O CINEMA NOVO: origens e consolidação

  • Ricardo Luiz de Souza

Resumo

Uma análise crítica e histórica do cinema brasileiro entre os anos de 1960 e 1963 explicita uma transformação significativa: o desaparecimento da chanchada e a consolidação do Cinema Novo. Os fatores envolvidos nesse processo mostram os impasses da criação cinematográfica do país nesse período, movendo-se entre as preocupações com a crítica social e as discussões acerca da identidade nacional, dentro de uma perspectiva fortemente marcada pela busca de inovações na linguagem cinematográfica. A década de 1960 representou um momento histórico marcado por tentativas de diversos tipos de ruptura na sociedade brasileira, e a ideologia presente nos filmes da época oscilou entre as preocupações com o desenvolvimentismo, a valorização da cultura popular e a eleição de temáticas centradas nos excluídos do progresso econômico. A consolidação do cinema autoral no Cinema Novo, particularmente a obra de Glauber Rocha, representou um desses momentos de renovação estética.

Publicado
27-11-2020
Seção
DOSSIÊ: ARTE E CIÊNCIA - INFINITAS POSSIBILIDADES DE DIÁLOGO