo católico infantil e ridiculariza o batismo evangélico adulto por imersão. Foi apenas uma brincadeira de um candidato e um pastor fazendo marketing político?

Palavras-chave: pentecostalismo; pastores; campo político religioso.

Article Details

Como Citar
FREIRE DE ALENCAR, G. UM PAÍS LAICO COM UM GOVERNO “TERRIVELMENTE” CRISTÃO?. INTERAÇÕES, v. 14, n. 25, p. 13-28, 30 jun. 2019.
Seção
DOSSIÊ
Biografia do Autor

Gedeon Freire de Alencar, Faculdade Teológica Batista de São Paulo

Possui mestrado em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo (2000) e doutorado em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2012). Atualmente é professor da Faculdade Teologica Batista de São Paulo. No momento, pesquisa as relações entre cultura brasileira com o pentecostalismo, mais particularmente com as Igrejas Assembleias de Deus. email: gedeonalencar@gmail.com. Membro da Rede Latinoamericana de Estudos do Pentecostalismo - RELEP Brazilian Studies Association - BRASA Associação Brasileira de Historia da Religiao - ABHR Comissão de Estudos da Historia da Igreja na America Latina e Caribe - CEHILA

Referências

ALENCAR, Gedeon – Matriz Pentecostal Brasileira. Assembleias de Deus 1911-2011, São Paulo, Editora Recriar, 2018.
ALENCAR, Gedeon – Presença evangélica no Brasil atual: remédio ou veneno? Observatório da Religião, UEPA, v2, no. 2, 2015, pg. 130-152.
ALENCAR, Gedeon — Protestantismo Tupiniquim. Hipóteses sobre a (não) contribuição protestante à cultura brasileira, São Paulo, Editora Recriar, 2018.
ALENCAR, Gedeon & FAJARDO, Maxwell – Pentecostalismos: uma superação da discriminação racial, de classe e de género? Estudos da Religião, UMESP, v. 30, no. 2, pg. 95-112, março-ago. 2016.
ALVES, Rubem — Protestantismo e repressão, São Paulo, Ática, 1979.
ANTONIAZZI, Alberto (org.) — Nem anjos nem demônios — interpretações sociológicas do pentecostalismo, Petrópolis, Vozes, 1994.
AZEVEDO, Israel – A celebração do Indivíduo, Piracicaba, Unimep, 1996.
BAPTISTA, Saulo. Pentecostais e Neopentecostais na Política Brasileira. Um estudo sobre a cultura política, Estado e atores coletivos religiosos no Brasil. São Paulo: Annablume, 2009.
BERGER, PETER – Os múltiplos altares da modernidade, Rio de Janeiro, Editora Vozes, 2017.
BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas, São Paulo, Perspectiva, 1974.
CAMPOS MACHADO, Maria das Dores (org). Os Votos de Deus. Evangélicos, Política e Eleições no Brasil. Fundação Joaquim Nabuco, Recife: Editora Massangana, 2013.
CAMPOS, Leonildo Silveira — Teatro, Templo e Mercado — organização e Marketing de um empreendimento neopentecostal, SP, UMESP/Vozes, 1999.
CESAR, Waldo & SHAULL, Richard — Pentecostais e o futuro das religiões cristãs, Petrópolis, Vozes, 1999.
CORREA, Marina A.O.S – A operação do carisma o exercício do poder. A lógica dos ministérios das igrejas Assembleias de Deus no Brasil, São Paulo, Editora Recriar, 2018.
COSTA, Moab C. C – O aggiornamento do pentecostalismo brasileiro. As Assembleias de Deus e o processo de acomodação a sociedade de consumidores, São Paulo, Editora Recriar, 2018.
DAYTON, Donald - Raízes Teológicas do Pentecostalismo, Natal, Editora Carisma, 2018
FAJARDO, Maxwell -Onde a luta se travar. Uma história das Assembleias de Deus no Brasil, Curitiba, Editora Primas, 2016.
FEBVRE, Lucien. Martinho Lutero, um destino. São Paulo: Três Estrelas, 2012.
FERNANDES, Rubem César (Org.). Novo nascimento – os evangélicos em casa, na igreja e na política. Rio de Janeiro: Maud/ISER, 1998.
FRESTON, Paul. Protestantes e Política no Brasil. Da constituinte ao impeachment. Tese de Doutoramento, Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 1993
JACOB, C. et al. Atlas da filiação religiosa e indicadores sociais no Brasil. Rio de Janeiro/São Paulo: Ed. PUC-Rio/Loyola, 2003.
KEPEL, Gilles – A Revanche de Deus. Cristãos, judeus e mulçumanos na conquista do mundo, SP, siciliano, 1991.
MARQUES, Vagner (2015) – Fé e Crime. Evangélicos e PCC nas periferias de São Paulo, São Paulo, Fonte Editorial.
MEDRADO, Lucas (2015) – Cristianismo e Criminalidade. Adesão de bandidos ao universo cristão pentecostal, São Paulo, Fonte Editorial
MENDONÇA, Antônio Gouvêa/ Filho, Prócoro VELASQUES. Introdução ao Protestantismo no Brasil. São Paulo: Ed. Loyola, 1990.
MOREIRA, Roberto S.C. — Weber e o mal estar colonial, in SOUZA 1999.
SOUZA, Jessé (Org.) O protestante e o malandro — a tese weberiana e a singularidade brasileira, Brasília, UNB, 1999.
WEBER, Max — Economia e Sociedade, Brasília,4ª ed, Unb, 1998.
WEBER, Max – A Ética Protestante e o “Espirito” do Capitalismo, São Paulo, Cia da Letras, 2014.