A saúde de homens presos: promoção da saúde, relações de poder e produção de autonomia DOI - 10.5752/P.1678-9523.2014v20n2p212

Andreia Resende dos Reis, Luciana Kind

Resumo


O objetivo da pesquisa aqui relatada foi analisar as produções discursivas a respeito de saúde/doença expressas por homens presos que se encontram no regime fechado de execução da pena privativa de liberdade. O trabalho se desenvolveu em um complexo penitenciário de segurança máxima da região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com treze homens que desempenham atividades laborativas dentro da unidade prisional. O trabalho analítico se amparou na abordagem teórico-metodológica das práticas discursivas, permitindo a construção de três eixos de discussão: 1) os discursos produzidos sobre a saúde; 2) como os homens lidam com as práticas de cuidado no cotidiano; e 3) o que dizem sobre a perspectiva de mudança na oferta de saúde nas prisões. As discussões sinalizam que o modelo hegemônico de constituição do masculino tem trazido consequências negativas para a saúde dos homens entrevistados, com consequências diretas que se desenvolvam práticas de cuidado.


Palavras-chave


Sistema prisional; Masculinidades; Saúde do Homem; Promoção da saúde.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5752/P.1678-9523.2014v20n2p212

Direitos autorais



 

Apoio:   

            


Nossos indexadores, bancos de dados e repositórios:

                                     

                             


                    


       


 

Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

 

Av. Itaú, 525 - Prédio Redentoristas - 1º subsolo - Bairro Dom Cabral CEP:30535-012 - Belo Horizonte - MG - Brasil

Tel: (31) 3319-4582
e-mail: psirevista@pucminas.br