Os impactos da oferta de Libras nos cursos de formação de professores: um olhar para o currículo de Letras da UNEB

Palavras-chave: Formação de professores, UNEB, Currículo, Letras, Libras

Resumo

O presente artigo tem por objetivo refletir acerca da oferta da Língua Brasileira de Sinais (Libras) nos cursos de formação de professores, mais especificamente no curso de Licenciatura em Letras da UNEB, tendo como fonte de pesquisa o atual Projeto do Curso de Letras do Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias (DCHT), campus XXII, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), além da proposta de redimensionamento curricular que está em discussão nos colegiados, a fim de pensar como essa oferta pode impactar na formação dos professores de Língua Portuguesa, ao se deparar com estudantes surdos em sala de aula. Metodologicamente, este trabalho, de cunho qualitativo, se deu por meio de uma pesquisa bibliográfica, com aporte teórico de autores como Perlin e Strobel (2014), Skliar (1997), Lopes (2007), Strobel (2008), assim como dos documentos oficiais que versam sobre a obrigatoriedade da oferta da Libras, seguido de uma pesquisa documental, por meio da análise do Projeto do Curso de Letras do DCHT XXII e da ementa do componente de Libras, cuja oferta, atualmente, é semipresencial. Como resultado desse estudo, contata-se que a oferta de Libras em apenas um semestre, com carga horária de 60 horas, mostra-se insuficiente para possibilitar a(o) professor(a) em formação condições de lidar com os estudantes surdos que, por ventura, estejam em sua sala de aula. Ainda assim, há que se reconhecer que a oferta da Libras tem permitido descontruir mitos e preconceitos no que se refere à cultura surda e à Língua Brasileira de Sinais.

Biografia do Autor

Yuri Miguel Macedo, Universidade Federal do Sul da Bahia - Universidade Federal do Espirito Santo

Professor Pesquisador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES), Professor no Programa de Pós-Graduação Lato Sensu Formação de Professores em Letras-Libras na Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Aluno do Programa de Pós-Graduação em Ensino e Relações Étnico-Raciais da Universidade Federal do Sul da Bahia, licenciado em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Boa Esperança - FABIBE, Especialista em História e Cultura Afro-Brasileira, Especialista em Educação de Jovens e Adultos, atuando principalmente nos seguintes temas: Identidade, Cultura, Classe, Gênero, Educação Inclusiva, Educação, Devoções, Transversalidade, Africanidades e Ancestralidade. Coordenador do Grupo de Pesquisa Educação Transversal (UFES), vice coordenador do Grupo de Pesquisa Erê-Ecoa (UFES) Pesquisador dos grupos: Grupo de Pesquisas em Linguagens, Poder e Contemporaneidade ? GELPOC (IFBA) ; Políticas de Inclusão e Educação para as Relações Étnico-Raciais (UFES); Invisibilidade Social e Energias Emancipatórias em Direitos Humanos (FDV) ; Espaços Deliberativos e Governança Pública (UFV/CLACSO) e Educação para as relações étnico-raciais, territorialidades e novas mídias (UFES). Membro da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN), Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED) e Société Internationale d?Ergologie. 

Adriana Gonsalves da Silva Fontes, Universidade do Estado da Bahia

Graduada em Letras Vernáculas com Licenciatura Plena em Literatura pela Universidade do Estado da Bahia (2007), servidora da UNEB, Lotada no Campus Avançado de Canudos - CAC, atuando no Memorial Antonio Conselheiro e Parque Estadual de Canudos (MAC/PEC) desde 2010; especialista em Gestão Governamental pela Universidade do Estado da Bahia (2015); especialização em Literatura e Linguística Aplicada ao Ensino ,também pela UNEB (por concluir); cursando Especialização em LIBRAS/UNEB (UNEAD). Ministra aulas de Redação no Cursinho Pré-Vestibular, UPT - Universidade Para Todos desde 2013; atuação na gestão do polo UPT/Canudos em 2017; possui prática em Mini-cursos, Oficinas e organização de eventos acadêmicos. Áreas de interesse: Linguagens, Filologia, Edição de Textos, Sustentabilidade, História regional e Políticas Públicas.

Ilza Carla Reis de Oliveira, Universidade do Estado da Bahia

Docente do curso de Licenciatura em Letras/Português, no Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias (DCHT), da UNEB. Graduada em Licenciatura em Letras/Português, pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Especialista em Estudos Literários e Linguística Aplicada ao ensino (UNEB). Mestre em Estudos Linguísticos, pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (PPGEL), da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Discente no Programa de Pós-Graduação Lato Sensu Formação de Professores em Letras-Libras na Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Referências

ALMEIDA, Josiane Junia Facundo de; VITALINO, Célia Regina. A disciplina de Libras na formação inicial de pedagogos: experiência dos graduandos. In: Anais da IX ANPED Sul – Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul. Caxias do Sul, 2012.

BAGNO. Marcos. Curso de letras? Pra quê? Disponível em: <http://www.parabolaeditorial.com.br/website/index.php?option=com_content&view=article&id=224%3Acurso-de-letras-pra-que&catid=63%3Ablog&Itemid=131>. Acesso em: 02 jun. 2019.

BARRETO, Elba Siqueira de Sá. Políticas de formação docente para a educação básica no Brasil: embates contemporâneos. Revista Brasileira de Educação, v. 20 n. 62 jul.-set. 2015.

BOAVENTURA, Edvaldo M. A construção da universidade baiana: objetivos, missões e afrodescendência. Salvador: EDUFBA, 2009.

BOTTONI, Andrea; SARDANO, Edélcio de Jesus; COSTA FILHO, Galileu Bonifácio da. Uma breve história da Universidade no Brasil: de Dom João a Lula e os desafios atuais. Gestão universitária: os caminhos para a excelência. Porto Alegre: Penso, 2013.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Parecer CNE/CP 9/2001. Brasília, Diário Oficial das União [República Federativa do Brasil].18/1/2002. Seção 1, p. 31.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Lei Nº. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2002.

BRASIL. Decreto Federal n 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Lei nº 13.055, de 22 de dezembro de 2014. Institui o Dia Nacional da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS e dispõe sobre sua comemoração. Diário Oficial da União Poder Executivo, Brasília, DF, 23 dez. 2014. p. 01. [recurso eletrônico]. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&data=23/12/2014&pagina=1. Acesso em: 11 jun. 2019.

CUNHA, M. R. Gestão estratégica de IES: modelos e funções do planejamento estratégico em universidades públicas e privadas de Palmas – Tocantins. (Dissertação de mestrado). Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, Portugal, 2011. Recuperado de http://recil.grupolusofona.pt/handle/10437/3804

DOMINGUES, Isaneide. Grupos Dialogais: compreendendo os limites entre pequisa e formação. In: PIMENTA, Selma G. et al. Pesquisa em Educação: alternativas investigativas com objetos complexos. 2ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

GESSER, Audrei. Libras? Que Língua é essa?: Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola, 2009.

GOMES, Maria Lúcia de Castro. Metodologia do ensino de língua portuguesa. Curitiba: IBPEX, 2007.

LODI, Ana Cláudia Balieiro; NOGUEIRA, Erica de Azevedo. Língua Brasileira de Sinais nos Cursos de Licenciatura: investigando o processo de formação de professores. In: Biblioteca Virtual da FAPESP. CDi/FAPESP ‐ Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, 2011.

LOPES, Maura Corcini. Rupturas e posições. In: Surdez & educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007, p. 7-38. Disponível em: <https://docslide.com.br/documents/surdez-e-educacao.html>. Acesso em: 30 abr. 2018.

PERLIN, Gládis; STROBEL, Karen. História Cultural dos Surdos: Desafios Contemporâneos. In: Educar em Revista. Curitiba, Brasil: Editora UFPR, Edição Especial nº 2, 2014, p. 17-31.

QUADROS, R. M. de. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

SKLIAR, Carlos, Educação & exclusão: abordagens sócio-antropológicas em educação especial. Porto Alegre: Editora Mediação, 1997.

SKLIAR, Carlos. Os Estudos Surdos em Educação: problematizando a normalidade. In: SKLIAR, Carlos (Org.) A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998, 6-32 p.

SKLIAR, Carlos. Educação e Exclusão, Abordagens Sócio-Antropológicas em Educação Especial. In: SKLIAR, C.B. (Org.). Uma perspectiva sócio-histórica sobre a psicologia e a educação dos surdos. Porto Alegre: Mediação, 2001.

STROBEL, Karen. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Ed. da UFSC. 2008.

UNEB (Universidade do Estado da Bahia). Projeto de Redimensionamento do Curso de Licenciatura em Letras – Habilitação em Língua Portuguesa e Literaturas. Resolução CONSEPE, nº 928/2008, de 04 de abril de 2008.

Publicado
28-06-2020