A PERSPECTIVA GESTÁLTICA ACERCA DAS PSICOSES

Guilherme de Freitas Silva

Resumo


Este artigo foi produzido a partir da monografia "Psicose e ajustamento criativo: uma pespectiva gestáltica" elaborada para a conclusão do curso de graduação em Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) e teve por objetivo compreender as psicoses a partir da perspectiva gestáltica. Teve como metodologia a pesquisa bibliográfica e utilizou a literatura clássica da Gestalt-terapia e artigos publicados em periódicos, referentes ao tema. Foi feito um breve histórico da abordagem gestáltica, passando pelos seus fundamentos teóricos e clínicos, visando descrever o ajustamento psicótico. Concluiu-se que a psicose é considerada um ajustamento criador, uma vez que nesse modo de ajustamento, devido à perda das funções do id, o self tem um intenso trabalho de criação a partir do que é dado na fronteira de contato. Cabe ao terapeuta possibilitar o direito do individuo se ajustar criativamente de acordo com sua singularidade, baseando sua conduta terapêutica no fundamento gestáltico de aqui-e-agora, promovendo o aumento de awareness.

Palavras-chave


Gestalt-terapia; Psicose; Ajustamento criativo; Teoria do self

Texto completo:

PDF

Referências


BUARQUE, Sérgio. Psicose. In: D’ACRI, Gladys; LIMA, Patrícia (Ticha); ORGLER, Sheila (org.). Dicionário de Gestalt-terapia: "Gestaltês". 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Summus, 2012. p. 191-194.

CARVALHO, Lilian Cherulli de. A intervenção precoce nos ajustamentos do tipo psicótico e a clínica gestáltica: ensaios preliminares. 2008. 150 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura, Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

GINGER, Serge; GINGER, Anne. Gestalt: uma terapia do contato. São Paulo: Summus, 1995.

JULIANO, Jean Clark. Gestalt-terapia: revisitando as nossas histórias. Revista IGT na Rede, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 2004. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2016.

LÜCK, Helmut E. Primórdios da Psicologia da Forma. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2016.

MÜLLER-GRANZOTTO, Marcos José; MÜLLER-GRANZOTTO, Rosane Lorena. Clínica dos ajustamentos psicóticos: uma proposta a partir da gestalt-terapia. Revista IGT na Rede, v.5, n.8, p.3-25, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2016.

PERLS, Frederick S. Ego, fome e agressão: uma revisao da teoria e do método de Freud. São Paulo: Summus, 2002.

PERLS, Frederick S. Gestalt-Terapia Explicada. São Paulo: Summus, 1977.

PERLS, Fritz. A abordagem gestáltica e a testemunha ocular da terapia. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

PERLS, Frederick; HEFFERLINE, Ralph; GOODMAN, Paul. Gestalt-terapia. São Paulo: Summus, 1997.

POLSTER, Erving; POLSTER, Miriam. Gestalt-terapia integrada. São Paulo: Summus, 2001.

RIBEIRO, Jorge Ponciano. Gestalt-terapia de curta duração. São Paulo: Summus, 1999.

RIBEIRO, Jorge Ponciano. Gestalt-terapia: refazendo um Caminho. São Paulo: Summus, 1985.

RIBEIRO, Jorge Ponciano. O ciclo do contato: temas básicos na abordagem gestáltica. 2. ed., rev. e ampl. São Paulo: Summus, 1997.

SCHULTZ, Duane P.; SCHULTZ, Sydney Ellen. História da psicologia moderna. São Paulo: Thomson, 2005.

SPANGERBERG, Alejandro. Terapia gestáltica e a inversão da queda. São Paulo: Ed. Paulinas, 1996.

TENÓRIO, Carlene Maria Dias. Os transtornos da personalidade histriônica e obsessiva-compulsiva na perspectiva da Gestalt-Terapia e da teoria de Fairbairn. 2003. 306 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica, Universidade de Brasília, Brasília, 2003.

VIEIRA, Ludmila. Reflexões acerca da esquizofrenia na abordagem gestáltica. Revista IGT na Rede, Rio de Janeiro, v. 7, nº 12, p. 65-80, 2010. Disponível em . Acesso em: 29 mar. 2016.

WIKIPÉDIA. Gestalt. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.

YONTEF, Gary M. Processo, diálogo e awareness: ensaios em Gestalt-terapia. São Paulo: Summus, 1998.

ZINKER, Joseph. Processo criativo em Gestalt-terapia. São Paulo: Summus, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Compartilhar no Facebook



Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.