PEREGRINOS, MISSIONÁRIOS E PROTESTANTISMO: O CASO DE ROBERT REID KALLEY

PRATES LIMA,$space}Sergio Prates Lima (sergio277@gmail.com)
Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
agosto, 2010
 
Possui graduação em História pelo Centro Universitário Moacyr Sreder Bastos (2003) e mestrado em História pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2010). Atualmente é professor docente I História - Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro e professor docente I história - Secretaria Estadual de Educação. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil e protestantismo brasileiro
 

Resumo

Este trabalho analisa as mudanças ocorridas no panorama sócio-político-religioso do Brasil Império, no período entre 1855-1876, a partir das atividades do médico e missionário escocês Robert Reid Kalley (1809-1888), em terras brasileiras. A tônica da pesquisa gera em torno da tentativa do exercício de práticas religiosas protestantes, em língua portuguesa e da resistência formada no âmbito político-religioso contra tal direito, num país Católico Romano.
A pesquisa também enfoca sua permanência e atuação na Ilha da Madeira (1838-1846), que veio a se tornar cenário entre as ideologias católica e protestante, culminando com o êxodo e a perseguição de milhares de pessoas, sendo Kalley o principal alvo.
Em seguida, os sermões em Português e os cuidados médicos que ele realizara na Madeira chegam ao Brasil, em 1855.
A pesquisa revela especificidades da metodologia kalleyana, pois trabalha de forma independente de qualquer organismo missionário ou denominacional, inclusive financeiramente, diferente dos demais missionários aqui chegados, embora utilizando a mesma metodologia e práticas daqueles. O exame do protestantismo de missão autóctone informa e descortina o processo que culminou com a aquisição do registro civil (nascimento, casamento e óbito) pelos acatólicos, cidadãos não praticantes da religião majoritária.
É discutida a reação ao seu discurso protestante, revelam-se detalhes da resistência da Igreja Católica ao exercício da liberdade de culto e as tentativas para desacreditar a prática e a ideologia protestantes.
A pesquisa abarca ainda as discussões trazidas pelo protestantismo de missão na sociedade brasileira, sem esquecer-se de co-relacionar os fatores que vão agindo no seio da Igreja Católica, que enfrentava dificuldades variadas, como as discussões sobre a república, a propaganda abolicionista, a imigração estrangeira, o Padroado e a Questão Religiosa, dentre outros temas, são episódios essenciais para compreender a atuação de Robert Reid Kalley e dos demais missionários que chegaram depois dele.