TENDÊNCIA TEMPORAL DA ANEMIA EM CRIANÇAS DE CRECHES PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE - MG

  • Maitê Costa da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais- IFMG
  • Flávio Diniz Capanema UFMG/Fhemig
  • Thaís de Souza Chaves de Oliveira UFMG
  • Daniela da Silva Rocha Professora adjunta da Universidade Federal da Bahia
  • Bruna Vieira de Lima Costa Professora Adjunto da UFMG
  • Simone Cardoso Lisboa Pereira Professor Associado II da UFMG
  • Joel Alves Lamounier Professor Titular da UFSJ
Palavras-chave: Criança, Prevalência, Anemia

Resumo

Determinar a tendência temporal da anemia em crianças de creches públicas de Belo Horizonte-MG no período de 2001 a 2011. Para tanto, foi realizada uma análise de tendência temporal da anemia determinada por série de estudo de corte transversal nos anos de 2001, 2005 e 2011, em crianças pré-escolares de seis a 72 meses pertencentes a creches públicas do Distrito Sanitário Leste de Belo Horizonte-MG. Anemia foi determinada pelo valor da hemoglobina sérica de acordo com os pontos de corte recomendados pela OMS: Hb <11,0g/dL para crianças de seis a 60 meses e Hb <11,5g/dL para idade superior. A tendência temporal da anemia apresentou estabilidade nos três cortes avaliados, sendo os resultados encontrados de 28,61% em 2001, 26,78% em 2005 e 23,64% em 2011. Não houve diferença significativa entre os percentuais de anemia por sexo. Para a faixa etária das crianças observou-se uma maior concentração de anemia na faixa etária de até 24 meses. Observou-se um decréscimo da anemia com o aumento da idade. A tendência temporal da anemia apresentou valores próximos de prevalência da doença nos onze anos avaliados, demonstrando a importância da mesma como um agravo de saúde pública. 

Biografia do Autor

Maitê Costa da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais- IFMG

Professora Adjunto do IFMG

 Doutora em Ciências da Saúde-UFMG

Mestre em Ciência de Alimentos- UFMG

Graduada em Nutrição pela UFVJM

Flávio Diniz Capanema, UFMG/Fhemig

Doutor em Medicina pela UFMG

Mestre em Ciências da Saúde pela UFMG

Graduado em Medicina pela UFMG

Thaís de Souza Chaves de Oliveira, UFMG

Mestre em Ciências da Saúde pela UFMG

Graduada em Nutrição pela UFMG

Daniela da Silva Rocha, Professora adjunta da Universidade Federal da Bahia

Doutorado e mestrado em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina de Viçosa em Minas Gerais. Graduação em Nutrição pela Universidade Federal de Viçosa.

Bruna Vieira de Lima Costa, Professora Adjunto da UFMG

Doutora em Enfermagem pela UFMG

Mestre em Medicina Veterinária pela UFMG

Graduada em Nutrição pela Newton Paiva

Simone Cardoso Lisboa Pereira, Professor Associado II da UFMG

Doutora e Mestre em Microbiologia Agrícola pela UFV

Graduada em Nutrição pela UFV

Joel Alves Lamounier, Professor Titular da UFSJ

Doutor em Saúde Pública e Nutrição pela University of California Los Angeles, UCLA, Estados Unidos. 

Mestre em Bioquímica e Imunologia pela UFMG

Graduado em Medicina pela UFMG

Referências

LOPEZ, Alan D. et al. Global and regional burden of disease and risk factors: systematic analysis of population health data. The Lancet, v, 367, mai., 2006.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC n.344, de 13 de dezembro de 2002. Aprova o regulamento técnico para a fortificação das farinhas de trigo e das farinhas de milho com ferro e ácido fólico. http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2002/344_02rdc.htm (acessado em 05/Mai/2011).

CUERVO, Maria Rita M. et al. igilância do estado nutricional das crianças de um distrito de saúde no Sul do Brasil. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v, 81, p. 325-331, 2005.

COSTA, Cleber Alves et al. Anemia em pré-escolares atendidos em creches de São Paulo (SP): perspectivas decorrentes da fortificação das farinhas de trigo e de milho. Nutrire, Brasília, v, 34, p. 59-74, abr. 2009.

R Development Core Team. A Language and Environment for Statistical Computing. Viena, Austria: R Foundation for Statistical Computing. http://www.R-project.org/.2012. , 2012

ENSGSTROM, Eline Montenegro. Efetividade da suplementação diária ou semanal com ferro na prevenção da anemia em lactentes. Rev Saúde Pública, v, 42, p. 786-795, 2008.

SILVA ,Edna Helena da et al. Reflexão sobre as estratégias de controle da anemia em gestantes no Brasil. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, v, 17, n.1, p.104-112, 2010.

FILHO, Malaquias Batista; et al. Anemia como problema de saúde pública: uma realidade atual. Ciência & Saúde Coletiva, v,13, n.6, p.1917-1922, 2008.

Garcia, Mariana Tarricone, et al. Alimentação complementar e estado nutricional de crianças menores de dois anos atendidas no Programa Saúde da Família em Acrelândia, Acre, Amazônia Ocidental Brasileira. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v, 27, n.2, p.305-316, fev, 2011.

GISELA S. Brunken, et al. Anemia em crianças menores de 3 anos que freqüentam creches públicas em período integral. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v, 78, n.1, p. 50-56.

JORDÃO, Regina Esteves, et al. Prevalência de anemia ferropriva no Brasil: uma revisão sistemática. Revista Paulista de Pediatria, v, 27, n.1, p. 90-98, 2009.

LAMOUNIER, Joel Alves, et al. Iron Fortification Strategies for the Control of Childhood Anemia in Brazil. Journal of Tropical Pediatrics v, 56, p. 448-451, 2010.

LIMA, Ana Claudia V. M. de S. et al. Fatores determinantes dos níveis de hemoglobina em crianças aos 12 meses de vida na Zona da Mata Meridional de Pernambuco. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v, 4, n.1, p.35-43, jan.-mar. 2004.

MACHADO, Edna H.S., et al. Condição nutricional e prevalência de anemia em crianças matriculadas em creches beneficentes. Revista Paulista de Pediatria, v, 23, n.1, p. 21-26, 2005.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual operacional do Programa Nacional de Suplementação de Ferro. Brasília; 2005 (Série A. Normas e Manuais Técnicos). [citado 2011 maio 29]. Disponível em:http://dtr2004.saude.gov.br/nutricao/documentos/manual_ferro.pdf.

OMS. Worldwide prevalence of anemia 1993-2005. Genebra: WHO, 2008.

POLLIT, Ernesto. Early iron deficiency and later mental retardation. The American Journal of Clinical Nutrition, v, 69, p. 4-5, 1999.

ROCHA, Daniela da Silva et al. Effectiveness of fortification of drinking water with iron and vitamin C in the reduction of anemia and improvement of nutritional status in children cared for in day care centers of the city of Belo Horizonte, Brazil. Food and Nutrition Bulletin (Tokyo. Print), v, 32, p. 340-346, 2011.

SILVA Danielle G. Risk factors for anemia in infants assisted by public health services: the importance of feeding practices and iron supplementation. Jornal of Pediatric, Rio de Janeiro, v, 83, n.2, p. 149-156.

EICKMANN, Sophie H. Efetividade da suplementação semanal com ferro sobre a concentração de hemoglobina, estado nutricional e o desenvolvimento de lactentes em creches do Recife, Pernambuco, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v, 24, n.2, p. 303-311, 2008.

SPINELLI, Mônica Glória Neumann, et al. Fatores de risco para anemia em crianças de 6 a 12 meses no Brasil. Revista Panam Salud Publica, v, 17, n.2, p. 84-91, 2005.

ASSUNÇÃO, Maria Cecília Formoso et al. Efeito da fortificação de farinhas com ferro sobre anemia em pré-escolares, Pelotas, RS, Soc. Food Nutr, v. 34, n.1, p. 59-74, abr, 2009.

SZARFARC, Sophia C. Políticas públicas para o controle da anemia ferropriva. Revista Brasileria de Hematologia, v. 32, p. 2-7, 2010. .

SZARFARC, Sophia C. Políticas públicas para o controle da anemia ferropriva. Revista Brasileria de Hematologia. V, 32, p. 2-7, 2010.

TUMA, Rahilda Brito et al. Impacto da farinha de mandioca fortificada com ferro aminoácido quelato no nível de hemoglobina de pré-escolares. Revista de Nutrição, v.16, p. 29-39, 2003.

UMBELINO, D.C.; ROSSI, Elizeu Antônio. Deficiência de ferro: conseqüências biológicas e propostas de prevenção. Revista Ciência Farmarmacêutica Básica, v. 27, n.2, p.103-112, 2006.

World Health Organization Feeding and Nutrition of Infants and Young Children - Regional Publications, n 87. Copenhagen: World Health Organization, 2003.

Publicado
2019-06-21