INTERAÇÕES http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes <p><strong>INTERAÇÕES</strong> é um periódico científico editado pelo Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião, do Departamento de Ciências da Religião da PUC Minas, tem por missão a difusão de estudos relativos à área de Ciências da Religião e Teologia e áreas afins aos estudos da religião.&nbsp;</p> <p><a href="http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/about">Saiba Mais ...</a></p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais pt-BR INTERAÇÕES 1983-2478 <p><a name="pt-direitos"></a>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</p> <ol> <li>Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a&nbsp;<a href="https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/">Licença Creative Commons Attribution</a>que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.</li> <li>Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</li> <li>Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja&nbsp;<a href="http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html">O Efeito do Acesso Livre</a>).</li> </ol> EXPEDIENTE http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/article/view/22186 Flávio Senra Copyright (c) 2019 Flávio Senra 2019-12-26 2019-12-26 14 26 253 256 10.5752/P.1983-2478.2019v14n26p253-256 EDITORIAL http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/article/view/22197 <p>não se aplica</p> Flávio Senra Copyright (c) 2019 Flávio Senra 2019-12-28 2019-12-28 14 26 257 260 10.5752/P.1983-2478.2019v14n26p257-260 AS CONEXÕES E A CIRCULAÇÃO DE LIVROS ENTRE AS ORDENS TERCEIRAS FRANCISCANAS NAS DUAS MARGENS DO ATLÂNTICO NO SÉCULO XVIII http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/article/view/16142 <p>A grande produção e difusão dos livros religiosos durante a Idade Moderna denotaram a essa bibliografia papel relevante naquele período. Além da sua expressividade numérica, as obras religiosas indicavam um leque alargado de preocupações e intenções, visando atender a distintas situações e necessidades tanto dos membros da Igreja quanto dos fiéis. Essa literatura orientava, sobretudo, as práticas religiosas no interior das associações de leigos, tais como irmandades, confrarias e Ordens Terceiras, seja no Reino ou na América portuguesa. A partir do conceito de <em>comunidade de interpretação</em>, cunhado por Roger Chartier, verifica-se a relevância das obras impressas entre os irmãos terceiros franciscanos. Desse modo, a partir da leitura, transcrição paleográfica e análise da documentação produzida pelas Ordens Terceiras franciscanas de Braga (Portugal) e São Paulo (Brasil), ao longo do século XVIII, constatou-se a circularidade dos livros religiosos entre instituições congêneres, bem como os usos destinados a essas obras na conformação de ritos e práticas religiosas.</p> Juliana de Mello Moraes Copyright (c) 2019 INTERAÇÕES 2019-12-30 2019-12-30 14 26 261 274 A INTERPRETAÇÃO NA IGREJA ADVENTISTA BRASILEIRA DA TEOLOGIA ECUMÊNICA CONCILIAR http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/article/view/18125 <p>A história da imprensa adventista brasileira começa com a publicação, em 1904, do primeiro periódico impresso em língua portuguesa da Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD), <em>O arauto da verdade </em>– surgimento que alguns estudiosos da história do adventismo no Brasil acreditam ocorrer em 1900. Em 1906, surge a então chamada <em>Revista Trimensal</em>, hoje, <em>Revista Adventista</em>, nome adotado em março de 1931. Na capa, ela passou a ser identificada como <em>órgão oficial</em> da Igreja brasileira dos adventistas do sétimo dia, designação que continuou até 1974. Considerada <em>órgão geral</em> da denominação em terras brasileiras desde 1975, a <em>Revista Adventista</em> tem por objetivo central noticiar os acontecimentos mais significativos do meio adventista e do cristianismo no Brasil e no mundo. A publicação conta com um acervo digital disponível na internet que abriga, na íntegra, todos os números do periódico, desde a sua primeira edição, em 1906 – de onde parte a pesquisa de fontes e análises expostas no presente texto, que aborda como a revista reportou a teologia ecumênica conciliar. Foram analisadas nove edições, publicadas entre 1962 e 1965 – os anos de realização de concílio –, em que os termos <em>Concílio Vaticano II</em>– e correlatos – e <em>ecumenismo</em> são encontrados. A pesquisa se justifica pelo ineditismo de uma investigação sobre a interpretação do concílio por um órgão da Igreja Adventista brasileira. O exame dos materiais selecionados foi realizado a partir dos conceitos de memória, condições de produção, paráfrase e polissemia da análise do discurso.</p> Kevin Willian Kossar Furtado Copyright (c) 2019 INTERAÇÕES 2019-12-30 2019-12-30 14 26 275 296 MONANTROPISMO E MOVIMENTO PARA A PAZ NO PENSAMENTO DE VIKTOR FRANKL http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/article/view/18226 <p>O presente artigo tem como objetivo apontar as possibilidades de construção de uma cultura de paz a partir do conceito de <em>monantropismo</em>, segundo a Logoterapia e Análise Existencial de Viktor Frankl. Ademais, identificaram-se interlocuções entre a educação e a cultura de paz. Concluiu-se que, para se contrapor à cultura de guerra, torna-se necessário desenvolver o espírito de uma humanidade única, além de cultivar algumas virtudes fundamentais, tais como: a tolerância, o perdão, a responsabilidade coletiva e individual.</p> Thiago Antonio Avellar Aquino Josilene Silva Cruz Eliseudo Salvino Gomes Copyright (c) 2019 INTERAÇÕES 2019-12-30 2019-12-30 14 26 297 314 FORMAÇÃO HUMANISTA E EDUCAÇÃO http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/article/view/21279 <p>A prática da intolerância e da violência, seja no campo religioso ou não, é constante na sociedade contemporânea. Neste contexto e a partir do ambiente educacional, pergunta-se: é possível educar para a valorização do humano e diminuir a violência? Esta reflexão visa responder a esta pergunta ao mesmo tempo em propõe que a formação humanista deve participar de maneira articulada com a formação intelectual no processo de ensino-aprendizagem das crianças e adolescentes. Este estudo faz parte de uma pesquisa mais ampla sobre a tolerância e a promoção da cultura de paz em algumas escolas públicas de Ensino Fundamental da periferia da cidade de Belo Horizonte/MG. Partindo da análise dos Projetos Políticos Pedagógicos, dos planos de aula da disciplina de Ensino Religioso e da observação participativa buscou-se compreender como os temas das humanidades são tratados nestes espaços. Urge uma educação para a alteridade e para a cidadania que perpasse disciplinas, projetos e temas transversais. Esta reflexão se estrutura apresentando os desafios do processo de ensino-aprendizagem, da educação para a tolerância e para o diálogo inter-religioso como princípios para bem saber e bem viver no ambiente escolar. A vivência da cultura da paz e da cidadania devem perpassar o ensino fundamental e superar contextos de intolerância e de violência de forma a educar para a responsabilidade social.</p> Roberlei Panasiewicz Camila Campos Marçal da Cruz Marçal da Cruz Dinéia Fontoura Gonçalves Gonçalves Copyright (c) 2019 Roberlei Panasiewicz, Camila Campos Marçal da Cruz, Marçal da Cruz, Dinéia Fontoura Gonçalves Gonçalves 2019-12-30 2019-12-30 14 26 315 331 10.5752/P.1983-2478.2019v14n26p315-331 EXPERIÊNCIAS PARA A EDUCAÇÃO PATRIMONIAL VISANDO A EDUCAÇÃO RELIGIOSA http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/article/view/18206 <p class="western" align="JUSTIFY"><span style="font-family: Georgia, serif;">A educação patrimonial voltada ao patrimônio religioso refere-se a um processo permanente de trabalho educacional centrado no espaço sagrado como fonte primária de conhecimento e enriquecimento individual e coletivo. A presente pesquisa pretende, por meio de um estudo de caso qualitativo, apresentar e realizar uma análise de três atividades de educação patrimonial realizadas em Curitiba, o roteiro 'Na Trilha do Sagrado', a 'visita guiada na Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Luz' e a 'visita noturna ao Cemitério Municipal de Curitiba' com a finalidade de compreender a importância da mediação no patrimônio cultural para a educação cultural e religiosa dos participantes. Os resultados da pesquisa apontam que a atividade de educação patrimonial em espaços voltados para o sagrado</span><span style="font-family: Georgia, serif;"> os aproximam da sociedade, auxiliam na preservação da memória, na criação de um sentimento de pertença e para criação de um elo entre passado e presente que podem auxiliar tanto na conservação desse bem quanto na difusão do conhecimento. Conclui-se que conhecer o diversificado patrimônio religioso da cidade permite ao indivíduo respeitar as diferentes manifestações culturais e a melhor compreendê-las, aliando assim conhecimento, ação e preservação. </span></p> Taciane Jaluska Sérgio Junqueira Copyright (c) 2019 INTERAÇÕES 2019-12-26 2019-12-26 14 26 ÁGINAS: 332 360 10.5752/P.1983-2478.2019v14n26pPÁGINAS: 332-360 VIOLÊNCIA, HUMOR E RELIGIÃO http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/article/view/19532 <p align="justify"><span style="font-family: Georgia, serif;">Notícias de violência em resposta a piadas com religião, e violência relacionada à religião de uma maneira geral, têm sido frequentes na grande mídia, o que nos leva a buscar soluções e possibilidades para um convívio pacífico entre cidadãos religiosos e seculares. Esse convívio se dará, inevitavelmente, pelo diálogo entre a razão e a religião. Esse artigo visa estabelecer reflexões sobre essas possibilidades, pela perspectiva dos filósofos Jürguen Habermas, Giovanni Vattimo e Roger Scruton, do teólogo Joseph Ratzinger, e do antropólogo René Girard. A reflexão desse artigo focará na importância do estado secularizado e sua função de conter os extremismos, bem como no reconhecimento de que foi o Cristianismo que em grande parte possibilitou o advento do estado secularizado, com liberdade de culto religioso (incluindo o ateísmo). Soluções são propostas ao longo do artigo.</span></p> Lauro Eustáquio Guirlanda de Moura Copyright (c) 2019 INTERAÇÕES 2019-12-25 2019-12-25 14 26 361 375 10.5752/P.1983-2478.2019v14n26p361-375 ENTRE INCULTURAÇÃO E LIBERTAÇÃO http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/article/view/18510 <p class="Default" style="text-align: justify;"><span style="font-size: 11.0pt; font-family: 'Georgia',serif;">O objetivo deste artigo é compreender a formulação de uma teologia pastoral elaborada a partir da atuação missionária entre os povos indígenas, aqui denominada de <em>missiologia indigenista</em>. Partindo dos ideais de inculturação e libertação, buscou-se percorrer o processo que reflete os intermeios entre teoria e prática na pastoral indigenista católica, especificamente a partir da missiologia de Paulo Suess. Para tanto, traçou-se um caminho metodológico que se inicia com a apresentação do histórico e desenvolvimento de uma pastoral indigenista, representada sobretudo pelo CIMI – Conselho Indigenista Missionário – perpassando pelas discussões que envolvem o uso ideal da inculturação da fé como proposta pastoral, relacionando-o aos ideais de encarnação e de libertação da teologia latino-americana. A análise culmina em uma leitura crítica dos limites e avanços que a missiologia indigenista consegue atingir ao se propor fazer uma leitura sócio-política da realidade dos povos indígenas e da atuação da igreja com esses povos no Brasil.</span></p> Maria Cecília Simões Copyright (c) 2019 INTERAÇÕES 2019-12-30 2019-12-30 14 26 376 394 O LEITOR-EXERCITANTE http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/article/view/19268 <p>O presente artigo propõe demonstrar que existe uma correlação entre a imaginação ricoeuriana, presente na filosofia hermenêutica de Paul Ricoeur e a mistagogia dos <em>Exercícios Espirituais</em> de Santo Inácio de Loyola (EE) que se dá mediante um método próprio de leitura e contemplação dos textos bíblicos. Desta forma, o <em>leitor </em>(no sentido ricoeuriano) e o <em>exercitante</em> (no sentido inaciano) estariam realizando uma atividade interpretativa através da leitura, porém, por óticas díspares, a saber, uma filosófica e a outra espiritual. Se é durante a leitura que se realiza a hermenêutica, é, igualmente na linguagem narrativa em que se faz uma leitura de si. E se interpretação é hermenêutica, é justamente aqui que empregamos a imaginação ricoeuriana numa aproximação dialógica com a contemplação inaciana.</p> Pedro Barbosa Lima Junior Ceci Maria Costa Baptista Mariani Copyright (c) 2019 INTERAÇÕES 2019-12-19 2019-12-19 14 26 395 413 10.5752/P.1983-2478.2019v14n26p414-432 O CONHECIMENTO AMOROSO ADVAITA http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/article/view/18959 <p>A partir da perspectiva hindu, conhecida como <em>advaita</em> ou <em>adualidade</em>, Panikkar faz uma crítica à primazia do pensamento científico em detrimento de uma visão mais holística da realidade que, para ele, estaria relacionada à experiência de uma <em>nova inocência</em>. Tal experiência exige uma visão do terceiro olho, que integra a razão e os sentidos, que também pode ser chamada de experiência mística ou <em>intuição</em> <em>advaita</em>. Na visão panikkariana, a mística é uma relação <em>adualista</em> entre a ação e a contemplação, o conhecimento e o amor. Através de pesquisa bibliográfica em uma perspectiva metodológica crítico-analítica, mostraremos de que forma ele constrói sua crítica e aponta o caminho que, ao seu entender, leva a um tipo de <em>conhecimento amoroso</em>, mais integrado ao que chama de <em>experiência da Vida</em>.</p> <p>&nbsp;</p> Rita Macedo Grassi Copyright (c) 2019 INTERAÇÕES 2019-12-30 2019-12-30 14 26 414 431 NOMINATA http://periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes/article/view/22185 Flávio Senra Copyright (c) 2019 Flávio Senra 2019-12-26 2019-12-26 14 26 432 433 10.5752/P.1983-2478.2019v14n26p433-434