ADOLESCÊNCIA E AFETOS: A IMPORTÂNCIA DE ESPAÇOS DE ESCUTA PARA O FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS

  • Carolina Lobato Magalhães Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Rafaela Zeferino
Palavras-chave: Oficinas em dinâmica de grupo, Vínculo grupal, Adolescência, Escola

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar uma experiência de estágio obrigatório realizado por duas estudantes do 6º período de Psicologia com adolescentes entre 12 e 13 anos de uma escola municipal de Belo Horizonte. O trabalho, realizado a partir da metodologia de oficinas em dinâmica de grupo, se desenvolveu em 8 encontros, que aconteceram semanalmente durante o segundo semestre de 2019 e tiveram a participação de 12 integrantes, alunos do 7º ano do Ensino Fundamental II da respectiva instituição de ensino. Durante os encontros foram discutidos temas de interesse do grupo, e com o desenvolvimento das oficinas observou-se que a relação entre os seus integrantes se fortaleceu, tornando-se o foco de trabalho da dupla também no que concerne às relações de gênero e raça, que apresentaram-se como dois importantes atravessadores do convívio escolar e do diálogo entre os adolescentes. A experiência evidenciou a importância da discussão sobre esses temas na escola e do estabelecimento de  um espaço de escuta, tão cara à Psicologia, no ambiente escolar.

Biografia do Autor

Carolina Lobato Magalhães, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Minas Gerais- Belo Horizonte- Bairro Gutierrez

Referências

AFONSO, Maria Lúcia M. (Org.). Oficinas em dinâmicas de grupos: um método de intervenção psicossocial. Belo Horizonte: Campo Social, 2002. 172p.

BOSSA, Nadia A. Fracasso escolar: um olhar psicopedagógico. Porto Alegre: Artmed, 2008. 176p. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.935, De 11 de dezembro de 2019. Dispõe sobre a prestação de serviços de psicologia e de serviço social nas redes públicas de educação básica. Brasília, DF: Presidência da República [2019]. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2020.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 e legislação correlata, Estatuto da criança e do adolescente. Brasília: Câmara dos deputados, 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2020

EISENSTEIN, Evelyn. Adolescência: definições, conceitos e critérios. Adolescência e saúde, Rio de Janeiro, v.2, n.2, p. 6-7, abr/jun, 2005. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2020

GUSMÃO, Cláudia Márcia Vieira. Processo grupal: reflexões de uma prática com jovens em saúde mental. Revista cogitare, Curitiba, v. 8, n.2, p. 9-17, 2003. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2020
MARTINS, Sueli Terezinha Ferreira. Psicologia Social e Processo Grupal: a coerência entre fazer, pensar e sentir em Sílvia Lane. Psicologia e sociedade, São Paulo, v.19, n.2, p. 76-80, 2007. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2019.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS. Pró-Reitoria de Graduação. Sistema de Bibliotecas. Padrão PUC Minas de normalização: normas da ABNT para apresentação de artigos em periódicos científicos. Belo Horizonte, 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2020.

ROJÃO, Graça et. al (Org.). Coolkit - Jogos para a não-violência e igualdade de género. Covilhã: CooLabora, 2011, 100p. Disponível em: <<http://www.coolabora.pt/publicacoes/coolkit.pdf>> . Acesso em: 03 out. 2019.

COSTA, Jobert Teixeira; SILVA, Felipe Santos Da; SILVEIRA, Cláudia Alexandra Bolela. As Práticas Grupais e a Atuação do Psicólogo: Intervenções em Grupo no Estágio de Processos Grupais. Vínculo, São Paulo, v.15, n.2, p. 57-81, 2018. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2020.
Publicado
12-03-2021
Como Citar
LOBATO MAGALHÃES, C.; FERNANDA DE OLIVEIRA ZEFERINO, R. ADOLESCÊNCIA E AFETOS: A IMPORTÂNCIA DE ESPAÇOS DE ESCUTA PARA O FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 10, p. 155-172, 12 mar. 2021.
Seção
Artigos de temática livre