A política por trás do som: uma análise do rap como narrativa política do movimento de resistência negro

  • Lorran Douglas Silva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Cultura. Hip Hop. Narrativas. Política. Raça.

Resumo

O presente artigo tem como ideia compreender uma parte da Cultura e Movimento do Hip Hop que outrora fora marginalizada e estigmatizada, trazendo, assim, um olhar especial aos jovens negros periféricos e a possibilidade de emanar as suas vozes e reconhecimento. O objetivo central do estudo trata-se da compreensão do rap como uma narrativa política que fortalece o movimento de resistência negro; essa narrativa se dá como uma contestação político-social, de fortalecimento da identidade do negro-descendente, que se serve como uma narrativa e expressão do movimento de resistência negro. Para essa compreensão, foi necessário o entendimento da figura do narrador, conforme a obra de Walter Benjamin, O Narrador (1985) e pesquisas bibliográficas, além da apresentação de algumas canções e poesias do rap para a discussão desejada, por meio de uma breve análise destas. Ademais, buscou-se evidenciar perspectivas teóricas que enfatizam a sociedade brasileira e a posição do negro dentro dela. Foi possível, assim, compreender o Movimento como um novo e ousado sujeito político na esfera cotidiana pública da periferia; e, os rappers (MCs) como narradores urbanos, cujas letras demonstram suas experiências na vida público-política, o cotidiano e outras formas de manifestação, incentivos e reivindicações. A arte do Movimento confere aos jovens as suas valorizações e da própria periferia, ao passo em que carrega a informação e o conhecimento na substituição da violência física pelo poder das palavras e ideias.

Biografia do Autor

Lorran Douglas Silva, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

raduando em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Contato: lorrand.silva@outlook.com.

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo Estrutural. In: RIBEIRO, Djamila (coord.) Feminismos plurais. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

AMARAL, S. O rap, a revolução e a educação – do Bronx à Primavera Árabe. Ide. Pepsic. [online]. vol.36 no. 56. São Paulo jun. 2013.

ANDRADE, E.N. Movimento Negro Juvenil: um estudo de caso sobre rappers de São Bernardo do Campo. 1996. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

ARRUDA, Daniel P. Cultura Hip-Hop e Serviço Social: a arte como superação da invisibilidade social da juventude periférica. 2017. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.

BARROCO, M. L. S. Barbárie e neoconservadorismo: os desafios do profeto ético- político. In: Revista Serviço Social e Sociedade. São Paulo: Cortez, 2011, p. 205 – 218, n. 106, abril/junho de 2011.

BENJAMIN, W. O narrador. (S.P. Rouanet & J.M. Gagnebin, trads.). In: Magia e técnica, arte e política - ensaios sobre literatura e história da cultura. (Obras escolhidas, v.01). São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

BENJAMIN, W. O narrador.(J.L. Grünnewald, trad.). In: W. Benjamin. Textos escolhidos - Walter Benjamin, Max Horkheimer, Theodor W. Adorno, Jüergen Habermas. (pp.57-74). São Paulo: Abril Cultural, 1983.

BENJAMIN, W. (1986). "Experiência e pobreza." (C. Souza, trad.). In: W. Benjamin. Documentos de cultura, documentos de barbárie. (pp.195-198). São Paulo: Cultrix/EDUSP.

BOBBIO, N.; Matteuci, N.; Pasquino, G. Dicionário de política. (C. C.Varriale et al., trads.). (v.02). Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1999.

BORRI, Giovanna Teixeira. Hip-Hop: Movimento Político-Cultural de resistência da juventude da periferia e sua inserção nos saraus. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.

CARRIL, L.F.B. Quilombo, favela e periferia: a longa busca da cidadania. Tese (Doutorado em Geografia Humana). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

CASTORIADIS. As encruzilhadas do Labirinto VI – Figuras do Pensável. Trad. Eliana Aguiar. Rio De Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

CERRUTI, Marta Quaglia. O jovem e o rap: ética e transmissão nas margens da cidade. Tese (Doutorado em Psicologia). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

COSTA, R. C.; MENEZES, J. A. Os Territórios de Ação Política de Jovens do Movimento Hip-Hop. Revista Em Pauta, Rio de Janeiro, v. 6, n. 24, p. 199-215, dezembro de 2009.

DALAL, F. Race, colour and the processes of racialization – new perspectives from group analysis, Psychoanalysis and Sociology. Hove & New York: Brunner-Routledge, 2002.

DIAS, L.; GAMBINI, R. Outros 500: uma conversa sobre a alma brasileira. São Paulo: Editora Senac, 1999.

DIÓGENES, G. Cartografias da cultura e da violência: gangues, galeras e o movimento Hip Hop. São Paulo: Annablume / Fortaleza, Secretária da Cultura e Desporto, 1998.

FANON, Frantz. Os condenados da Terra. Minas Gerais: Editora UFJF, 2010.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Bahia: Editora Edufba, 2008.

GOHN, Maria da Glória. Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saude soc. [online]. 2004, vol.13, n.2, pp.20-31. ISSN 1984-0470.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

HENDERSON, Errol. Navigating the Muddy Waters of the Mainstream: Tracing the Mystification of Racism in International Relations. In: Rich, Wilbur (ed.) The State of the Political Science. Discipline: An African-American Perspective. Philadelphia, PA. Temple University Press, 2007.

HERSCHMANN, M. O funk e o hip-hop invadem a cena. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2000.

HOLANDA, S.B. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KEHL, Maria Rita. Radicais, Raciais, Racionais: a grande fratria do rap na periferia de São Paulo. São Paulo Perspec. vol.13 no.3 São Paulo July/Sept. 1999.

LAFER, C. A reconstrução dos direitos humanos: um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

LEAL, S. J. M. Acorda hip-hop! : despertando um movimento em transformação. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2007. (Tramas urbanas).

LOURENÇO, Mariane Lemos. Arte, cultura e política: o Movimento Hip Hop e a constituição dos narradores urbanos. Psicol. Am. Lat. [online]. 2010, n.19, pp. 0-0. ISSN 1870-350X.

NOVAIS, F.A. Condições da privacidade na colônia. In: SOUZA, L.M. (Org.). História da vida privada no Brasil – v.1: Cotidiano e vida privada na América Portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. pp. 13-39.

RIBEIRO, R.I. Identidade do afro-descendente e sentimento de pertença a networks organizados em torno da temática racial. In: BACELAR, J.; CAROSO, C. (Org.). Brasil: um país de negros? Rio de Janeiro & Salvador: Pallas / CEAO, pp. 235-252, 1999.

SANTOS, H. A busca de um caminho para o Brasil. A trilha do círculo vicioso. São Paulo: Ed. Senac, 2001.

SCANDIUCCI, Guilherme. Cultura Hip Hop: um lugar psíquico para a juventude negro-descendente das periferias de São Paulo. Imaginário. v.12 n.12 São Paulo jun. 2006.

SILVA, J.C.G. Arte e educação: a experiência do movimento Hip Hop paulistano. In: E.N. ANDRADE, (Org.), Rap e educação, rap é educação. (pp.23-38). São Paulo: Summus. 1999.

SILVA, Roberto Antônio de Souza da. MH2O - o movimento hip-hop organizado em Fortaleza. UFRJ – 1998 – Dissertação.

SUAREZ, Rosana. Nota sobre o conceito de Bildung (formação cultural). Kriterion vol. 46 no.112 Belo Horizonte Dec. 2005.

THOMPSON, Debra. Through, Against and Beyond the Racial State: The Transnational Stratum of Race. Cambridge Review of International Affairs 26 (2013): 135.

Publicado
16-12-2020