O AUTISMO PARA A PSICANÁLISE: DA CONCEPÇÃO CLÁSSICA À CONTEMPORÂNEA

  • Suzana Faleiro Barroso PUC Minas
Palavras-chave: Autismo. Psicopatologia. Classificações diagnósticas. Espectro. Estrutura clínica.

Resumo

O artigo aborda a diversidade do campo de saber do autismo em diferentes épocas e discute as bases epistemológicas que norteiam as noções de espectro e de estrutura autística, provenientes do discurso da ciência e da psicanálise de orientação lacaniana, respectivamente. Situa o percurso histórico da noção de autismo desde sua fundação no campo da psicopatologia clássica e sua evolução segundo uma abordagem psicodinâmica, junto aos analistas pós-freudianos. Identifica o autismo nas diferentes versões do DSM, no qual ele é reduzido a um déficit do neurodesenvolvimento. Examina a hipótese do autismo como estrutura clínica e discute alguns aspectos da sua distinção com relação à psicose. Demonstra o compromisso da pesquisa e da aplicação da psicanálise ao autismo, desde os anos cinquenta do século XX, enfatizando seus aspectos teóricos, éticos e clínicos.

Biografia do Autor

Suzana Faleiro Barroso, PUC Minas

Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), membro da Escola Brasileira de Psicanálise e da Associação Mundial de Psicanálise, professora no Curso de Psicologia da Faculdade de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), coordenadora do Curso de Especialização – Abordagem Psicanalítica do Autismo e Conexões (Instituto de Educação Continuada da PUC Minas - IEC-PUC Minas), psicanalista, psicóloga.

Publicado
29-09-2020
Seção
Dossiê Autismo e Psicanálise