Transexualidade, violência e ciberespaço: Um estudo etnográfico digital

BRUNO RAFAEL SILVA NOGUEIRA BARBOSA, Laionel Vieira da Silva

Resumo


A sociedade brasileira estabeleceu normas para tentar enquadrar as pessoas em duas distintas categorias de gênero, marginalizando aqueles que não seguem os padrões idealizados. As pessoas transexuais, no entanto, rompem com tais normas, desafiando a lógica de um sistema binário. A pesquisa em questão trata-se de um estudo do tipo etnográfico digital. O objetivo desta pesquisa é analisar os discursos de cunho transfóbico de internautas proferidos na seção de comentários de um site de notícia direcionados a uma jovem mulher transexual vítima de violência doméstica. Esse estudo pode identificar algumas categorias que buscam naturalizar fenômenos sociais a favor de um pensamento excludente e inferiorizante da população trans. A internet mostra-se como um espaço para estudo e análise dos fenômenos da transfobia no contexto brasileiro, dado a sua variedade de participantes de diferentes grupos sociais, que emitem discursos sobre as matérias e notícias que leem na internet, reforçando pensamentos dentro e fora do ambiente digital.


Palavras-chave


Transexualidade; Lei Maria da Penha; Ciberespaço.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, D. M. “A psiquiatrização da transexualidade: análise dos efeitos do diagnóstico de transtorno de identidade de gênero nas práticas de saúde”. Rio de Janeiro, 2007. 129 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

ARAÚJO, L. R. VIEIRA, L. L. F.. A invenção da transexualidade. In: Transexualidade: Dos transtornos às experiências singulares. Recife, 2010. 123 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Católica de Pernambuco.

ÁVILA, T. A. P. Lei Maria da Penha. Uma análise dos novos instrumentos de proteção às mulheres. 2007.

BARBOSA, B. R. S. N. Vida e morte (in) visíveis: Notas sobre o Feminicídio e sua Aplicabilidade para Mulheres Transexuais e Travestis. Alethes, Juiz de Fora, n.9, p. 162-172, 2015.

BARBOSA, B. R. S. N.; SILVA, L. V. “Os cães do inferno se alimentam de blasfêmia”: religião e transfobia no ciberespaço. Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião, v. 18, n. 24, p. 110-133, 2016.

BENTO, B. Nome social para pessoas trans: cidadania precária e gambiarra legal. Revista Semestral do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar, v. 4, n. 1, p. 165 – 182, 2014.

BENTO, B. A. M. O que é transexualidade?. São Paulo: Brasiliense, 2008, 181p.

BUTLER, J. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p.110 - 127

CALIXTO, D. Educomunicação e redes sociais: caminhos para cidadania em meio ao esgotamento do diálogo e à escalada de ódio. In: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Rio de Janeiro, RJ. p.1 -12. 2015

CORRÊA, M. Do feminismo aos estudos de gênero no Brasil: um exemplo pessoal. Cadernos Pagu, n. 16, p. 13-30, 2001.

DIAS, M. B. Violência doméstica e as uniões homoafetivas. Jus Navigandi, v. 29, s. p., 2008.

GRUPO GAY DA BAHIA. Relatório 2016: assassinatos de LGBT no Brasil, Salvador, 2016. Disponível em: < https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/01/relatc3b3rio-2016-ps.pdf >: Acesso em: 30 set. 2017.

JESUS, J. G.; ALVES, Hailey. Feminismo transgênero e movimentos de mulheres transexuais. Revista Cronos, v. 11, n. 2, s. p., 2012.

JESUS, J. G. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. Brasília. 2012. 23p.

JESÚS, B. M. A (des) naturalização do gênero e da sexualidade: algumas reflexões sobre o acesso das/dos transexuais à cidadania no Brasil. II Seminário de Pesquisa da Faculdade de Ciências Sociais. UFG, p.1-10, 2011.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2014. 184p.

MANTOVANI, F. 'Tenho muito medo de ele me matar', diz transexual espancada pelo ex. São Paulo, 01 ago. 2016. Disponível em: < http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/08/tenho-muito-medo-de-ele-me-matar-diz-transexual-espancada-pelo-ex.html>. Acesso em: 20 ago. 2016.

MATÃO, M. E. L. et al. Representações sociais da transexualidade: perspectiva dos acadêmicos de Enfermagem e Medicina. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 34, n. 1, p. 101 - 118, 2011.

MATOS, M. I. S. Estudos de gênero: percursos e possibilidades na historiografia contemporânea. Cadernos Pagu, n. 11, p. 67-75, 2013.

NARVAZ, M. G.; KOLLER, S. H. Metodologias feministas e estudos de gênero: articulando pesquisa, clínica e política. Psicologia em Estudo, v. 11, n. 3, p. 647-654, 2006.

PETRY, A. R.; MEYER, D. E. Transexualidade e heteronormatividade: algumas questões para a pesquisa. Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 10, n. 1, p. 193-198, 2011.

RICH, A. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas: estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 4, n. 5, p. 17-44, 2010.

SCAVONE, L. Estudos de gênero: uma sociologia feminista. Revista Estudos Feministas, v. 16, n. 1, p. 173-186, 2008.

STYCER, Clarissa. Niousha Roshani, antropóloga: 'O discurso de ódio on-line pode matar'. O globo, 09 jun. 2016. Disponível em: < http://oglobo.globo.com/sociedade/conte-algo-que-nao-sei/niousha-roshani-antropologa-discurso-de-odio-on-line-pode-matar-19252102 >. Acesso em: 23 set. 2016.

TRANSGENDER EUROPE’S TRANS MURDER MONITORING. 08 mai. 2015. Disponível em: < http://tgeu.org/tmm-idahot-update-2015/ > Acesso em: 28 set. 2016.

TREVISAN, Isabel Pires. Femicídios no Rio Grande do Sul e a lei Maria da Penha. Porto Alegre, 2011 Monografia (Especialização em Educação, Sexualidade e Relações de Gênero) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Esta obra está licenciada sob uma Creative Commons Attribution 4.0 International license.

 

Redes Sociais:

Filiada:

 

Indexadores:

 



 

 

Apoio:

 

 

Logotipo do IBICT