As descobertas de Peter Lund e as contribuições de seu legado científico para a arqueologia mineira

  • Bianca Rezende Godói Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Peter W. Lund. Arqueologia Mineira. Legado.

Resumo

Trabalhar o conhecimento científico, com um olhar historiográfico, é um grande desafio do Historiador das Ciências, que tem o trabalho de historicizar certo feito, personagem ou acontecimento, procurando avaliar a relevância, mudanças e permanências que este provocou em seu tempo e contexto histórico. Esse profissional também enfrenta outros obstáculos a serem ultrapassados neste campo de estudo, que será mais bem debatido no decorrer da pesquisa. O presente artigo retratará um pouco da vida e dos estudos de um icônico personagem da Ciência, Peter Wilhelm Lund, um importante pesquisador dinamarquês que marcou a História da Paleontologia e Arqueologia brasileiras. Responsável por pesquisas e grandes descobertas no século XIX, acerca das primeiras populações ameríndias, seus achados proporcionaram grandes contribuições para pesquisas contemporâneas sobre o tema. Mesmo com as precariedades de recursos científicos de seu tempo, Lund deixou um importante legado científico sobre os animais e humanos que aqui viveram no período do Pleistoceno. Através de seus estudos, muitos pesquisadores contemporâneos, como André Strauss, André Prous e até o renomado Walter Neves, utilizados como fonte para este trabalho, beberam das teorias e hipóteses de Lund  para formular e desenvolver suas novas pesquisas. Sendo assim, esta pesquisa tem como objetivo analisar a relevância dos achados de Peter Lund para novos estudos e pesquisas atuais. Pretendo investigar como Lund promoveu alterações profundas no modo de interpretar a ocupação humana no Brasil e suas primeiras populações, e como seu legado científico é difundido e ainda hoje é fonte atual para pesquisas mais avançadas. Para tal intento, será utilizado como fonte primária o Livro de Memórias (1950) de Peter Lund, no qual este realizou anotações de campo de suas expedições, e como fonte bibliográfica referencial os autores NEVES; PILÓ (2008) e MARCHESOTTI (2005), que irão retratar e contextualizar as descobertas e achados de Lund e seu legado científico.

Biografia do Autor

Bianca Rezende Godói, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Graduada em História (Licenciatura), Graduanda em História (Bacharel), atualmente é estagiária no Laboratório de Arqueologia do Museu de Ciências Naturais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, desenvolveu Pesquisa Científica (bolsista) na área de História da Ciência pela FAPEMIG e participa do Programa Residência Pedagógica (bolsista) pela Capes.

Referências

FARIA, F. F. de A. Peter lund (1801-1880) e o questionamento do catastrofismo. Filosofia e História da Biologia. Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia-ABFHiB, v. 3, n. 1, p. 139–156, 2008.

GUIMARÃES, M. Os povos de Lagoa Santa. São Paulo: Fapesp. 247:16-21. set. 2016.

HOLTEN, B; MICHAEL, S. P. W. LUND e as grutas com ossos em Lagoa Santa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011, p.17-35.

HURT, W. R.; BLASI, O. O projeto arqueológico "Lagoa Santa". Minas Gerais, Brasil:(nota final). [S.l.]: Secretaria de Educação e Cultura [Museu Paranaense], 1969.

KURY L 2001. Viajantes-naturalitas no Brasil oitocentista: experiência, relato e imagem. Hist Cienc Saude Manguinhos 8 (suppl): 863-880.

IN-SITU Informativo do Centro de Arqueologia Annette Laming Emperaire. Nº 8, p. 1–12, 2017.

MARCHESOTTI, A. P. A. Peter Wilhelm Lund (1801-1880): o naturalista, sua rede de relações e sua obra, no seu tempo. Dissertação. Universidade Federal de Minas gerais. UFMG: Belo Horizonte, 2005.

NEVES, W. A.; DA-GLORIA, P.; HUBBE, M. Lagoa santa: em busca dos primeiros americanos. Ciência e Cultura. Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, v. 68, n. 4, p. 52–55, 2016.

NEVES, W. A. et al. Morfologia craniana dos remanescentes ósseos humanos da lapa do santo, lagoa santa, minas gerais, brasil: implicações para o povoamento das américas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Museu Paraense Emílio Goeldi, v. 9, n. 3, p. 715–740, 2014.

NEVES, W. A.; PILÓ, L. B. O povo de Luzia: em busca dos primeiros americanos. [S.l.]: Academia Llingua Asturiana, 2008.

PAULA COUTO, C. Memórias sobre a paleontologia brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro/Ministério da Educação e Saúde. 1950.

PROUS, A. As muitas arqueologias das Minas Gerais. Revista Espinhaço, v. 2, p. 36-54, 2013.

STRAUSS, A. As práticas mortuárias na região de Lagoa Santa. In: DA-GLORIA, P.; NEVES, W.A.; HUBBE. M. (Org.). Lagoa Santa - História das Pesquisas Arqueologicas e Paleontologicas. 1ed.Sao Paulo: Anna-Blume, cap.13, 2016.

STRAUSS, A. Lapa do Santo: as práticas mortuárias dos primeiros americanos. In-Situ - CAALE, v. 3, 03 jun. 2013.

WALTER, H.V. A pré-história da região de Lagoa Santa (Minas Gerais). Belo Horizonte: Ed. Brasil, 1948.

Publicado
29-06-2020