A TRANSFERÊNCIA COMO MEIO DE TRATAMENTO DO OUTRO E RECURSO DE CONTENÇÃO À PASSAGEM AO ATO NA PSICOSE

  • Mynéia Campos Oliveira Santos Psicóloga do Instituto Raul Soares - FHEMIG
  • Guilherme Massara Rocha Professor do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: psicose, transferência, tratamento do Outro, passagem ao ato.

Resumo

Este artigo se propõe a investigar, com base no estudo de um caso clínico, de que modo a manobra da transferência na psicose nos permite apostar em sua eficácia como meio de tratamento do Outro e recurso de contenção à passagem ao ato nessa estrutura. Orientados pela leitura lacaniana, constatamos que, na psicose, o simbólico não opera na negativação do gozo, o que faz com que este retorne sobre o psicótico de forma maciça na figura de um Outro ameaçador. Consequentemente, a passagem ao ato nessa estrutura se configura como uma tentativa de extrair o excesso de gozo no campo do Outro. Diante dessa observação, a manobra da transferência seguiu como orientação o tratamento do Outro para fazer barreira ao transbordamento da pulsão, ou seja, uma modalidade de trabalho que buscou regular o gozo do Outro mediante estratégias criadas pelo que se mostrou possível na particularidade do caso.

Palavras-chave: Psicose. Transferência. Tratamento do Outro. Passagem ao ato.

Biografia do Autor

Mynéia Campos Oliveira Santos, Psicóloga do Instituto Raul Soares - FHEMIG
Mestre em Psicologia pela UFMG
Guilherme Massara Rocha, Professor do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais
Psicanalista. Doutor em Filosofia pela USP. Professor do Departamento de Psicologia da UFMG.
Publicado
20-05-2020
Seção
Artigos / Articles / Artículos