MULHERES E MARISCAGEM: INVENÇÕES DE SI NO (IN) MUNDO MANGUE

  • Michele de Freitas Faria de Vasconcelos PUC Minas
  • Yasmin Adriane Mendonça da Rocha
  • Sandra Raquel Santos de Oliveira
  • Vitória Gois da Cunha
  • Mercedes Solá Pérez
  • Elienaide Cardoso das Flores
  • Lucy Mirtha Ketterer Romero
  • Sirley Ferreira dos Santos
  • Ticiane Pereira dos Santos Vieira
Palavras-chave: marisqueiras; cotidiano; território; resistência;

Resumo

O artigo decorre de uma pesquisa articulada ao projeto de extensão
Fortalecimento Sociopolítico das Marisqueiras de Sergipe, parte do
Programa de Educação Ambiental com Comunidades Costeiras. A pesquisa
faz-se processo de habitação coletiva em defesa de territórios de vida
tradicionais e da vida das mulheres marisqueiras, que veem seus territórios
existenciais cotidianamente ameaçados por empreendimentos do grande
capital. Inspiradas na etnografia e na cartografia, miramos nos processos de invenção da vida cotidiana das mulheres no mundo mangue. A perspectiva
é pesquisar com marisqueiras, conhecer seus modos de vida e formas de
resistência, que se tecem num território híbrido entre cidade, campo e
mangue. Acompanhamos a construção do movimento social Mulheres
Marisqueiras de Sergipe e, com ele, de redes de cuidado e ajuda mútua,
invenções de si e de mundos correlatos, ampliando em ato sentidos para a
categoria mulher e para o trabalho artesanal.

Biografia do Autor

Michele de Freitas Faria de Vasconcelos , PUC Minas

Professora no Departamento de Psicologia e no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS), coordenadora acadêmica do Projeto de Fortalecimento Sociopolítico das Marisqueiras de Sergipe, vinculado ao Programa de Educação Ambiental com Comunidades Costeiras (política de mitigação dos impactos da indústria do petróleo).

Yasmin Adriane Mendonça da Rocha

Graduanda em Psicologia pela UFS, foi bolsista do Projeto de Fortalecimento Sociopolítico das Marisqueiras de Sergipe, vinculado ao Programa de Educação Ambiental com Comunidades Costeiras. 

Sandra Raquel Santos de Oliveira

Professora no Departamento de Psicologia da UFS, vinculada ao Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Exclusão, Cidadania e Direitos Humanos (Gepec), coordenadora do Projeto de Implementação do Observatório Popular de Violências, pela vida de mulheres de povos e comunidades tradicionais de Sergipe.

Vitória Gois da Cunha

Graduanda em Psicologia pela UFS, foi bolsista do Projeto de Fortalecimento Sociopolítico das Marisqueiras de Sergipe, vinculado ao Programa de Educação Ambiental com Comunidades Costeiras.

Mercedes Solá Pérez

Pós-doutoranda em Geografia pela UFS, no contexto do Programa de Educação Ambiental com Comunidades Costeiras, doutora em Geografia pela UFPE, mestra e graduada em Geografia pela UFPR.

Elienaide Cardoso das Flores

Graduada em Pedagogia, analista do Projeto de Fortalecimento Sociopolítico das Marisqueiras de Sergipe/PEAC/UFS, marisqueira, militante do Movimento Sem-Terra.

Lucy Mirtha Ketterer Romero

Pós-doutora em Geografia pela UFS, no contexto do PEAC, professora da Universidade de La Frontera, de Temuco, Chile; compõe o Observatório de Regional Equidade em Saúde segundo Gênero e Povo Mapuche da Universidade de La Frontera.

Sirley Ferreira dos Santos

Graduada em gestão de tecnologia da informação/Universidade Tiradentes; graduanda de Geografia pela Universidade Federal de Sergipe; analista do Projeto de Fortalecimento Sociopolítico das Marisqueiras de Sergipe/PEAC/UFS. Membro do Conselho Estadual de Direitos das Mulheres. 

Ticiane Pereira dos Santos Vieira

Mestra e graduada em Serviço Social pela UFS, foi analista do Projeto de Fortalecimento Sociopolítico das Marisqueiras de Sergipe/PEAC/UFS.

Publicado
16-02-2021
Seção
Dossiê resistência e criação