Revisão gráfica: explorando a dimensão gestáltica do texto

Julia Magalhães Matos e Silva

Resumo


Este artigo tem como objetivo expandir o conceito de revisão gráfica proposto inicialmente por Coelho e Antunes (2010) à luz de noções de Gestalt – tanto no aspecto cognitivo quanto como conceito de design gráfico. Entende-se que o papel do revisor de textos não se resume a observar aspectos linguísticos, podendo explorar outras dimensões, como a materialidade do texto. Sendo o texto escrito um aparato visual, considero ser possível interpretá-lo como uma imagem, um conjunto de unidades (parágrafos) formadas por componentes menores (palavras e linhas). Dessa forma, para a concretização do papel comunicativo do texto, seria também necessário observar a composição visual das unidades que o formam – a apresentação. Sob essa ótica, considero como foco desse tipo de revisão a formatação individual, distinta, mas não excludente do padrão de apresentação prescrito por órgãos externos, como a ABNT. Como forma de ilustrar algumas possibilidades de atuação para a revisão gráfica, foram explorados exemplos no gênero artigo acadêmico, focalizando nos itens de paragrafação, citação direta longa e nota de rodapé. Com os exemplos, conclui ser essencial a uma apresentação eficiente o uso de artifícios que garantam a leiturabilidade do texto: a construção deliberada e harmônica de parágrafos e o uso de espaços vazios, garantindo pontos de descanso visual ao leitor.


Palavras-chave


Revisão gráfica. Gestalt. Formatação Textual.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: informação e documentação – citações em documentos – apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e documentação – trabalhos acadêmicos – apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. (VOLOCHÍNOV, Valentin Nikolaevitch). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martin Fontes, 1997.

COELHO, Sueli Maria; ANTUNES, Leandra Batista. Revisão textual: para além da

revisão linguística. Scripta, Belo Horizonte, v. 14, n. 26, p. 205-224. 1º semestre 2010.

COSTA VAL, Maria da Graça. Quatro Fatores de Coerência. In: COSTA VAL, Maria da Graça. Redação e textualidade. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

GOMES FILHO, João. Gestalt do objeto: sistema de leitura visual da forma. 8. ed. rev. e ampl. São Paulo: Escrituras Editora, 2008.

KE, Diane. Lorem Ipsum. [S.l.]: Behance, 28 set. 2013. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2018.

MARI, Hugo; SILVEIRA, José Carlos Cavalheiro de. Sobre a cognição visual. Scripta, Belo Horizonte, v. 14, n. 26, p. 03-26. 1º semestre 2010.

MARQUES, Thatiane Cristina da Silva. A relação da normalização em notas de rodapé e a discursividade em textos acadêmico-científicos. Cadernos CESPUC de Pesquisa,

n. 31, p.142-152, 2º semestre 2017.

RIBEIRO, Ana Elisa. Revisão de textos e “diálogo” com o autor: abordagens profissionais do processo de produção e edição textual. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 32, 2009, Curitiba. Anais... Curitiba: Intercom, 2009.

RODRIGUES, Daniella Lopes Dias Ignácio. Para além da normalização: aspectos discursivos das normas de padronização. Scripta, Belo Horizonte, v. 19, n. 36, p. 357-368, 1º semestre 2015.

SEURAT, Georges. A Sunday on La Grande Jatte. 1884. 1 original de arte, óleo sobre tela, aprox. 2 m x 3 m. [S.l.]: About this Artwork, The Art Institute of Chicago, 2018. Disponível em:

&index=9>. Acesso em: 29 abr. 2018.

WILLIAMS, Robin. Design pra quem não é designer: noções básicas de planejamento visual. Tradução de Laura Karin Gillon. São Paulo: Callis, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.