Do objeto parcial ao significante fálico: uma leitura lacaniana de Melanie Klein

  • Ariana Lucero Pós-doutoranda do Programa de Psicologia Institucional da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).
  • Angela Maria Resende Vorcaro Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: relação de objeto, falo, significante, M. Klein, Lacan

Resumo

O artigo pretende retomar a leitura que Jacques Lacan faz da teoria kleiniana. Partiremos da crítica ao seio como primeiro objeto das relações objetais até chegarmos ao falo intervindo desde o início nas relações da mãe com a criança. Procuraremos mostrar como a tese lacaniana a respeito do significante fálico encontra suporte nas observações de Melanie Klein, que fornecem elementos para pensar no pênis do pai como primeiro substituto do seio materno, atuando, desde o princípio, no interior do corpo materno. A precocidade do complexo de Édipo é, então, abordada em ambos os autores, com o intuito de evidenciar a ação do significante nos primórdios da constituição subjetiva. O que nos leva a interrogar, por fim, se a substituição da relação de objeto pela incidência do significante esgota a questão do objeto na psicanálise.   

Biografia do Autor

Ariana Lucero, Pós-doutoranda do Programa de Psicologia Institucional da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Psicóloga, psicanalista. Mestre e Doutora em Psicologia pela UFMG (área de concentração: Estudos Psicanalíticos). Pós-doutoranda do Programa de Psicologia Institucional da UFES com o projeto: “O uso de objetos na direção de tratamento psicanalítico da criança autista”, apoiado pela FAPES/CAPES.

Angela Maria Resende Vorcaro, Universidade Federal de Minas Gerais
Psicanalista. Doutora em Psicologia Clínica pela PUC-SP. Professora do Departamento de Psicologia da UFMG. Membro da Association Lacanienne Internationale. Autora dos livros Crianças na psicanálise (1999) e A criança na clínica psicanalítica (2004), ambos da Companhia de Freud (SP).
Publicado
26-06-2019
Seção
Artigos / Articles / Artículos