IMPLICAÇÕES DO DIAGNÓSTICO DE AUTISMO PARA A VIVÊNCIA DA MATERNIDADE

Izabela Carvalho Ferreira, Janaína de Jesus Costa, Daniela Paula do Couto

Resumo


O presente artigo se constituiu como uma investigação teórica acerca da mãe da criança autista, a partir da perspectiva da psicanálise. Objetivou-se compreender quais as implicações do diagnóstico de autismo para a vivência da maternidade. Para isso, realizou-se um breve percurso acerca da forma como a Psicanálise compreende o autismo. Analisou-se então a relação da mãe e sua criança autista e alguns aspectos que de alguma forma interferem na mesma, e ainda, para melhor embasamento teórico, foram utilizadas falas de mães que passam por essa situação. As considerações finais apontam para uma difícil discussão no que diz respeito a como cada mãe vai reagir frente ao diagnóstico de autismo do seu filho, até então desejado e idealizado por ela como um filho saudável. Percebeu-se também que as formas de enfrentamento desse transtorno, ou seja, a aceitação ou a rejeição do mesmo poderão implicar na vivência da maternidade frente ao diagnóstico de autismo do filho. Ressalta-se ainda que a mãe, o pai e a família como um todo, terão que lidar também com uma sociedade que ainda não acolhe bem esse transtorno.

Palavras-chave


Autismo; Relação mãe-bebê; Psicanálise

Texto completo:

PDF

Referências


BARROSO, Suzana Faleiro. A língua e invenção na esquizofrenia e no autismo. In: BARROSO, Suzana Faleiro. As psicoses na infância: o corpo sem a ajuda de um discurso estabelecido. Belo Horizonte: Scriptum Livos, 2014. Cap. 3, p. 245-341.

BORSA, Juliane Callegaro. Considerações acerca da relação mãe-bebê da Gestação ao Puerpério. Revista Contemporânea. Porto Alegre, v. 89, n. 02, p. 310-321, abr./maio/jun. 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2016.

CALAZANS, Roberto; MARTINS, Clara Rodrigues. Transtorno, sintoma e direção do tratamento para o autismo. Estilos da Clínica. São Paulo, v. 12, n. 22, p. 1-9, jun. 2007. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2016.

CAMPANARIO, Isabela Santoro; PINTO, Jeferson Machado. O atendimento psicanalítico do bebê com risco de autismo e de outras graves psicopatologias. Uma clínica da antecipação do sujeito. Estilos da Clínica. São Paulo, v. 11, n. 21, p. 150-169, dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2016.

DSM-5. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artmed, 2014.

FERRARI, Pierre. Autismo infantil: o que é e como tratar. 4. ed. São Paulo: Paulinas, 2012.

FERREIRA, Severina Sílvia. Autismo e declaração de guerra à psicanálise. IPB Convergência. Recife, maio 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2016.

JERUSALINSKY, Alfredo. A relação dos autistas com suas mães. In: JERUSALINSKY, Alfredo (Org). Dossiê autismo. São Paulo: Instituto Langage, 2015, p. 31-37.

KUPFER, Maria Cristina. O impacto do autismo no mundo contemporâneo. In: KAMERS, Michele; MARIOTTO, Rosa Maria M.; VOLTOLINI, Rinaldo. Por uma (nova) psicopatologia da infância e da adolescência. São Paulo: Escuta, 2015, p. 169-184.

LACAN, Jacques. O estádio do espelho como formador da função do eu tal como nos é revelada na experiência psicanalítica (1949). In: LACAN, Jacques. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. p. 96-103.

LACAN, Jacques. Os três tempos do Édipo. In: LACAN, Jacques. Seminário, livro 5: as formações do inconsciente (1957-58). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999. p. 199-210.

PAIXÃO, Roberto Carlos Bastos da; SILVA, Tânia Maria da Conceição Meneses; GUEDES, Josevânia Teixara. Autismo: Uma abordagem inclusiva da linguagem. 9º Encontro internacional de formação de professores. Recife, v. 1, n. 1, p. 1-12, out. 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2016.

RODRIGUES, Leiner Resende; FONSECA, Mariana de Oliveira; SILVA, Fernanda Ferreira. Convivendo com a criança autista: sentimentos da família. Revista Mineira de Enfermagem. Uberaba, v. 12, n. 3, p. 321-327, jul./set. 2008. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2016.

SCHMIDT, Carlo; BOSA, Cleonice. A investigação do impacto do autismo na família: Revisão crítica da literatura e proposta de um novo modelo. Interação em psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 7, n. 2, p. 111-120, dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2016.

SILVA, Aderval Waltemerg. De “infans” a sujeito: a constituição subjetiva e as estruturas clínicas. In: GUERRA, Andréa Máris Campos. A clínica de crianças com transtorno no desenvolvimento – uma contribuição no campo da Psicanálise e da Saúde Mental. Belo Horizonte: Autêntica, FUMEC, 2003, p. 19-29.

SILVA, Eliane Batista Alves da; RIBEIRO, Maysa Ferreira M. Aprendendo a ser mãe de uma criança autista. Revista Estudos. Goiânia, v. 39, n. 4, p. 579-589, dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2016.

SMEHA, Luciane Najar; CEZAR, Pâmela Kurtz. A vivência da maternidade de mães de crianças com autismo. Psicologia em Estudo. Maringá, v. 16, n. 1, p. 43-50, mar. 2011. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722011000100006 >. Acesso em: 27 fev. 2016.

SURIAN, Luca. As primeiras descobertas e o diagnóstico. In: SURIAN, Luca. Autismo: informações essenciais para familiares, educadores e profissionais de saúde. São Paulo: Paulinas, 2010, Cap. 1, p. 9-29.

TELLES, Cynara Maria Andrada. A escuta discursiva de mães de crianças autistas: o primeiro olhar sobre o filho. Cadernos de psicanálise. Rio de Janeiro, v. 34, n. 26, p. 67-83, jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 06 mar. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Compartilhar no Facebook



Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.