“FILHO NÃO SE ESCOLHE, FILHO SE ACOLHE”: A EXPERIÊNCIA DE PAIS E MÃES NA ADOÇÃO DE CRIANÇAS MAIORES E DE ADOLESCENTES

  • Amanda da Silva Madeira Pires
  • Mara Marçal Sales
Palavras-chave: Adoção de crianças maiores e adolescentes, Adoção, Representações acerca da adoção, Motivações para a adoção

Resumo

Este estudo é fruto de uma pesquisa qualitativa que teve por objetivo geral analisar, sob o ponto de vista psicossocial, as experiências das famílias que, rompendo estereótipos, decidiram pela adoção de crianças maiores e/ou de adolescentes. Historicamente, estes grupos têm sido preteridos pela maioria dos interessados em adotar. Para tal análise elegeu-se como objetivos específicos: a) compreender as motivações dos entrevistados para adotar; b) conhecer os sentimentos experimentados pelos adotantes ao longo do processo de adoção; c) analisar os possíveis desafios enfrentados por esses sujeitos no decorrer do processo da adoção e d) investigar se essas famílias contaram com suporte social durante o processo de adaptação à adoção. Os dados aqui utilizados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas com nove pessoas que adotaram crianças maiores e/ou adolescentes. Esses dados foram submetidos à análise de conteúdo temática. Os resultados apontam que a motivação principal para realizar a adoção é o desejo de tornar-se pai ou mãe. Embora a adoção de crianças maiores e de adolescentes apresente certa particularidade em relação aos demais tipos de adoção, compreende-se que a abertura de ambos, pais e filhos(as), assim como a presença de redes de apoio, contribuíram para o nascimento, ou crescimento, de famílias renovadas.

Referências

AMIM, Isabela Dias; MENANDRO, Paulo Rogério Meira. Preferências por características do futuro filho adotivo manifestadas por pretendentes à adoção. Interação em Psicologia, Curitiba, v. 11, n. 2, p. 241-252, jun./dez. 2007. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/psicologia/article/view/7653. Acesso em: 30 maio. 2019.

ARAÚJO, Ana Isabel dos Santos Félix; FARO, André. Motivações, dificuldades e expectativas acerca da adoção: Perspectivas de futuros pais adotivos. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 23, n. 3, p. 790-810, 2017. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/psicologiaemrevista/article/view/7926. Acesso em: 22 mar. 2020.

BARDIN, Laurence. Definição e relação com as outras ciências. In: BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda, 1977. p. 27-46. Disponível em: https://www.ets.ufpb.br/pdf/2013/2%20Metodos%20quantitat%20e%20qualitat%20-%20IFES/Livros%20de%20Metodologia/10%20-%20Bardin,%20Laurence%20-%20An%C3%A1lise%20de%20Conte%C3%BAdo.pdf. Acesso em: 21 set. 2019.

BICCA, Amanda; GRZYBOWSKI, Luciana Suárez. Adoção tardia: percepções dos adotantes em relação aos períodos iniciais de adaptação. Contextos Clínicos, v. 7, n. 2, p. 155-167, 2014. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/contextosclinicos/article/view/ctc.2014.72.04/4338. Acesso em: 12 mar. 2020.

BRASIL, Lei Federal nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 13 jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069compilado.htm. Acesso em: 20 maio 2019.

BRASIL, Lei nº 3.071, de 1 de janeiro de 1916. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil. Rio de Janeiro, 1 jan. 1916. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L3071.htm. Acesso em: 1 jun. 2019.

BRASIL, Lei nº 12.010, de 3 de agosto de 2009. Dispõe sobre adoção; altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, 8.560, de 29 de dezembro de 1992; revoga dispositivos da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil, e da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 3 ago. 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12010.htm. Acesso em: 2 jun. 2019.

BRASIL. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Diário Oficial da União, Brasília, 24 maio 2016. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Acesso em: 05 out. 2019.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA). Disponível em: https://paineisanalytics.cnj.jus.br/single/?appid=ccd72056-8999-4434-b913-f74b5b5b31a2&sheet=4f1d9435-00b1-4c8c-beb7-8ed9dba4e45a&opt=currsel&select=clearall. Acesso em: 26 abr. 2020.

COSTA, Nina Rosa do Amaral, ROSSETTI-FERREIRA, M.C. (2007). Tornar-se Pai e Mãe em um Processo de Adoção Tardia. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 3, p. 425-434, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v20n3/a10v20n3.pdf. Acesso em: 1 jun. 2019.

DIAS, Cristina Maria de Souza Brito; SILVA, Ronara Veloso Bonifácio da; FONSECA, Célia Maria Souto Maior de Souza. A adoção de crianças maiores na perspectiva dos pais adotivos. Contextos Clínicos, São Leopoldo, v. 1, n. 1, p. 28-35, jun. 2008. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cclin/v1n1/v1n1a04.pdf. Acesso em: 2 jun. 2019.

EBRAHIM, Sumara Gusmão. Adoção tardia: Altruísmo, maturidade e estabilidade emocional. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 14, n. 1, p. 73-80, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v14n1/5208. Acesso em: 2 jun. 2019.

EBRAHIM, Surama Gusmão. Adoção tardia: uma visão comparativa. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 18, n. 2, p. 29-40, ago. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2001000200003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 jun. 2019.

FLICK, Uwe. Pesquisa qualitativa: por que e como fazê-la. FLICK, Uwe. In: Introdução à pesquisa qualitativa. 3.ed. Porto Alegre: Artmed, 2009, p. 20-39. Disponível em: http://www2.fct.unesp.br/docentes/geo/necio_turra/PPGG%20-%20PESQUISA%20QUALI%20PARA%20GEOGRAFIA/flick%20-%20introducao%20a%20pesq%20quali.pdf. Acesso em: 21 set. 2019.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2009. Disponível em: http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf. Acesso em: 21 set. 2019.

GOLDIM, José Roberto. A avaliação do projeto de pesquisa: aspectos científicos, legais, regulatórios e ético. Revista HCPA, Porto Alegre, v. 26, n. 1, p. 83-86. 2006. Disponível em: https://www.ufrgs.br/bioetica/avalpes.pdf. Acesso em: 21 set. 2019.

JORGE, Dilce Rizzo. Histórico e aspectos legais da adoção no Brasil. Revista Brasileira Enfermagem, Brasília, v. 28, n. 2, p. 11-22, jun. 1975. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71671975000200011&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 30 maio 2019.

LEVY, Lídia. Família monoparentais adotivas: a importância de uma rede de apoio. In: FÉRES-CARNEIRO, Terezinha. Família e Casal: efeitos da contemporaneidade. Rio de Janeiro, Editora PUC-Rio, p. 50-57, 2005. Disponível em:
https://docplayer.com.br/3127969-Familia-e-casal-efeitos-da-contemporaneidade.html. Acesso em: 21 mar. 2020.

LEVINZON, Gina Khafif. A curiosidade na adoção: terreno pantanoso ou saúde psíquica? Desidades, v. 7, n. 3, p. 10-20, 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/desi/v7/n7a02.pdf. Acesso em: 6 mar. 2020.

MARCÍLIO, Maria Luiza. A roda dos expostos e a criança abandonada na história do Brasil: 1726-1950. In: História social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2016. p. 51-76. Disponível em: https://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/curso_de_atualizacao/2012/a01_historia_social_da_infancia_no_brasil.pdf. Acesso em: 14 set. 2019.

MARIANO, Fernanda Neída; ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde. Que perfil da família biológica e adotante, e da criança adotada revelam os processos judiciais? Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 11-19, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v21n1/a02v21n1.pdf. Acesso em: 7 mar. 2020.

MAUX, Ana Andréa Barbosa; DUTRA, Elza. A adoção no Brasil: algumas reflexões. Estudos e pesquisas em psicologia, Rio de Janeiro, ano 10, n. 2, p. 356-371. 2010. Disponível em: http://www.revispsi.uerj.br/v10n2/artigos/pdf/v10n2a05.pdf. Acesso em: 2 jun. 2019.

MENEGATI, Ana Flávia; SOMMER, Francielle Pires Duarte. Adoção tardia e a dignidade das crianças e adolescentes na fila de espera pela adoção. Revista Jurídica Direito, Sociedade e Justiça/RJDSJ, v. 5, n. 1, p. 267-270, nov./dez. 2017. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/RJDSJ/article/view/2259. Acesso em: 2 jun. 2019.

PEREIRA, Paulo José; OLIVEIRA, Maria Coleta Ferreira Albino. Adoção de crianças e adolescentes no brasil: sua trajetória e suas realidades. Campinas: Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó” / Unicamp, 2016. Disponível em: https://www.nepo.unicamp.br/publicacoes/textos_nepo/textos_nepo_74.pdf. Acesso em: 14 set. 2019.

PEREZ, Fabíola. Adoção: 3 em cada 4 crianças com mais de 5 seguem na fila de espera. R7, 3 fev. 2019. Disponível em: https://noticias.r7.com/sao-paulo/adocao-3-em-cada-4-criancas-com-mais-de-5-seguem-na-fila-de-espera-03022019

PURETZ, Andressa; LUIZ, Danuta Estrufika Cantóia. Adoção tardia: desafios e perspectivas na sociedade contemporânea. Revista Emancipação, Ponta Grossa, v. 7, n. 2, p. 277-301, 2007. Disponível em: https://www.revistas2.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/109/107. Acesso em: 14 mar. 2020.

REIS, Maria Elizabeth Barreto Tavares dos. Adoção do ponto de vista da criança. Revista Brasileira de Psicoterapia, v. 16, n. 3, p. 86-98, dez. 2014. Disponível em: http://rbp.celg.org.br/detalhe_artigo.asp?id=163. Acesso em: 31 ago. 2019.

SAMPAIO, Débora da Silva; MAGALHAES, Andrea Seixas; FERES-CARNEIRO, Terezinha. Pedras no caminho da adoção tardia: desafios para o vínculo parento-filial na percepção dos pais. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 26, n. 1, p. 311-324, mar. 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2018000100012&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 20 mar. 2020.

SASSON, Melissa Daiane Hans. SUZUKI, Verônica Kemmelmeier. Adoção de crianças maiores: percepção de profissionais do Serviço de Auxílio à Infância. Revista de Psicologia da UNESP, v. 10, n. 1, p. 136-150. 2011. Disponível em: http://seer.assis.unesp.br/index.php/psicologia/article/view/573/529. Acesso em: 28 set. 2019.

SCHETTINI, Suzana Sofia Moeller; AMAZONAS, Maria Cristina Lopes de Almeida; DIAS, Cristina Maria de Souza Brito. Famílias adotivas: identidade e diferença. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 2, p. 285-293, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722006000200007&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 7 mar. 2020.

SILVA, Gisele Cristina Resende Fernandes da. O método científico na psicologia: abordagem qualitativa e quantitativa. Psicologia.pt, nov. 2010. Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0539.pdf. Acesso em: 21 set. 2019.

SILVA, Jaqueline Araújo da. Adoção de crianças maiores: percepções e vivências dos adotados. 2009. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte. Disponível em: http://livros01.livrosgratis.com.br/cp114441.pdf. Acesso em: 28 set. 2019.

VARGAS, Marlizete Maldonado. Alguns passos pelas trilhas da adoção. In: VARGAS, Marlizete Maldonado. Adoção tardia: Da família sonhada à família possível. 1.ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998. p. 17-34. Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=6yOWdUj4RV4C&oi=fnd&pg=PA17&dq=ado%C3%A7%C3%A3o&ots=9KB97BgLmm&sig=JxoIGDUaeZYMeyR7EtXfMMf1vrg#v=onepage&q=eca&f=false. Acesso em: 31 ago. 2019.

WEBER, Lidia Natalia Dobrianskyj. Famílias adotivas e mitos sobre o laço de sangue. Teoria na prática “Caderno Técnico”, n. 15, CRP-8, mai. 1996. Disponível em: http://www.nac.ufpr.br/wp-content/uploads/2016/07/1996_Familias_adotivas_e_mitos_sob_relacoes_de_sangue.pdf. Acesso em: 2 jun. 2019.
Publicado
12-03-2021
Como Citar
PIRES, A. DA S. M.; SALES, M. M. “FILHO NÃO SE ESCOLHE, FILHO SE ACOLHE”: A EXPERIÊNCIA DE PAIS E MÃES NA ADOÇÃO DE CRIANÇAS MAIORES E DE ADOLESCENTES. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 10, p. 312-334, 12 mar. 2021.
Seção
Artigos de temática livre