COMPARATIVO ENTRE CUSTOS OPERACIONAIS NA POTABILIZAÇÃO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS E SUBTERRÂNEAS EM PEQUENAS CIDADES

Palavras-chave: poços de água, tratamento, água subterrânea, água superficial, custos

Resumo

A água constitui, um elemento de grande necessidade à manutenção da vida, além de ser considerada o composto mais abundante em nosso planeta, ocupando aproximadamente 70% da superfície do mesmo. No entanto, 97% desta água é salgada e, portanto, imprópria ou com grande dificuldade de torna-la própria para o consumo humano. Menos de 3% da água do planeta é doce, das quais 2,5% está em geleiras e os outros 0,5% de água restantes no mundo em águas superficiais ou subterrâneas. Atualmente os mananciais subterrâneos, devido a qualidade da água bruta que geralmente apresenta baixa variabilidade qualitativa, têm se mostrado uma boa alternativa como fonte de água potável, principalmente em comunidades que possuem indisponibilidade ou que precisam incrementar seus sistemas de tratamento, normalmente exclusivamente superficiais, com novas fontes de águas provenientes de mananciais subterrâneos. Sendo assim, este trabalho irá apresentar resultados obtidos a partir de uma análise econômica dos custos com tratamento de água potável para cidades localizadas dentro do território do estado de Minas Gerais e com população menor que 5.000 habitantes. As análises foram realizadas comparando os custos mensais de mão de obra e eletricidade em sistemas de tratamento da água com tipos distintos de mananciais, superficial e subterrâneo.

Biografia do Autor

Marília Carvalho de Melo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ

Possui graduação em Engenharia civil pela Universidade Federal de Minas Gerais (2002), especialização em Gestão com ênfase em negócios pela Fundação Dom Cabral (2009), mestrado em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG (2006) e doutorado em Recursos Hídricos pelo Programa de Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - COPPE/UFRJ (2016). Atualmente é professora e coordenadora do mestrado da Universidade Vale do Rio Verde de Três Corações, professor da Escola de Engenharia Kennedy e diretora geral do Instituto Mineiro de Gestão das Águas. Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos, atuando principalmente nos seguintes temas: recursos hídricos, hidrologia, hidráulica, gestão ambiental e gestão pública. (Texto informado pelo autor)

Referências

LIBÂNIO, M. Fundamentos de qualidades e tratamentos de água. 2 ed. Campinas: Editora Átomo, 2008.

SCURACCHIO, P. A. Qualidade da Água Utilizada para Consumo em Escolas no Município de São Carlos – SP.Dissertação (Mestrado). Araraquara, 2010, 57p.

ANA, AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS – Atlas Brasil – Abastecimento Urbano de água; Disponível em: <http://atlas.ana.gov.br/Atlas/forms/ResultadosEstado.aspx> Acesso em: 20, agosto, 2019.

IBGE, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - Instituto Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2008. BRASIL.

FJP, FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO – Sistema Estadual de Informações Sobre o Saneamento, Saneamento Básico de Minas Gerais, 2014. Minas Gerais.

BRASIL, Ministério da Saúde. PORTARIA DE CONSOLIDAÇÃO Nº 5 ANEXO XX., DE 28 DE SETEMBRO DE 2017. Brasília, 2017.

COPASA, COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS - EDITAL 017/2018. FUMARC - Fundação Mariana Resende Costa 2018. Minas Gerais.

PERRONI, J.C.A, 2004. Otimização De Custos De Bombeamento De Poços Profundos Em Araraquara – Sp, São Paulo.

Publicado
17-09-2020