ENTRE O POLÍTICO E O SAGRADO: O HOMO SACER CONTEMPORÂNEO

Main Article Content

Glauco Barsalini
Ricardo Geraldo de Carvalho

Resumo

Este artigo tem como objetivo salientar o estado de exceção em caráter permanente, constituinte medular dos regimes democráticos na contemporaneidade, gerador da tensão entre o ressentimento – fomentador do poder soberano – e a elaboração de uma nova ética, com novos princípios humanizadores. A materialização desta incongruência apresenta-se na figura do homo sacer - sujeito que pode ser radicalmente desprezado e, no limite, aniquilado, sem que tal ato seja passível de pena àqueles que a isso tenham dado causa – por ser paradoxal, na medida em que é excluído, lançado em uma zona indeterminada, tornando-se invisível para o biopoder. Em contra partida, sua sobrevivência denuncia a presença do estado de exceção, aflorando a urgência da profanação dos mecanismos que foram sacralizados pela biopolítica. Entre o político e o sagrado depara-se com a politização da morte na medida em que a exceção, vivenciada nos campos de concentração e nos presídios, é transplantada para fora destas realidades. Esta flutuação da morte de zonas sombrias, para contextos teoricamente ordinários, propicia discrepâncias entre técnica e ética, medicina e direito, preservação da vida e dignidade humana. Defronta-se com questões de profundo teor bioético quando a vida nua é exposta em sua extrema vulnerabilidade.


 

Article Details

Como Citar
BARSALINI, G.; GERALDO DE CARVALHO, R. ENTRE O POLÍTICO E O SAGRADO: O HOMO SACER CONTEMPORÂNEO. INTERAÇÕES, v. 12, n. 21, p. 10-28, 2 ago. 2017.
Seção
DOSSIÊ
Biografia do Autor

Glauco Barsalini, PUC Campinas

É Professor Pesquisador do Programa de Mestrado em Ciências da Religião, Professor e Diretor da Faculdade de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). É doutor em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2011), mestre em Multimeios pela UNICAMP (2001), bacharel e licenciado em Ciências Sociais pela UNICAMP (1995; 1997), bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC-Campinas (2002). Sua trajetória acadêmica tem se pautado por estudos e reflexões a respeito do poder social e de suas relações com o poder do Estado. Nesse diapasão, cultura e identidade cultural, poder coletivo e poderes estatal e jurídico, direitos humanos e o problema da exclusão social têm se conformado como as principais chaves de suas reflexões. Atualmente estuda as relações entre a teologia e a política.

Ricardo Geraldo de Carvalho, PUC Campinas

Mestrando em Ciências da Religião pela PUC Campinas

Referências

AGUILERA, Julio Fausto. A batalha do verso. Disponível em: :< http://poeticas.es/?p=2710 >. Acesso em: 06 jun., 2016.

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

__________. O Reino e a Glória: uma genealogia teológica da economia e do governo. São Paulo: Boitempo, 2012.

__________. Estado de Exceção. São Paulo: Boitempo, 2005.
__________. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. São Paulo: Boitempo, 2008.
__________. Ideia da prosa. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.
__________. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

__________. Une biopolitique mineure: entretien avec Giorgio Agamben. Disponível em: . Acesso em: 04 jun, 2016.

BENJAMIN, Walter. Crítica da violência – Crítica do poder. In: BENJAMIN, Walter. Documentos de cultura, documentos de barbárie: escritos escolhidos. São Paulo: Edusp; Cultrix, 1986.

CASTILLO, José Maria. Jesus: a humanização de Deus: ensaios de cristologia. Petrópolis: Vozes, 2015.

DUNN, James D. G. A teologia do apóstolo Paulo. São Paulo: Paulus, 2003.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

__________. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

GIACOIA JR, Osvaldo. Messianismo e Política em Giorgio Agamben. Revista Reflexão, Campinas, v. 40, n. 1, p. 7-20, jan./jun., 2015.
__________. Nietzsche. São Paulo: Publifolha. 2000.
__________. Disponível em: . Acesso em: 08 jan, 2017.
NIETZSCHE, Frederich. A Genealogia da Moral. 4. ed. Lisboa: Guimarães & C.ª, 1983.
__________. Além do bem e do mal: prelúdio de uma filosofia do futuro. Petrópolis: Vozes, 2014.
¬¬¬__________. A Gaia Ciência. 2. ed. São Paulo: Companhia das letras, 2001.
OLIVEIRA, Salete. Notas para a abolição dos campos de concentração e de extermínio. Verve, 7: 43-56, 2005. Disponível em: . Acesso em: 04 nov, 2016.
PEREIRA, José Carlos (2015). Resiliência: para lidar com pressões e situações adversas. São Paulo: Ideias & Letras.
WILLIAMS, Philip F. and WO, Yenna. The great wall of confinement: the chinese prison camp through contemporary fiction and reportage. Berkley and Los Angeles, California: University of California Press; London, England: University of California Press Ltda, 2004. Disponível em: . Acesso em: 05 nov, 2016.

VEDOVATO, Luís Renato. O direito de ingresso do estrangeiro: a circulação das pessoas pelo mundo no cenário globalizado. São Paulo: Atlas, 2013. Disponível em: . Acesso em: 09 fevereiro, 2017.

VIDAL, Marciano (1997). O Evangelho da vida: para uma leitura da Evangelium vitae. São Paulo: Paulinas.