A LETRA E A VIDA: DESCOMPASSOS ENTRE COTIDIANO E BUROCRACIA NAS POLÍTICAS PARA A POPULAÇÃO DE RUA

  • Maria Teresa Nobre
  • Irlys Alencar Firmo Barreira
Palavras-chave: população de rua; cotidiano; burocracia; políticas públicas, cidade;

Resumo

O artigo aborda a população de rua como caso emblemático para discutir
a relação entre cotidiano e burocracia, apresentando as tensões entre os
modos de vida e o funcionamento institucional das políticas públicas a ela
destinadas, em duas capitais do Nordeste brasileiro. A partir de narrativas de
pessoas em situação de rua, registros de observação participante/itinerante
e entrevistas com trabalhadores, problematiza a distância entre a letra
(a burocracia) e a vida (o cotidiano), e a relação entre tempos e espaços
regulamentados, evidenciando como, fora dos muros institucionais, a vida
cotidiana é praticada na sua singularidade, porém excluída do direito à
cidade. Nesse contexto, a cidade é pensada como polis, concluindo-se que
os desafios da rua são os desafios da cidade: agregar histórias e dar suporte
às diferenças.

Biografia do Autor

Maria Teresa Nobre

Professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Programa de Pós-graduação em Psicologia.

Irlys Alencar Firmo Barreira

Professora Titular da Universidade Federal do Ceará (UFC), Programa de Pós-graduação em Sociologia.

Publicado
16-02-2021
Seção
Dossiê resistência e criação