A PSICOLOGIA DO ESPORTE E OS IMPACTOS DO RACISMO NA SUBJETIVIDADE DO JOGADOR DE FUTEBOL NEGRO

  • Fabio Henrique Alves Da Silva PUC MINAS BETIM
  • Paula Ângela de Figueiredo e Paula
Palavras-chave: Psicologia do Esporte, Racismo, Clínica ampliada às práticas do esporte, Futebol, Psicologia Social

Resumo

A história do negro no Brasil e no mundo é marcada por episódios de lutas por reconhecimento, respeito e igualdade de direitos. As consequências dos 300 anos de escravidão no Brasil (1550-1888), atingiu diversas esferas do contexto social, fazendo com que o negro tenha até hoje dificuldades na ascensão social e econômica. Como temos visto ao longo dos anos sucessivos casos de racismo no esporte em todo o mundo, colocamos em xeque a ideia de que há uma democracia racial nesse campo, quando se alega que os atletas se projetam por causa de seus méritos e pelo próprio esforço. Como o futebol é o esporte que mais converge o sentimento de nacionalismo em nosso país, a presente pesquisa realizou uma revisão bibliográfica para investigar como o racismo estrutural afeta a subjetividade dos negros que trabalham com o futebol. Descobrimos que os negros encontram espaços como atletas, por causa de suas qualidades físicas, técnicas e táticas, mas que como árbitros, treinadores e gestores sua participação é mínima. A pesquisa revelou também que a própria Psicologia enquanto ciência e profissão demorou muito a se pronunciar sobre o racismo pois foi só em 2017 que o Centro de Referencias em Psicologia e Políticas Públicas (CREPOP) lançou uma cartilha sobre as relações étnico-raciais. Também as comissões de Psicologia do Esporte (PE) empreendidas pelos Conselhos Regionais de Psicologia, só conseguiram lançar uma “Revista Diálogos” em PE em 2018 e em 2019 uma cartilha sobre “Referências técnicas para atuação de psicólogas (os) em políticas públicas de esporte”. Entretanto nenhuma dessas publicações discutem a questão do racismo em especial. Além disso, observamos de acordo com Myotin (2018) que a maioria do conhecimento produzido em PE não advém das faculdades de psicologia e sim das escolas de educação física, que obviamente se dedicam aos estudos sobre a melhoria da performance dos atletas. Apresentamos políticas afirmativas que visam democratizar a participação de pessoas pretas no comando do Esporte e pensamos uma PE orientada eticamente para ser antirracista.

Biografia do Autor

Fabio Henrique Alves Da Silva, PUC MINAS BETIM
Psicologo em formação na Pontificia Universidade Catolica de Minas Gerais

Referências

ALBUQUERQUE, W. & FILHO, W. (2006). Uma História do Brasil. Brasília. Fundação Cultura dos Palmares.2006.

CFP. Relações Raciais: Referências Técnicas para atuação de psicólogas/os. Brasília, 2017.

LUCCAS, A.. FUTEBOL E TORCIDAS: UM ESTUDO PSICANALÍTICO SOBRE O VÍNCULO SOCIAL.1998. 214 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

MÄDER, B. PSICOLOGIA E RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS: DIÁLOGOS SOBRE O SOFRIMENTO PSÍQUICO CAUSADO PELO RACISMO. Curitiba: Crp. 2016.76 p.

MAXIMO, J. Memórias do futebol brasileiro. Estud. av., São Paulo , v. 13, n. 37, 1999.p. 179-188,Available from .accesson 06 Apr. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141999000300009.

MELO.D. J.L.A produção social da identidade étnico-racial e o “lugar” do Negro no Brasil: Entre construções e desconstruções. Pós-Graduação em Ciências Sociais, da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) 2015. Apresentação de trabalho/comunicação.
MYOTIN, Emmi. Psicologia do Esporte: produção científica em Pós-graduação em Educação Física e Psicologia de Minas Gerais (1980-2012), 2018, 133p. Dissertação de mestrado, orientada pelo Professor Doutor Sergio Dias Cirino da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais.

OLIVEIRA, F. Ser negro no Brasil: alcances e limites. Estud. av., São Paulo , v. 18, n. 50, p. 57-60, Apr. 2004 . Available from . access on 18 Aug. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142004000100006.

OLIVEIRA, R. & NASCIMENTO, M.. PSICOLOGIA E RELAÇÕES RACIAIS: SOBRE APAGAMENTOS E VISIBILIDADES. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 10, n. 24, Feveireiro,2018, p. 216-240. ISSN 2177-2770. Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2018.

PINTO, M. & FERREIRA, R. Relações Raciais No Brasil E A Construção Da Identidade Da Pessoa Negra. Pesquisas e Práticas Psicossociais, São João Del-¬‐rei, v. 2, n. 9, Junho, 2014. p.257-266.

PIRES, B. No futebol, a face mais explícita do racismo que “faz parte do jogo”. Novembro, 2017. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2018.

SILVA, T. A produção social da identidade e da diferença. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2000 p. 73-102. Disponível em Acesso em 15 de agosto de 2018.

SKOLAUDE, Mateus Silva. Raça e racismo na história do futebol brasileiro. In: SILVA, Mozart Linhares da. 21 textos para discutir preconceito em sala de aula. Santa Cruz do Sul: Editora Gazeta, 2015. p. 112-117.

SOUZA, Jessé de. A elite do atraso: da escravidão à Lava-Jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

UOL Esporte. Matar negro é adubar a terra: Comentarista de arbitragem da Globo denuncia agressões racistas que ouviu no campo e na cabine. Uol Esportes. Abril,2019. Porto Alegre. Disponível em: . Acesso em: 04 ago. 2019.
Publicado
12-03-2021
Como Citar
DA SILVA, F. H. A.; E PAULA, P. ÂNGELA DE F. A PSICOLOGIA DO ESPORTE E OS IMPACTOS DO RACISMO NA SUBJETIVIDADE DO JOGADOR DE FUTEBOL NEGRO. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 10, p. 116-135, 12 mar. 2021.
Seção
Artigos de temática livre