DEATH CAFE: UM CONVITE PARA FALAR SOBRE A MORTE EM TEMPOS DE INTERDIÇÃO

  • Marina Marchena Meira PUCMINAS
  • Liza Fensterseifer
Palavras-chave: Morte, Luto, Educação para morte, Death Cafe

Resumo

Atualmente a morte ocupa um lugar de tabu e de interdição no ocidente, o que impede o ser humano de aceitá-la como algo inerente à vida. O presente estudo, de caráter qualitativo, teve como objetivo geral a busca por evidências do papel que a existência de espaços de fala e de compartilhamento de experiências que envolvem a morte tem, na relação do ser humano com ela. Para isso, foi tomado como objeto de pesquisa o Death Cafe, projeto que busca criar um espaço para se falar livremente sobre a morte. Para a coleta dos dados foram feitas entrevistas semiestruturadas com duas responsáveis pelo Death Cafe em Belo Horizonte, e com a pessoa que desenvolve a mesma proposta em uma cidade do interior de Minas Gerais. Também foram realizadas entrevistas com quatro participantes do evento. As entrevistas foram gravadas em material de áudio e transcritas na íntegra para análise. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da PUC Minas, e as participantes assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Os principais resultados encontrados revelaram que a morte ainda é percebida como um tabu, e que a busca por um espaço para tratar e refletir sobre ela foi motivada, principalmente, por experiências das participantes com a morte. Identificou-se que falar sobre a morte modifica a forma de se relacionar com ela, com as perdas e com o luto. Isso evidencia a importância e a potencialidade de espaços com esta intenção, como promotores de saúde mental.

Referências

ALVES, Tânia Maria. Formação de indicadores para a psicopatologia do luto. 2014. 108 f. Tese (Doutorado) - Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Dis-ponível em: . Acessado em 20 jun. 2019.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de trans-tornos mentais. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

ARIÈS, Philippe. História da morte no ocidente: da Idade Média aos nossos dias, Rio de Janei-ro: Nova Fronteira, 2012. (Original publicado em 1974).

BOWLBY, John. Formação e rompimento dos laços afetivos. São Paulo: Martins Fontes, 1997. (Original publicado em 1982).

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466 de 12 de dezem-bro de 2012. Diário Oficial da União, nº 12, Brasília, 13 jun. 2013. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf Acesso em 18 junho 2019.

BOUSSO, Regina Szylit. A complexidade e a simplicidade da experiência do luto. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 24, n. 3, p. VII-VIII, 2011. Disponível em . Acesso em 10 de junho 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002011000300001.

CAMPOS, Claudinei José Gomes. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 57, n. 5, p. 611-612, set/out. 2004.

ELIAS, Nobert. A Solidão dos Moribundos. Zahar. Edição do Kindle, 2001.

FREIRE, Milena. O som do silêncio: a angústia social que encobre o luto. Dissertação (Mestrado em Cultura e representações). Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2005. Disponível em http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/bitstream/123456789/13762/1/MilenaC.pdf. Acesso em 12 de junho 2019.

FREUD, Sigmund. Reflexões para os tempos de guerra e morte. Edição Standard das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. XIV). Rio de Janeiro: Imago, 1974. (Original publicado em 1915).

FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia. Edição Standard das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. XIV). Rio de Janeiro: Imago, 1994. (Obra Original publicada em 1917).

FRIDMAN, Luís Carlos. Pós-modernidade: sociedade da imagem e sociedade do conhecimento. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 353-375, Oct.1999. Dis-ponível em:
. Acesso em: 04 Junho de 2019.
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.
GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2011.

KOVÁCS, Maria Julia. Curso Psicologia da Morte: Educação para a morte em ação. Boletim da Academia Paulista de Psicologia, São Paulo, v. 36, n. 91, p. 400-417, jul. 2016. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2016000200010. Aces-so em: 10 junho 2019.

KOVÁCS, Maria Julia. Educação para a morte. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 25, n. 3, p. 484-497, 2005. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932005000300012. Acesso em: 10 junho 2019.

KOVÁCS, Maria Julia. Educação para a morte: desafio na formação dos profissionais de saú-de e educação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

KOVÁCS, Maria Julia. Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992.

KUBLER-ROSS, Elisabeth. Sobre a Morte e o Morrer. São Paulo: Martins Fontes, 1981.

MACHADO, Renata Moraes. Patologização do luto: a apropriação do sofrimento pela ciência. In: XI Reunión de Antropología del Mercosur, Montevideo, 2015.
Disponível em
http://xiram.com.uy/ponencias/GT86/Renata%20de%20Morais%20Machado_%20Patologiza%C3%A7%C3%A3o%20do%20luto%20a%20apropria%C3%A7%C3%A3o%20do%20sofrimento%20pela%20ci%C3%AAncia.pdf Acesso em: 30 de maio de 2019 .

MACHADO, Renata Moraes; MENEZES, Rachel Aisengart. Gestão Emocional do Luto na Con-temporaneidade. Revista Ciências da Sociedade, v. 2, p. 65-94, 2018. Disponível em http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistacienciasdasociedade/article/view/622/378 Acesso em: 30 de maio de 2019.

MARANHÃO, José Luiz Souza de. O que é morte. Coleção Primeiros Passos. Brasiliense. Edi-ção do Kindle, 2017.

MEIRELES, Cecília. Cânticos. 4. ed. São Paulo: Global, 2015.

MENEZES, Rachel Aisengart. Tecnologia e "Morte Natural": o morrer na contemporaneidade. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 367-385, dez. 2003.
Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010373312003000200008&lng=pt&nrm=iso> Acesso em: 04 junho 2019.

MINAYO, Maria Cecília de Souza . A pesquisa qualitativa. In: MINAYO, Maria Cecília de Sou-za (Org). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001. p.22-23.

NEGRINI, Michele; ORTIZ, Marlon Trindade. O espetáculo da morte: o caso Michael Jackson no Jornal Nacional. Ecos Revista, Caxias do Sul, v. 14, p. 5-20, 2010. Disponível em http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2010/resumos/R5-1391-1.pdf Acesso em: 04 de junho de 2019.

OLIVEIRA-CARDOSO, Érika Arantes; SANTOS, Manoel Antônio dos. Grupo de Educação para a Morte: uma Estratégia Complementar à Formação Acadêmica do Profissional de Saúde. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 37, n. 2, p. 500-514, Jun 2017. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932017000200500&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 17 de junho 2019.

PITTA, Ana Maria Fernandes. Hospital: dor e morte como ofício. São Paulo: Annablu-me/Hucitec, 2003.

SANGALLI, Heryck ; MARTINUZZO, José Antônio. A Morte em Tempos de Rede Social Digi-tal: Facebook e o fim da vida pela ótica dos usuários. Contemporânea (UFBA. ONLINE), v. 15, p. 727-747, 2017. Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/article/view/22518
Acesso em: 04 de junho de 2019.

SANTOS, Janaina Luiza dos; BUENO, Sonia Maria Villela. Educação para a morte a docentes e discentes de enfermagem: revisão documental da literatura científica. Revista da Escola de En-fermagem da USP, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 272-276, Mar. 2011.
Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S008062342011000100038&lng=en&nrm=iso>. Acesso em:15 de Junho 2019.

TRIVIÑOS, Augusto. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

UNDERWOOD, Jon. Death Cafe. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Definition of palliative care. 2002. Disponível em: www.who.int/cancer/palliative/definition/en/>. Acesso em: 30 de abril 2019.
Publicado
07-09-2020
Como Citar
MARCHENA MEIRA, M.; FENSTERSEIFER, L. DEATH CAFE: UM CONVITE PARA FALAR SOBRE A MORTE EM TEMPOS DE INTERDIÇÃO. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 9, p. 275-291, 7 set. 2020.
Seção
Artigos de temática livre