Platão e Bowie: leituras sobre os corpos andróginos

  • Guilherme César Graduando em História - PUC Minas
Palavras-chave: Androginia. Bowie. Corpos. Identidades. Platão.

Resumo

Em O Banquete, Platão apresenta uma origem para os corpos andróginos. Segundo ele, haveria três gêneros/corpos: masculino, feminino e o andrógino, uma junção do masculino com o feminino. Para o filósofo grego, os corpos humanos teriam duas cabeças, quatro braços, quatro pernas e, assim em diante, uma vez que, para o ele, os corpos se formavam através de dois corpos de mesmo gênero. Porém, após uma punição divina – devido à rebeldia dos humanos contra os deuses –, os duplos corpos foram separados, causando uma nova individualidade. Já entre o fim dos anos 60 e começo dos 70 (século XX), vê-se o nascimento de várias tendências do Rock and Roll, do movimento hippie e seu sentimento de contracultura, e dos novos conceitos de moda; os quais, com roupas coloridas e de padrão “excêntrico”, deram base a novas formas de rebeldia entre os jovens. Nesse contexto, surge a figura ainda polêmica de David Bowie (1947-2016) que, criticando sua realidade e as tendências conservadoras – social e cientificamente – de sua época, trará juntamente com suas composições, um tanto psicodélicas, sucesso e principalmente, Ziggy Stardust, um alienígena estrela do rock e ainda, uma figura andrógina e bissexual. O objetivo desse trabalho, fundamentado através de pesquisas bibliográficas principalmente sobre a obra de Platão e a figura de David Bowie, é entender o papel da androginia como uma forma de rebeldia ou resistência. Para tanto, é necessário estabelecer um atual conceito de androginia, como um ser imagético que, seja na sua forma física ou de vestuário, foge das ideias heteronormativas. Até o presente momento, entende-se que a rebeldia / resistência dos corpos andróginos se fundamenta, em grande parte, pelo grande tabu, ainda presente em nossa sociedade, associado às discussões de gênero e sexualidade, as quais são, em grande parte abominadas por entidades e pessoas mais conservadoras.

Referências

ALMEIDA FILHO, Carlito Lins de; CARDOSO SILVA, Jhonattan Willian. Diálogos entre a rebeldia e a androginia. Revista Diversidade e Educação, Rio Grande, RS, v. 6, n. 2, jul./dez. 2018, p. 34-42. Disponível em: https://periodicos.furg.br/divedu/article/view/8352 Acesso em: 22 out. 2019.

BARROS, Patrícia Marcondes de. A contracultura, o glam rock e a moda andrógina nos anos 70-80. [comunicação]. In: III Seminário Internacional História do Tempo Presente, UDESC, 2017. Disponível em: http://eventos.udesc.br/ocs/index.php/STPII/IIISIHTP/paper/view/652 Acesso em: 07 abr. 2019.

BENETI, Mariana Bento. A construção da arte pop de David Bowie nas facetas dos personagens Major Tom e Ziggy Stardust. São Paulo, 2016, Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste. Salto, SP, 2016. Disponível em: http://www.portalintercom.org.br/anais/sudeste2016/resumos/R53-0502-1.pdf Acesso em: 22 out. 2019.

BOWIE, David. David Bowie tells all and more [entrevista a Patrick Salvo em março de 1973]. David Bowie: the last interview and other conversations. Nova Iorque: Melville House Publishing, 2016.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a História. São Paulo: Perspectiva, 1978.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

DOGGET, Peter. The Man Who Sold the World: David Bowie and the 1970s. Nova Iorque: Harper Collins, 2012.

ELIADE, Mircea. Mefistófeles e o andrógino: comportamentos religiosos e valores espirituais não-europeus. Brasil: Martins Fontes, 1991.

FERREIRA, Amauri Carlos. Os gregos: a aprendizagem pela narrativa e representação. Artigo escrito para o curso de Cultura Grega solicitado pelo Depto. de História da PUC-Minas, 2019.

FOUCAULT, Michel. História da Loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva, 1978.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. In: MACHADO, Roberto Machado (Org.) Microfísica do Poder. 4ª Ed. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. 8ª Ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

FRANÇA, Eduardo. A representação social da androginia na publicidade da moda. Entremeios, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, 2017, p. 1-11. Disponível em: http://entremeios.com.puc-rio.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=98&sid=18 Acesso em: 22 out. 2019.

GGB. População LGBT morta no Brasil: Relatório 2018. Grupo Gay da Bahia. Disponível em: https://grupogaydabahia.com.br/relatorios-anuais-de-morte-de-homossexuais/ Acesso em: 07 abr. 2020.

LIPOVETSKY, Gilles. O Império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo, Companhia das Letras, 2009.

MARCONDES, Ivelise. A moda andrógina masculina do movimento do glamour rock. 2013.139 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Apucarana, 2013.

MAUS, Stephan. Androginia e a modelagem unissex. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Apucarana, 2013.

MENEZES, Luiz Maurício Bentim da Rocha. O mito do andrógino no banquete de Platão. Tema livre. Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, 2018, p. 170-181. Disponível em: https://periodicos.uff.br/helade/article/view/28045 Acesso em: 25 set. 2019.

MOLINA, Anelise Wesolowski. Androginia, história e mito: a fluidez de gênero e suas recorrências. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499465189_ARQUIVO_enviar_Anelise_W_Molina.pdf Acesso em: 26 set.2019.

PLATÃO. O Banquete. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: EDUFPA, 2001.

PUPO, Saulo Atêncio. O mito do herói em Ziggy Stardust. XI seminário de pesquisa em ciências humanas. SEPECH Humanidades, Estado e desafios didático-científicos, Londrina, v. 2, n.4, julho de 2016. Disponível em: https://www.proceedings.blucher.com.br/article-details/o-mito-do-heri-em-ziggy-stardust-23557 Acesso em: 26 set.2019.

RORIGO, Júlio Mendes. O andrógino hermético: um “ser duplo” através das artes e das letras. In: Anais do I do Congresso l Lusófono Esoterismo Ocidental – Vol. I Arte e Esoterismo Ocidental, 2016, p. 144-153. Disponível em:https://www.academia.edu/40161299/O_ANDR%C3%93GINO_HERM%C3%89TICO_UM_SER_DUPLO_ATRAV%C3%89S_DAS_ARTES_E_DAS_LETRAS Acesso em: 28 set.2019.

SANCHEZ, Gabriel; SCHMITT, Juliana. Moda sem gênero: conceituação e contextualização das tendências não binárias. 12º Colóquio de Moda – 9ª Edição Internacional 3º Congresso de Iniciação Científica em Design e Moda 2016. Disponível em: http://www.coloquiomoda.com.br/coloquio2017/anais/anais/edicoes/12-Coloquio-de-Moda_2016/COMUNICACAO-ORAL/CO-03-Cultura/CO-03-MODA-SEM-GENERO-Conceituacao-e-contextualizacao-das-tendencias-nao-binarias-FINAL.pdf Acesso em: 07 abr. 2020.

SANTOS, Marcel de Lima. Xamanismo: a palavra que cura. São Paulo: Paulinas; Belo Horizonte, MG: Editora PUC Minas, 2007.

SCHWARCZ, Lília Moritz. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, RS, vol. 20, n. 2, jul./dez., 1995, p. 71-99. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71721/40667 Acesso em: 07 abr. 2020.

SEBASTIÃO, Sónia. Sujeito pós-moderno: de andrógino a pós-humano. Comunicação & Cultura. Lisboa. n. 9, Primavera-Verão, 2010, p. 59-75. Disponível em: https://repositorio.ucp.pt/handle/10400.14/10474 Acesso em: 22 out. 2019.

Publicado
29-06-2020