INOVAÇÃO NA SOLUÇÃO DE CONFLITOS: A ADVOCACIA COLABORATIVA

Franco Giovanni Mattedi Maziero

Resumo


O objetivo do presente trabalho é avaliar a aplicabilidade da Advocacia Colaborativa no Brasil, comparando-a, mesmo que de forma sucinta, com os demais meios de solução de conflitos. Avalia-se referida forma de resolução das divergências em consonância com o novo Código de Processo Civil, e dentro da estrutura da civil law. Também se analisa as características próprias do procedimento colaborativo, bem como os cuidados que os advogados que atuam nesta forma precisam tomar.


Palavras-chave


Advocacia Colaborativa

Texto completo:

PDF

Referências


ABNEY, Sherrie R.. Civil collaborative law – the road less travelled. Indiana: Traffor Publishing, 2011

ÁVILA, Humberto. Teoria dos princípios da definição à aplicação dos princípios jurídicos. São Paulo: Malheiros Editores, 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, 5 de out. 1988. Disponível em . Acesso em: 12 jun 2016.

BRASIL. Decreto nº 1.800, de 30 de janeiro de 1996. Regulamenta a Lei nº 8.934, de 18 de novembro de 1994, que dispõe sobre o Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins e dá outras providências. Diário Oficial da União, 31 jan. 1996. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2015

BRASIL. Lei n. 9.307, de 23 de setembro de 1996. Diário Oficial da União, 24 de set. 1996. Disponível em . Acesso em: 12 jun 2016.

BRASIL. Lei n. 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Diário Oficial da União, 17 mar. 2015. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm>. Acesso em: 22 jun 2016.

CALHAO, Antônio Ernani Pedroso. O princípio da eficiência na administração da justiça / Antônio Ernani Pedroso Calhao. São Paulo: RCS Editora, 2007.

CARNELUTTI, Francesco. Teoria geral do direito / Francesco Carnelutti; (tradução Antônio Carlos Ferreira). – São Paulo: Lejus, 1999.

CARVALHO DIAS, Ronaldo Brêtas de; SOARES, Carlos Henrique; BRETAS, Suzana Oliveira Marques; DIAS, Renato José Barbosa; BRETAS, Yvanne Mól. Estudo sistemático do NCPC (com as alterações introduzidas pela Lei n. 13.256, de 4/2/2016. Belo Horizonte: Editora D’Placido, 2016.

COCHRAN, Robert F. Jr. “Legal ehtics and collaborative practice ethic. Hofstra Law Review: 2009. Vol. 38: Iss. 2, Article 4. Disponível em: . Acesso em 12 jun 2016.

CONSELHO FEDERAL DA OAB Acesso em 10 jun. 2016.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA Acesso em 10 jun. 2016

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Justiça em números 2015: ano-base 2014. Brasília: CNJ, 2015. Acesso em 12 jun. 2016

CONFIANÇA. In: FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. p. 525.

CORREIÇÃO. In: FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. p. 562.

CRETELLA JUNIOR, José. Empresa pública. São Paulo: Bushatsky, Editora da Universidade de São Paulo, 1973.

DIDIER JÚNIOR, Fredie. Curso de direito processual civil: introdução processual civil, parte geral e processo de conhecimento / Fredie Didier Jr. 18. ed. Salvador: Ed. Jus Podivm, 2016.

FIUZA, César. Direito civil: curso completo. 8. ed., rev., atual. e ampl. Belo Horizonte: Del Rey, 2004.

FIÚZA, César, COUTINHO, Sérgio Mendes Botrel . Intervenção do Estado e Autonomia da Vontade. Virtuajus (PUCMG), v. 8, p. 15, 2009.

FORGIONI, Paula Andrea. Análise econômica do Direito (AED): paranoia ou mistificação? Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro, São Paulo, Revista dos Tribunais, ano XLIV, n. 139, p. 242-256, jul.-set. 2005

GARCEZ, José Maria Rossani. Arbitagem nacional e internacional: progressos recentes / José Maria Rossani Garcez – Belo Horizonte: Del Rey, 2007.

GARCIA, Ricardo Lupion. Boa-fé objetiva nos contratos empresariais: contornos dogmáticos dos deveres de conduta / Ricardo Lupion Garcia. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011.

GLOBAL COLLABORATIVE LAW COUNCIL. Protocols of practice for collaborative lawyers. Texas Collaborative Law Concil, Texas, 2014. Acessado em 09 jun. 2016

IBGE Acessado em 09 jun. 2016

MARTINS, Pedro A. Batista. Arbitragem no Direito Societário. São Paulo: Quartier Latin, 2012.

MAXWELL JR, Lawrence R.; SHORT JT. William B. Collaborative Law: it’s here and the sensusdocs are, too. Construction Law Journal. p. 30-37. 2016.

TARTUCE, Flávio. Arbitragem. Algumas interações entre o direito material e o direito processual. Função social do contrato, ética na arbitragem e abuso processual. Revista Brasileira de Direito Processual. Belo Horizonte, Editora Fórum, ano 15, n. 59, p. 103-128, jul.-set. 2007.

POMPEU, Renata Guimarães. Autonomia privada na relação contratual. Belo Horizonte: Editora D’Placido, 2015.

REALE, Miguel. Lições preliminares de direito / Miguel Reale. 27. ed. ajustada ao novo código civil. São Paulo: Saraiva, 2002.

WALD, Arnoldo. Curso de direito civil brasileiro – vol. III direito das coisas. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1995.

WEBB, Stuart G.; OUSKY, Ron D. The collaborative way to divorce – the revolutionayr method that results in less stress, lower costs, and happier kids – without going to court. New York: First Plume Printing, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Esta obra está licenciada sob uma Creative Commons Attribution 4.0 International license.

 

Redes Sociais:

Filiada:

 

Indexadores:

 



 

 

Apoio:

 

 

Logotipo do IBICT