DE INSTITUIÇÃO PSIQUIÁTRICA A CEMITÉRIO: PERSCRUTANDO A FUNDAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DO ABRIGO MUNICIPAL DE ALIENADOS OSCAR SCHNEIDER

  • Mariana Zabot Pasqualotto UFSC
  • Andrea Vieira Zanella UFSC
Palavras-chave: Memória. Cidade. Infâmia.

Resumo

Neste artigo, busca-se relatar a experiência de uma pesquisa que se debruçou
sobre as memórias invisibilizadas de um cemitério da cidade de Joinville,
Estado de Santa Catarina, cuja história de seu território está ligada à
existência, no passado, de duas instituições de confinamento de sujeitos
infames: um Abrigo de Alienados (1923-1942) e um Presídio Político (1942-
1945). A escuta dos personagens que narram suas experiências com esse
local e as estratégias do flâneur como forma de deixar-se levar na busca pelas
memórias por aquilo em que se configuram sentidos foram os fundamentos
do exercício de “ficcionar” sobre esse determinado objeto de estudo, a partir
de uma relação sensível com esse campo, uma “Cidade dos Mortos”, onde
foi possível escutar as vozes que nele ainda pulsam e tensionam a história
desse local e seu aparente estado de silêncio na cidade.

Biografia do Autor

Mariana Zabot Pasqualotto, UFSC

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Telefone: (48) 9817-6748.

Andrea Vieira Zanella, UFSC

Professora titular no Programa de Pós-Graduação em Psicologia na UFSC. Endereço: Universidade Federal de Santa Catarina – Centro de Filosofia e Ciências Humanas – Programa de Pós-Graduação em Psicologia - Campus Universitário – Trindade, Caixa Postal 476, Florianópolis-SC, Brasil. CEP: 88040-900. Telefone: (48) 9981-8670.

Publicado
16-02-2021
Seção
Artigos / Articles / Artículos