POSSIBILIDADES DA PSICANÁLISE FRENTE AOS SUJEITOS QUE CHEGAM AOS HOSPITAIS APÓS UMA TENTATIVA DE SUICÍDIO

Lúcia Efigênia Gonçalves Nunes, Luciana Almeida Santos

Resumo


Esse artigo apresenta um estudo sobre o sofrimento psíquico do paciente internado em instituições hospitalares após tentativa de suicídio e levanta as possibilidades da psicanálise nesse momento em que o sujeito almeja a morte. O objetivo é buscar conhecimento acerca desses pacientes que atentam contra a própria vida e analisar o que pode ser feito por eles a nível psíquico nos hospitais, visto que o suicídio é hoje um grande problema de saúde pública. Realizou-se uma pesquisa qualitativa, com revisão bibliográfica em textos e artigos psicanalíticos que abordam o tema, buscando conhecimento nos escritos freudianos e pós-freudianos sobre a dor desses sujeitos suicidas e sobre a importância da escuta analítica oferecida a esses pacientes hospitalizados após uma tentativa de autoextermínio. Correlacionou-se a bibliografia a exemplos de casos atendidos pela autora em um hospital de urgência. Os resultados apontaram que a psicanálise possibilita ao sujeito a ressignificação da tentativa de suicídio, ao propiciar o desenvolvimento de sua potencialidade simbólica, capaz de levá-lo ao reencontro com a pulsão de vida. Mas, há a necessidade de um olhar que abarque o sujeito como um todo, portanto físico, social e psíquico e que se estenda para além do processo de hospitalização. Concluiu-se que a psicanálise ajuda o sujeito a encontrar recursos outros além da morte, o ajudando a superar o luto, ressignificar o vazio e elaborar a autodestruição.

Palavras-chave


Hospital; Suicídio; Psicanálise

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.
SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar