Reflexões acerca da manutenção do conceito de campesinato

Ariel Pereira da Silva Oliveira

Resumo


O escopo do presente artigo é apresentar reflexões acerca da manutenção do conceito de campesinato. O camponês é aqui entendido como classe social parte do capitalismo, mas que não absorve sua lógica, ao contrário, resiste as formas de apropriação da renda camponesa da terra pelo capital. O conceito em questão é pertinente uma vez que dá as ferramentas necessárias para entender as estratégias de reprodução camponesa no espaço agrário. O presente artigo traz pontos que advogam em prol da defesa da manutenção do conceito. O caminho trilhado foi uma revisão bibliográfica condizente com a temática afim de sustentar o objetivo principal.


Palavras-chave


Campesinato; Capitalismo; Conceito

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Rosemeire Aparecida de. O conceito de classe camponesa em questão. Terra Livre, São Paulo, v. 2, n. 21, 2003, p. 73 – 88.

BOMBARDI, Larissa Mies. O papel da geografia agrária no debate teórico sobre os conceitos de campesinato e agricultura familiar. GEOUSP – Espaço e Tempo, São Paulo, n. 14, 2003, p. 107 – 117.

BRASIL, Lei n. 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2006.

CAMPOS, Christiane Senhorinha Soares. Campesinato autônomo – uma nova tendência gestada pelos movimentos sociais do campo. Lutas & Resistências, Londrina, v.1, set. 2006, p.146-162.

CHAYANOV, Alexander. Teoria dos sistemas econômicos não capitalistas. In: CARVALHO, Horácio Martins de Carvalho (Org.). Chayanov e o campesinato. São Paulo: Expressão Popular, 2014, p. 99 – 137.

FELÍCIO, Munir Jorge. Os camponeses, os agricultores familiares: paradigmas em questão. Geografia, Londrina, v. 15, n. 1, 2006, p. 205 – 219.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Questão agrária: conflitualidade e desenvolvimento territorial. In: STÉDILE, João Pedro Agustini. Questão agrária do Brasil: o debate na década de 2000. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Censo agropecuário de 2006: um marco da disputa territorial entre campesinato e agronegócio. Boletim da luta. n. 22, 2009.

HARNECKER, Marta; URIBE, Gabriela. Luta de Classes. São Paulo: Global Editora. 1980.

IBGE. Censo Agropecuário 2006: Agricultura Familiar – Primeiros Resultados. Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. Rio de Janeiro, 2009.

KAUTSKI, Karl. A questão agrária. 3. ed. São Paulo: Proposta Editorial, 1980.

MARQUES, Marta Inês Medeiros. A atualidade do uso do conceito de camponês. NERA, v. 11, 2008, p. 57-67.

MARTINS, José de Souza. A sociedade vista do abismo – Novos estudos sobre exclusão, pobreza e classes sociais. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

PAULINO, Eliane Tomiasi. Questão agrária e ensino de geografia: um debate necessário. In: KATUTA, Ângela Massumi; ELY, Deise Fabiana; PAULINO, Eliane Tomiasi.; CUNHA, Fábio Cesar Alves; ANTONELLO, Ideni Terezinha (Orgs.). Geografia e mídia impressa. São Paulo. Expressão Popular, 2009, p. 61 – 86.

PAULINO, Eliane Tomiasi. Soberania alimentar em contraponto à segurança alimentar – Drª. Eliane Tomiasi Paulino. 21min 05. Disponível em: . Acessado em: 11 Fev. 2016.

PAULINO, Eliane Tomiasi. O campo brasileiro no cenário da matriz energética renovável: notas para um debate. Terra Livre. São Paulo, v.2, n.29, 2007, p. 95 – 114.

PAULINO, Eliane Tomiasi. Por uma geografia dos camponeses. 2 ed. São Paulo: UNESP, 2012.

ROSA, Marcelo do Nascimento; NASCIMENTO, Aline Cristina; MENDONÇA, Marcelo Rodrigues. Trabalhar e diversificar para quê? As estratégias de reprodução do campesinato. In: Jornada do Trabalho, 13., 2012, Presidente Prudente. Anais...Presidente Prudente, 2012.

SHANIN, Teodor. A definição de camponês: conceituações e desconceituações – o velho e o novo em uma discussão marxista. NERA. Presidente Prudente, n. 7, 2005, p. 1-21.

SHANIN, Teodor. Lições camponesas. In: PAULINO, Eliane Tomiasi; FABRINI, João Edmilson. (Orgs.). Campesinato e territórios em disputa. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2008, p. 23 – 47.

SOUSA, Raimunda Áurea Dias de; CONCEIÇÃO, Alexandrina Luz. O Camponês e o Trabalho: analisando a importância do excedente social. Pegada Eletrônica. Presidente Prudente, v. 11, n. 1, 2010, p. 64-76.

SOUZA, Suzane Tosta; SANTOS, Jânio Roberto Diniz dos. As ideologias do capital para o campo brasileiro: o agronegócio e a agricultura familiar. Colóquio do Museu Pedagógico. v. 10, n. 1, 2013, p. 437-467.

VINHA, Janaina Francisca. Território (i)material e Geografia Agrária: paradigmas em questão. NERA, Presidente Prudente, n. 23, 2013, p. 27 - 42.

WOORTMANN, Ellen Fensterseifer. Herdeiros, parentes e compadres: Colonos do sul e sitiantes do Nordeste. São Paulo: Hucitec; Brasília: Editora UnB, 1995.

WOORTMANN, Klaas. “Com parente não se neguceia” o Campesinato como ordem moral. Anuário Antropológico 87. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1990, p. 11-73.

WOORTMANN, Klaas; WOORTMANN, Ellen Fensterseifer. O significado do alimento na família camponesa. UNISINOS, v. 4, n.163, 2005, p. 13-17.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.