O PROBLEMA DA INTUIÇÃO MÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE INVESTIGAÇÃO METAFÍSICA NA OBRA DE HENRI BERGSON

Main Article Content

Resumo

Bergson buscou o estabelecimento de uma nova metafísica, que levasse o ser humano a um conhecimento mais profundo de si mesmo e do cosmos, e que nesse processo fundasse uma nova moral, assim como outras categorias gnosiológicas que transcendessem o instrumentalismo violento de um mundo escravo de uma ciência excessivamente baconiana. Nosso propósito neste artigo é mostrar como, ao final de sua obra e vida, a temática religiosa surge como campo privilegiado para a realização e a compreensão da totalidade e da essência de seu projeto refundador da filosofia. Da crítica ao pragmatismo jamesiano à mística como única saída para o ser humano (transcendendo um pensamento geométrico em direção ao pensamento da duração), Bergson desenha no horizonte, ainda numa época cega a este questionamento, a indagação se de fato, como crê uma inteligência desavisada, a religião morreu como agente ativo no diálogo intelectual ocidental.

Article Details

Como Citar
FERREIRA, R. DA L. O PROBLEMA DA INTUIÇÃO MÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE INVESTIGAÇÃO METAFÍSICA NA OBRA DE HENRI BERGSON. INTERAÇÕES, v. 15, n. 2, p. 315-329, 20 nov. 2020.
Seção
ARTIGOS
Biografia do Autor

Rildo da Luz Ferreira

Doutor em Filosofia pela PUC-PR.  Mestre em Ciências das Religiões pela PUC-SP.  Professor na Universidade do Estado do Mato Grosso. Brasil. ORCID: 0000-0002-0459-5174. E-mail: rildoluz@hotmail.com.

Referências

BARUZI, Jean. L’intelligence mystique. Paris: Berg Internacional Editeurs, 1985.

BERGSON, Henri. Oeuvres (Édition du Centenaire). Paris: PUF, 1959.

BERGSON, Henri. Mélanges. Textes publiés et annotés par André Robinet. Paris: PUF, 1972.

BERGSON, Henri. As duas fontes da moral e da religião. Tradução: Natanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

BERGSON, Henri. Correspondances. Textes publiés et annotés par André Robinet. Paris: PUF, 2002.

BERGSON, Henri. A evolução criadora. Tradução: Bento Prado Neto. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BERGSON, Henri. O pensamento e o movente. Tradução: Bento Prado Neto. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BERGSON, Henri. A energia espiritual. Tradução: Rosemary Costhek Abílio. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BLONDEL, Maurice. La philosophie ouverte. In: BÉGUIN, Albert; THÉVENAZ, Pierre (org.). Henri Bergson. Essais et Témoignages. Neuchatel: La Baconnière, 2. ed., 1943.

CHEVALIER, Jacques. Bergson. Paris: Plon, 1926.

CHEVALIER, Jacques. Entretiens avec Bergson. Paris: Plon, 1959.

DELEUZE, Gilles. Bergsonismo. Tradução: Luiz B. L. Orlandi. 2. ed. São Paulo: 34, 2012.

INGARDEN, Roman. L’intériorité bergsonienne et le problème de la phénoménologie de la constituition. In: VV. AA. Bergson et nous. Paris: Armand Colin, 1959.

JAMES, William. Pragmatismo e outros textos. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

PRADO JR., Bento. Presença e campo transcendental: consciência e negatividade na filosofia de Bergson. São Paulo: EDUSP, 1988.

SILVA, Franklin Leopoldo. Bergson: intuição e discurso filosófico. São Paulo: Loyola, 1994.

TROTIGNON, Pierre. L’idée de vie chez Bergson et la critique de la métaphysique. Paris: PUF, 1968.

VEILLARD-BARON, Jean-Luis (org.). Bergson, la vie et l’action. Paris: Editions du Félin, 2007.

WATERLOT, Ghislain (dir.). Bergson et la religion. Nouvelles perspectives sur Les deux sources de la morale et de la religion. Paris: PUF, 2008.

WORMS, Frédéric. Bergson ou os dois sentidos da vida. Tradução: Aristóteles Angheben Predebon. São Paulo: Editora Unifesp, 2011.

WORMS, Frédéric. Bergson ou les deux sens de la vie. Paris: PUF, 2013.

WORMS, Frédéric. A concepção bergsoniana do tempo. Revista Dois Pontos, v. 1, n. 1 (2004), p. 129-149.

WORMS, Frédéric et al. (org.). Annales bergsoniennes IV. Paris: PUF, 2008.