A CONSTITUIÇÃO DO CORPO DO AUTISTA: DO DESAMPARO À INVENÇÃO

  • Edivaldo Procópio da Silva PUC Minas
Palavras-chave: Autismo. Corpo. Objeto autístico. Psicanálise lacaniana.

Resumo

Este artigo busca a apreensão dos processos envolvidos na constituição do corpo do autista, para o qual não há o Outro de referência. À luz do testemunho de Daniel Tammet, escritor britânico e autista, será possível elucidar o lugar dos objetos para os autistas e como o interesse da pessoa autista pelo objeto fora do corpo permite a construção de sua borda, atuando como recurso protetor contra perturbações corporais, angústias e isolamento. Assim, o investimento nos objetos externos resulta na redução da incidência no corpo do gozo não interligado, abrindo possibilidade para o campo do Outro. Os objetivos pretendidos são examinar o conceito de corpo na psicanálise com relação ao autismo, investigar a constituição do corpo do autista com base na teoria psicanalítica e, por fim, identificar os efeitos, no corpo, do interesse pelos objetos autísticos.

Biografia do Autor

Edivaldo Procópio da Silva, PUC Minas

Especialista em Clínica Psicanalítica na Atualidade: Contribuições de Freud e Lacan, psicólogo, especialista em Abordagem Psicanalítica do Autismo e Suas Conexões (Instituto de Educação Continuada da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – IEC-PUC Minas).

Publicado
29-09-2020
Seção
Dossiê Autismo e Psicanálise