A DOENÇA MENTAL NO CONTEXTO FAMILIAR: A DIFÍCIL TAREFA DE CONVIVER COM A DIFERENÇA

  • Marcia Andrea Wink UNISC
  • Teresinha Klafke
Palavras-chave: Família, Doença Mental, Produção do Cuidado

Resumo

Com o cuidado em liberdade preconizado com a reforma psiquiatrica, os familiares passaram a assumir a responsabilidade acerca do seu ente adoecido e o papel de cuidadores juntamente com os serviços substitutivos. Nesta pesquisa investigamos a percepção da familia de pacientes portadores de doença mental sobre seu papel de cuidador, refletimos de que forma isso os afeta e procuramos conhecer as formas que a familia encontra para lidar com seu familiar, buscando identificar quem se responsabiliza pelo cuidado na familia. Para tanto, foram realizadas entrevistas semiestruturadas e os dados foram analisados a partir da análise de conteúdo. . Entrevistamos seis familiares cuidadores de pessoas com diagnóstico de doença mental que se tratam em Centros de Atenção Psicossocial - CAPS (mãe, irmãs adultas e cônjuge). Os dados foram organizados em três categorias: A primeira, denominada “(re)organização do cotidiano” aponta como a família se reorganizou após o adoecimento de seu membro e quais mudanças foram feitas na sua dinâmica de convívio diário. A segunda categoria chamada de “mudanças na vida pessoal” discorre sobre a forma como o responsável pelo cuidado é afetado em sua singularidade, enquanto um ser desejante e único. A terceira categoria nomeada “cuidados em relação a si mesmo” procurou identificar quais cuidados o familiar cuidador tem em relação a si mesmo e onde encontra forças para seguir em frente em meio a um contexto de adoecimento e dificuldades. Após esta pesquisa, foi possível concluir que o familiar responsável pelo cuidado é afetado tanto em sua integridade física, bem como em sua singularidade.

PALAVRAS-CHAVE: Família. Doença Mental. Produção do Cuidado.

Referências

AMARANTE, Paulo. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1995.

ANTON, Iara L. Camaratta. Vínculos e saúde mental. Novo Hamburgo: Sinopsys, 2018.

ASSMANN, Carolina. O Hospital Psiquiátrico São Pedro e a Reforma Psiquiátrica no Rio Grande do Sul: 1970 – 2000. 2015. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Santa Cruz do Sul, 2015. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2019.

BARDIN, Laurence. Análise do Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2016.

BORBA, L. de O.; SCHWARTZ, E.; KANTORSKI, L. P. A sobrecarga da família que convive com a realidade do transtorno mental. Acta Paulista de Enfermagem, v. 21, n. 4, 2008. Disponível em: . Acesso em 19 out. 2019.

CAMPOS, Luis Fernando de Lara. Métodos e técnicas de pesquisa em psicologia. 3. ed. Campinas, SP: Alínea, 2004.

DIAS, Míriam Thaís Guterres. História e reflexão sobre as políticas de saúde mental no Brasil e no Rio Grande do Sul. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, 2012. Disponível em:
. Acesso em: 13 fev. 2019.

FAQUINELLO, P; MARCON. S.S. Amigos e vizinhos: uma rede social ativa para adultos e idosos hipertensos. Revista da escola de enfermagem da USP, v. 45 n.6, 2011. Disponível em:. Acesso em: 23 out. 2019

FERREIRA, Gina. Desinstitucionalização e Integralidade: um estudo do processo da Reforma psiquiátrica no Brasil. In: PINHEIRO, Roseni. et al. Desinstitucionalização da saúde mental: contribuições para estudos avaliativos. Rio de Janeiro: CEPESC: IMS/ LAPPIS: ABRASCO, 2007.

MARTINS, P. P.; GUANAES-LORENZI, C. Participação da Família no Tratamento em Saúde Mental como Prática no Cotidiano do Serviço. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v.32, n.4, 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2019.

MELMAN, Jonas. Família e doença mental: repensando a relação entre profissionais da saúde e familiares. 3. ed. São Paulo: Escrituras Editora, 2008.

MERHY, E. E.; FEUERWECKER, L.; GOMES, M. P. C. Da repetição à diferença: construindo sentidos com o outro no mundo do cuidado. In: FRANCO, Tulio Batista (Org.). Semiótica, afecção & cuidado em saúde. São Paulo: Hucitec, 2010. p. 60-75.

MURAKAMI, R; GOMES CAMPOS, C. J. Religião e saúde mental: desafio de integrar a regularidade ao cuidado com o paciente. Revista brasileira de enfermagem, v.65. m.2, 2012. Disponível em:
. Acesso em: 09 out. 2019.

PEGORARO, Renata Fabiana; CALDANA, Regina Helena de Lima. Sobrecarga de familiares de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial. Psicol. estud., Maringá , v. 11, n. 3, p. 569-577, Dec. 2006. Disponível em . Acesso em: 20 out. 2019.

SANTOS, D. V. da S.; ROSA, L. C. dos S. Reforma psiquiátrica, famílias e estratégias de cuidado: uma análise sobre o cárcere privado. Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 16, n. 2, p. 25-36, ago./dez.2016. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2019.

SANTIN, Gisele; KLAFKE, Teresinha Eduardes. A família e o cuidado em saúde mental. Barbarói, Santa Cruz do Sul, n. 34, p. 146-160, jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2019.
YASUI, Silvio. CAPS: estratégia de produção de cuidado e de bons encontros. In: PINHEIRO, Roseni. et al. Desinstitucionalização da saúde mental: contribuições para estudos avaliativos. Rio de Janeiro: CEPESC: IMS/ LAPPIS: ABRASCO, 2007.
Publicado
12-03-2021
Como Citar
WINK, M. A.; KLAFKE, T. A DOENÇA MENTAL NO CONTEXTO FAMILIAR: A DIFÍCIL TAREFA DE CONVIVER COM A DIFERENÇA. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 10, p. 24-43, 12 mar. 2021.
Seção
Artigos de temática livre