ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE REDUÇÃO DE DANOS

Thaís Bessa Miranda, Marcia Rodrigues Vasconcelos, Thatiury Sales Araujo, Natasha Cristina da Costa Carvalho, Humberto de Aquino Costa, Samuel Gonçalves do Espírito Santo, Patrícia Pinto de Paula

Resumo


Este artigo é o resultado de uma atividade investigativa desenvolvida na disciplina Psicologia e Saúde Coletiva sob a orientação da professora Patrícia Pinto de Paula, ocorrida no primeiro semestre de 2017. O estudo foi sobre o uso abusivo de álcool e outras drogas no Brasil, com enfoque na vertente das políticas públicas de redução de danos. O objetivo é fazer um diálogo entre o que a literatura e legislação trazem especificamente sobre o tema e a prática de observação realizada nos órgãos competentes, um CERSAM AD e uma Unidade Básica de Saúde, em Belo Horizonte. Como metodologia utilizamos a pesquisa qualitativa, através da realização de entrevistas semi-estruturadas com profissionais atuantes nas unidades citadas. Trata-se de um tema denso e complexo considerado por vários autores como sendo um problema de saúde pública mundial. Os resultados que se destacam são que embora a política de redução de danos aproxima-se do conceito de promoção a saúde ainda necessita de reformulações e fortalecimento  da rede. 


Palavras-chave


Álcool e Outras drogas; Políticas Públicas de Saúde; Redução de danos

Texto completo:

PDF

Referências


ANGERAMI, V. A. Desespero e Flagelo Humano: parêmias da Cracolândia. Belo Horizonte: Ed. Artesã, cap. 1, p. 19-32, 2017.

BARRA, S. A. R, OLIVEIRA, L. M. L. A intersetorialidade na Estratégia Saúde da Família em Juiz de Fora/MG. HU Revista, Juiz de Fora, v. 42, n. 2, p. 89-95, jul/ago 2016.

BELO HORIZONTE. 2007. Atenção Básica. Disponível em http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/contents.do?evento=conteudo&chPlc=25070 acesso em 07/09/2017.

BRASIL. Lei No. 8080/90, de 19 de setembro de 1990. Brasília: DF. 1990. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8080.htm. Acesso em: 20/05/2017

BRASIL. Decreto nº 6.117, de 22 de maio de 2007. Brasília: DF. 2007. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6117.htm. Acesso em: 20/05/2017.

BRASIL. Decreto nº 14.944, de 29 de junho de 2012. Belo Horizonte: MG. 2012. Disponível em http://portal6.pbh.gov.br/dom/iniciaEdicao.do?method=DetalheArtigo&pk=1083163. Acesso em: 25/05/2017.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPES. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, novembro de 2005.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de estrutura física das unidades básicas de saúde. Brasília 2008.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. PORTARIA GM/MS n. 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, 2011.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. A política do Ministério da Saúde para a atenção Integral a usuários de álcool e outras drogas. Série B. Textos Básicos de Saúde, 2003.

CARVALHO, Sérgio Resende. As contradições da promoção à saúde em relação à produção de sujeitos e a mudança social. Ciências & Saúde coletiva, 9 (3):669-678, 2004.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Referências Técnicas para a Atuação de psicólogas (os) em Políticas Públicas de Álcool e Outras Drogas. Brasília: CFP, 2013.

DUALIBI, S.; LARANJEIRA, R. Políticas públicas relacionadas às bebidas alcóolicas. Ver. Saúde Pública. 2007:41(5): 839-48

FERRABOLI, C. R; GUIMARÃES, A. N.; KOLHS, M.; GALLI, K. S. B.; GUIMARÃES, A. N.; SCHNEIDER, J. F. Alcoolismo e Dinâmica Familiar: Sentimentos Manifestos. Cienc Cuid saúde. 2015. Out/Dez; 14(4): 1555-1563.

FIORI, M. O lugar do Estado na questão das drogas: o paradigma proibicionista e as alternativas. Novos Estudos 92. Março/2012.

GIOVANELLA, L; MENDONÇA, M.H.M. A atenção Primária à Saúde. Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Cap. 16, p. 575-625. Nov/2009.

IG. Drogas: tipos, princípio ativo e efeitos – disponível em: http://saude.ig.com.br/drogas/>. Acesso em: 14 de maio de 2017.

MANGUEIRA, S.O, GUIMARÃES, J.G, MANGUEIRA, J. O, FERNANDES, A. F. C, LOPES, M.V.O. Promoção da saúde e políticas públicas do álcool no Brasil: Revisão integrada da literatura. Psicologia & sociedade. 2015; 27(1). 157-168

QUEIROZ, Isabela Saraiva de et al. Articulações entre teoria e prática na construção do Projeto Terapêutico Singular: um relato de experiência no CERSAM-AD. BeloHorizonte, 2012. Disponível em: http://www.saogabriel.pucminas.br/psicologia/wp-content/uploads/2012/11/Artigo-CERSAM-AD-FINAL.pdf. Acesso em 15/05/2017.

SENAD- Secretaria Nacional de políticas sobre drogas. Prevenção do uso de drogas por instituições religiosas e movimentos afins- Fé na prevenção. 3ª ed. Brasília. 2014

SENAD- Secretaria Nacional de políticas sobre drogas. Prevenção do uso de drogas: capacitação para conselheiros e lideranças comunitárias/ Ministério da Justiça- 5ª ed. Brasília. 2013.

TAMELINE, M. G, MONDONI, S. M. Dependência de substâncias psicoativas. MedicinaNet, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Compartilhar no Facebook



Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.